Su­ges­tões Li­te­rá­ri­as de Na­tal

A Verdade - - ESPECIAL NATAL -

Jor­nal A VER­DA­DE Mar­ca­dor de Li­vros

Com o Na­tal à por­ta o blo­gue eo

têm al­gu­mas su­ges­tões de li­vros que po­de com­prar pa­ra ofe­re­cer ou até mes­mo pa­ra des­fru­tar de uma boa lei­tu­ra.

El­sa tem se­te anos de ida­de, qua­se oi­to, e é di­fe­ren­te. Pa­ra já, tem co­mo melhor - e úni­ca - ami­ga a avó de se­ten­ta e se­te anos de ida­de, que é doi­da: não le­ve­men­te ta­ra­lho­ca, mas doi­da var­ri­da a sé­rio, ca­paz de se pôr à va­ran­da a ten­tar atin­gir pes­so­as que que­rem fa­lar so­bre Je­sus com uma ar­ma de paint­ball, ou as­sal­tar um jar­dim zo­o­ló­gi­co por­que a ne­ta es­tá tris­te.

Avó e ne­ta são as pro­ta­go­nis­tas des­ta his­tó­ria tão co­mo­ven­te. E não são os avós o uni­ver­so dos ne­tos?

“Ter uma avó é co­mo ter um exér­ci­to. É o der­ra­dei­ro pri­vi­lé­gio dos ne­tos: sa­be­rem que têm al­guém sem­pre do seu la­do se­jam quais fo­rem as cir­cuns­tân­ci­as. Mes­mo quan­do es­tão er­ra­dos. Na ver­da­de, prin­ci­pal­men­te quan­do es­tão er­ra­dos.”

A avo­zi­nha é a par­te ful­cral de to­da a his­tó­ria. Uma mu­lher ir­re­ve­ren­te, que nun­ca dei­xa de ser cri­an­ça e que le­va El­sa pa­ra um ima­gi­ná­rio que ela pró­pria in­ven­tou. E, à me­di­da que va­mos avan­çan­do na lei­tu­ra, va­mos per­ce­ben­do que há mui­ta coi­sa in­ter­li­ga­da e que tu­do po­de fa­zer sen­ti­do, cru­zan­do-se com a vi­da re­al.

A mi­nha avó pe­de des­cul­pa é de lei­tu­ra obri­ga­tó­ria e que nos le­va às lá­gri­mas.

Eter­no con­ta­dor de his­tó­ri­as, o au­tor dá vi­da aos seus pri­mei­ros anos: da in­fân­cia à ju­ven­tu­de, dos jor­nais à po­lí­ti­ca. O tes­te­mu­nho de uma vi­da úni­ca com a His­tó­ria con­tem­po­râ­nea de Por­tu­gal co­mo fun­do.

Ape­sar de re­fe­rir que es­te li­vro não é uma au­to­bi­o­gra­fia, Ce­bo­la Crua com Sal e Broa con­ta par­te da his­tó­ria de vi­da de Mi­guel Sousa Ta­va­res. Es­te é mais um li­vro de me­mó­ri­as no qual o au­tor con­ta his­tó­ri­as da sua in­fân­cia, que nos trans­por­tam pa­ra os anos 60, e com ele ca­mi­nha­mos até aos di­as de ho­je.

Ao lon­go de 400 pá­gi­nas, di­vi­di­das por 16 ca­pí­tu­los, va­mos co­nhe­cen­do melhor o au­tor de Equa­dor, mas tam­bém a vi­da da mãe, Sophia, e do pai, Francisco, um ho­mem que com­ba­teu o Es­ta­do No­vo com unhas e den­tes e que, por cau­sa dis­so, fez com que a fa­mí­lia pas­sas­se por di­as me­nos bons. Os pais, uma fa­mí­lia bur­gue­sa, não ti­nham con­di­ções pa­ra sus­ten­tar dos cin­co fi­lhos, op­tan­do por “man­dar” dois de­les pa­ra vi­ve­rem com ou­tras fa­mí­li­as, da sua con­fi­an­ça.

É nu­ma des­sas al­tu­ras que Mi­guel se vê num com­boio que o le­va­rá a Ja­zen­te, fre­gue­sia mui­to ru­ral de Ama­ran­te, pa­ra lá vi­ver com uma ma­dri­nha que mal co­nhe­ce. É lá que Mi­guel, até ali um ci­ta­di­no, apren­de as vi­vên­ci­as do que é um me­ni­no de al­deia, e que pro­va, jun­ta­men­te com mui­tos ou­tros, a ce­bo­la crua com sal e broa, man­jar mui­to apre­ci­a­do na nos­sa zo­na.

Es­ta é uma obra apai­xo­nan­te que nos le­va a vá­ri­os pon­tos do país e nos con­tam par­tes da his­tó­ria de uma for­ma du­ra e crua, tal co­mo eles fo­ram.

Praia de Brigh­ton, 1993 As ado­les­cen­tes Nell e Ju­de des­co­brem o cor­po de uma jo­vem na praia e, quan­do nin­guém o re­cla­ma, a ví­ti­ma pas­sa a ser co­nhe­ci­da co­mo A Se­reia de Brigh­ton. Três se­ma­nas mais tar­de, Ju­de de­sa­pa­re­ce e Nell, ain­da cho­ca­da com os acon­te­ci­men­tos na praia, fi­ca com­ple­ta­men­te de­sam­pa­ra­da. Pas­sa­dos 25 anos, Nell vi­ve ator­men­ta­da pe­lo pas­sa­do, aban­do­nan­do o em­pre­go pa­ra des­co­brir a ver­da­dei­ra iden­ti­da­de da jo­vem as­sas­si­na­da – e o que acon­te­ceu à ami­ga na­que­le ve­rão ines­que­cí­vel.

Do­rothy Ko­om­son é co­nhe­ci­da pe­los seus ro­man­ces apai­xo­nan­tes, mas, os seus úl­ti­mos li­vros têm si­do en­ri­que­ci­dos com his­tó­ri­as com um to­que de mis­té­rio que têm re­sul­ta­do na per­fei­ção. O ra­cis­mo e os pro­ble­mas so­ci­ais con­ti­nu­am a ser re­tra­ta­dos com mes­tria, mas Ko­om­son ele­vou-os pa­ra ou­tro pa­ta­mar, po­den­do as­sim abar­car mui­tos mais lei­to­res. E, cla­ro, mais uma vez, a per­so­na­gem prin­ci­pal do li­vro é ne­gra, co­mo to­das as que fi­gu­ram nos seus li­vros.

A his­tó­ria co­me­ça quan­do aos do­ze anos Ed­die e os ami­gos ti­ve­ram con­tac­to com o mis­te­ri­o­so Ho­mem de Giz. Uma per­so­na­gem cen­tral na tra­ma e Ed­die se­rá as­som­bra­do por ela. Se pen­sar­mos que to­dos guar­da­mos se­gre­dos du­ran­te par­te da nos­sa vi­da há al­guns que são mais im­por­tan­tes que ou­tros. Du­ran­te to­do o li­vro va­mo-nos de­pa­ran­do que ca­da uma das per­so­na­gens es­con­de al­go que po­de­rá ser de­ter­mi­nan­te pa­ra per­ce­ber­mos par­te do que se pas­sou na­que­le ano. E não, não foi ape­nas a mor­te da­que­la jo­vem bo­ni­ta, que foi des­co­ber­ta atra­vés de uma enig­ma es­cri­to a giz, qual que­bra-ca­be­ças, que os le­va­ria a en­con­trar o cor­po.

Aque­le gru­po de miú­dos com­pos­to por Gav Gor­do, Me­tal Mic­key, Hop­po e Nicky, a úni­ca ra­pa­ri­ga, re­mon­ta-nos mes­mo àque­la épo­ca. Quem vi­veu nos anos 80 sa­be do que es­tou a fa­lar. A li­ber­da­de que os pais da­vam às cri­an­ças na­que­la al­tu­ra per­mi­ti­am-lhes fa­zer qua­se tu­do sem que nin­guém se pre­o­cu­pas­se mui­to com is­so.

Além do th­ril­ler são abor­da­dos te­mas co­mo vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, re­li­gião, de­mên­cia, bullying e o abor­to, te­mas que en­ri­que­ce­ram ca­da umas das per­so­na­gens, dan­do mais vi­va­ci­da­de ao li­vro.

Na noi­te de 30 de Ju­lho de 1994, a pa­ca­ta vi­la de Orphea, na cos­ta les­te dos Es­ta­dos Uni­dos, as­sis­te ao gran­de es­pec­tá­cu­lo de aber­tu­ra do fes­ti­val de te­a­tro. Mas o pre­si­den­te da Câ­ma­ra es­tá atra­sa­do pa­ra a ce­ri­mó­nia… Ao mes­mo tem­po, Samuel Pa­la­din per­cor­re as ru­as de­ser­tas da vi­la à pro­cu­ra da mu­lher, que saiu pa­ra cor­rer e não vol­tou. Só pa­ra quan­do en­con­tra o seu cor­po em fren­te à ca­sa do pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Den­tro da ca­sa, to­da a fa­mí­lia do pre­si­den­te es­tá mor­ta.

De­pois do su­ces­so com A Ver­da­de So­bre o Ca­so Har­ry Qu­e­bert e O Li­vro dos Bal­ti­mo­re era ex­pec­tá­vel que o no­vo li­vro de Jo­el Dic­ker cri­as­se bur­bu­ri­nho. A per­gun­ta que to­dos fa­zem é se es­te no­vo li­vro acom­pa­nha o su­ces­so dos an­te­ri­o­res ou se é um flop.

Pa­ra mim foi mais uma ex­ce­len­te lei­tu­ra. Ado­ro a for­ma com Dic­ker es­cre­ve, sem­pre en­tre sal­tos tem­po­rais, que nos ca­ti­va com per­so­na­gens for­tes e in­te­res­san­tes. E a do­se de mis­té­rio con­ti­nua lá, sem­pre a es­pi­ca­çar o lei­tor e a co­lo­car ques­tões so­bre os acon­te­ci­men­tos.

Um be­bé nas­ci­do nas bar­ra­cas de Aus­chwitz em 1944 e uma so­na­ta com­pos­ta por um jo­vem ofi­ci­al ale­mão dão ori­gem a du­as his­tó­ri­as que se cru­zam…

Nu­ma al­tu­ra em que se co­me­mo­ram 73 anos do Ho­lo­caus­to es­ta é uma lei­tu­ra ex­ce­len­te pa­ra co­nhe­cer­mos um pou­co mais so­bre a his­tó­ria da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Ape­sar de ser uma obra de fic­ção, Lui­ze ba­se­ou a sua his­tó­ria nu­ma so­bre­vi­ven­te de Aus­chwitz a re­si­dir no Bra­sil.

A his­tó­ria co­me­ça em Por­tu­gal, com Amá­lia, uma por­tu­gue­sa de as­cen­dên­cia ale­mã, que por me­ro aca­so ou­ve uma con­ver­sa te­le­fó­ni­ca en­tre a sua avó e o pai.

Ape­sar da li­ga­ção nu­la por par­te da fa­mí­lia pa­ter­na, Amá­lia par­te pa­ra a des­co­ber­ta da sua fa­mí­lia na Ale­ma­nha.

E é atra­vés des­ta his­tó­ria prin­ci­pal que Lui­ze nos trans­por­ta pa­ra a as­cen­são do na­zis­mo na Ale­ma­nha atra­vés da vi­da de uma fa­mí­lia ju­dia. Uma fa­mí­lia que le­va­va uma vi­da bas­tan­te de­sa­fo­ga­da, que é le­va­da a dei­xar tu­do, ar­ris­car por ve­zes a vi­da, e a fu­ga pa­ra a Hun­gria, país ini­ci­al­men­te neu­tro que lhe po­dia dar mais se­gu­ran­ça.

Li­vros so­bre a te­má­ti­ca do Ho­lo­caus­to pro­li­fe­ram nas li­vra­ri­as. Mas é bom quan­do nos con­se­gui­mos sur­pre­en­der e to­car com his­tó­ri­as co­mo es­ta. Co­mo dis­se an­te­ri­or­men­te, es­te não é um li­vro ba­se­a­do nu­ma his­tó­ria ve­rí­di­ca, mas a His­tó­ria es­tá lá.

E a for­ma co­mo Lui­ze Valente es­cre­ve e des­cre­ve o te­ma é de uma pro­fun­di­da­de tal, que nos trans­por­ta to­dos aque­les lo­cais, nas di­fe­ren­tes épo­cas. E is­so é fun­da­men­tal num ro­man­ce deste gé­ne­ro.

Há his­tó­ri­as in­fan­tis tão bo­ni­tas que têm o con­dão de fi­car eter­nas na nos­sa vi­da. Eléc­tri­co 28 con­ta a his­tó­ria de um mo­to­ris­ta de eléc­tri­co cu­ja fun­ção, além de le­var os pas­sa­gei­ros ao des­ti­no pre­ten­di­do, é fa­zer de cu­pi­do. Ama­deo é um ho­mem ro­mân­ti­co e de­se­ja ver as pes­so­as fe­li­zes, nu­ma das ci­da­des mais ro­mân­ti­cas. Daí, usa uma sé­rie de es­tra­ta­ge­mas pa­ra jun­tar os pom­bi­nhos.

Mais do que um li­vro in­fan­til, es­ta é uma bo­ni­ta ho­me­na­gem ao nos­so país, com ilus­tra­ções fiéis, on­de não fal­ta a gui­tar­ra por­tu­gue­sa, as fa­cha­das lis­bo­e­tas e os seus ani­mais à ja­ne­la e, cla­ro, o eléc­tri­co. Ama­deo é ita­li­a­no, mas po­dia per­fei­ta­men­te ser um lis­bo­e­ta, uma per­so­na­gem tí­pi­ca, com o seu bi­go­de e a sua ro­ti­na que pas­sa por um pas­tel de na­ta e uma bi­ca.

Es­cri­to pa­ra cri­an­ças es­te li­vro vai en­ter­ne­cer os mais ve­lhos.

A vi­da de Kah­lo, des­de a sua in­fân­cia, pas­san­do pe­lo aci­den­te trau­má­ti­co que mu­da­ria sua vi­da e sua ar­te, seu amor com­pli­ca­do por Diego Ri­ve­ra e a fe­roz de­ter­mi­na­ção que a le­vou a se tor­nar uma gran­de ar­tis­ta.

Ins­pi­ra­do pe­las ex­pe­ri­ên­ci­as da icô­ni­ca pin­to­ra me­xi­ca­na, es­te li­vro ofe­re­ce um be­lo pas­seio ilus­tra­do pe­la vi­da e obra de Fri­da Kah­lo.

Já é sa­bi­do o que Fri­da so­freu ao lon­go da sua cur­ta vi­da, mas tam­bém cons­ta­ta­mos que ela vi­veu in­ten­sa­men­te a vi­da. Amou mui­to, so­freu mui­to, vi­a­jou, gran­je­ou su­ces­so e mor­reu mui­to jo­vem. Tu­do is­so Ma­ría Hes­se re­tra­ta nes­ta es­pé­cie de no­ve­la grá­fi­ca que ado­rei fo­lhe­ar.

Em for­ma mui­to re­su­mi­da, Ma­ría Hes­se alia a bi­o­gra­fia de Fri­da com ilus­tra­ções mag­ní­fi­cas da pin­to­ra, tor­nan­do es­te li­vro uma per­fei­ta obra de ar­te. Blo­gue Mar­ca­dor de Li­vros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.