Mar­co é exem­plo no com­ba­te à Ves­pa Ve­lu­ti­na

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Mar­co de Ca­na­ve­ses foi a ci­da­de es­co­lhi­da pa­ra a re­a­li­za­ção do co­ló­quio “Com­ba­te à Ves­pa Ve­lu­ti­na”, even­to que se re­a­li­zou no dia 8 de de­zem­bro. A es­co­lha pren­de-se com o fac­to de o Mar­co ser o mu­ni­cí­pio on­de o com­ba­te à ves­pa es­tá mais or­ga­ni­za­do e com da­dos atu­a­li­za­dos.

Nes­te dia fo­ram apre­sen­ta­dos os re­sul­ta­dos da apli­ca­ção do pro­je­to “Con­tro­lo e mi­ni­mi­za­ção de pre­juí­zos da es­pé­cie in­va­so­ra Ves­pa Ve­lu­ti­na Ni­gritho­rax na pro­du­ção apí­co­la”. No even­to es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos os par­cei­ros do pro­je­to (Dol­men, UTAD, Ader­sou­sa, as­so­ci­a­ções de api­cul­to­res e em­pre­sá­ri­os apí­co­las).

Nel­son Gui­ma­rães, mem­bro do Ser­vi­ço Mu­ni­ci­pal de Pro­te­ção Ci­vil do Mar­co de Ca­na­ve­ses, mos­trou aos pre­sen­tes na ini­ci­a­ti­va o re­la­tó­rio que a Pro­te­ção Ci­vil fez no Mar­co de Ca­na­ve­ses, ten­do re­ve­la­do 668 ocor­rên­ci­as em 2018, das quais 485 são de Ves­pa Ve­lu­ti­na.

Dis­se ain­da que o tem­po de res­pos­ta a es­tas ocor­rên­ci­as é de 29 ho­ras após o re­gis­to das mes­mas, se­gun­do os da­dos re­gis­ta­dos du­ran­te o mês de ou­tu­bro.

Em­bo­ra se te­nha con­si­de­ra­do que a pra­ga da Ves­pa Ve­lu­ti­na “nun­ca nos vai dei­xar”, tal co­mo re­fe­riu Alí­pio Fon­se­ca, pro­du­tor de Re­sen­de, o cer­to é que fo­ram dis­cu­ti­das me­di­das de ate­nu­a­ção dos efei­tos da es­pé­cie.

Cris­ti­na Vi­ei­ra, pre­si­den­te da câ­ma­ra, dis­se que a au­tar­quia tem vin­do a re­a­li­zar ações de sen­si­bi­li­za­ção mas que ain­da é ne­ces­sá­rio “fa­zer mais, pa­ra me­lho­rar o ní­vel de in­for­ma­ção da po­pu­la­ção e api­cul­to­res”.

No en­tan­to, Ma­nu­e­la Al­ves, mem­bro da CIM do Tâ­me­ga e Sousa, sa­li­en­tou a im­por­tân­cia das abe­lhas pa­ra a exis­tên­cia da es­pé­cie hu­ma­na. “Após a ex­tin­ção das abe­lhas, a es­pé­cie hu­ma­na so­bre­vi­ve­rá per­to de qua­tro anos”, re­fe­riu.

As ves­pas ata­cam pa­ra de­fen­de­rem o seu ni­nho e, por is­so, Mar­co Por­to­car­rei­ro, da as­so­ci­a­ção Na­ti­va, fri­sou a im­por­tân­cia de ha­ver um re­gis­to de pi­ca­das pa­ra se de­te­tar a lo­ca­li­za­ção dos ni­nhos das ves­pas. Es­ta é uma me­di­da im­por­tan­te pois “ca­da ni­nho que che­ga à fa­se de ma­tu­ri­da­de, ge­ra cen­te­nas de ves­pas fun­da­do­ras, que po­dem alas­trar no ano se­guin­te o pro­ble­ma”, con­si­de­rou a mes­ma fon­te.

Du­ran­te es­te co­ló­quio foi so­li­ci­ta­do mais apoio nas cap­tu­ras das ves­pas fun­da­do­ras, que se ins­ta­lam com frequên­cia em áre­as ur­ba­nas.

A Dol­men fri­sou, na voz de El­sa Pi­nhei­ro, que o ob­je­ti­vo deste pro­je­to pren­de-se com o en­vol­vi­men­to de to­dos os mu­ni­cí­pi­os que fa­zem par­te da Dol­men no com­ba­te à Ves­pa Ve­lu­ti­na. Na sua in­ter­ven­ção sa­li­en­tou que é no Mar­co que se ob­ser­vam os me­lho­res re­sul­ta­dos deste com­ba­te.

“O Mar­co é re­fe­rên­cia na área in­ter­mu­ni­ci­pal pois, em tem­po re­cor­de, com­ba­te­mos os ni­nhos, mes­mo não sen­do da nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de”, dis­se El­sa Pi­nhei­ro.

A in­ten­ção é que es­tas ações con­ti­nu­em e que aqui­lo que tem si­do fei­to pe­lo mu­ni­cí­pio mar­co­en­se se alas­tre aos de­mais con­ce­lhos. Es­tão pre­vis­tas reu­niões em to­das as fre­gue­si­as pa­ra an­ga­ri­ar vo­lun­tá­ri­os pa­ra a co­lo­ca­ção de ar­ma­di­lhas.

Re­cor­de-se que es­te pro­je­to já es­te­ve im­ple­men­ta­do es­te ano e vai con­ti­nu­ar até 2021. O com­ba­te à Ves­pa Ve­lu­ti­na con­ta com o apoio do pro­gra­ma PDR 2020.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.