Cris­ti­na Vi­ei­ra aler­ta go­ver­no pa­ra que har­mo­ni­ze os pas­ses so­ci­ais

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

As obras da ele­tri­fi­ca­ção da li­nha do Dou­ro, no tro­ço de Caí­de - Mar­co ti­ve­ram es­ta se­gun­da-fei­ra, 7 de ja­nei­ro, a vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal, António Cos­ta.

O pri­mei­ro pon­to de pa­ra­gem des­ta vi­si­ta acon­te­ceu em Caí­de, no mu­ni­cí­pio de Lou­sa­da, com uma pas­sa­gem pe­las obras de um dos tú­neis exis­ten­tes na li­nha fer­ro­viá­ria, lo­cal que ca­re­ce de mai­or aten­ção pe­la se­gu­ran­ça exi­gi­da. Mais tar­de, vi­si­tou a es­ta­ção de Mar­co de Ca­na­ve­ses pa­ra o lan­ça­men­to do con­cur­so de aqui­si­ção de ma­te­ri­al cir­cu­lan­te pa­ra a CP - Com­boi­os de Por­tu­gal, nu­ma “pro­mo­ção” da co­e­são ter­ri­to­ri­al e que con­tem­pla a com­pra de 22 no­vos com­boi­os.

A re­ce­ção foi fei­ta pe­la pre­si­den­te de câ­ma­ra, Cris­ti­na Vi­ei­ra, bem co­mo pe­los seus pa­res, pe­los co­le­gas dos mu­ni­cí­pi­os do Tâ­me­ga e Sou­sa que es­ti­ve­ram pre­sen­tes no en­con­tro e pe­las cri­an­ças de al­gu­mas es­co­las de Mar­co de Ca­na­ve­ses que fi­ze­ram ques­tão de cum­pri­men­tar o pri­mei­ro mi­nis­tro.

An­tes do lan­ça­men­to do con­cur­so, a co­mi­ti­va fez uma bre­ve vi­si­ta às obras, e de­pois Cris­ti­na Vi­ei­ra to­mou o púl­pi­to não só pa­ra agra­de­cer a António Cos­ta a vi­si­ta e a obra que “ago­ra vê vi­da”, mas tam­bém pa­ra rei­vin­di­car ou­tras ne­ces­si­da­des pa­ra o con­ce­lho do Mar­co de Ca­na­ve­ses e pa­ra a re­gião do Tâ­me­ga e Sou­sa.

Pa­ra a au­tar­ca lo­cal, a obra de ele- tri­fi­ca­ção da li­nha do Dou­ro no tro­ço de Caí­de e Mar­co de Ca­na­ve­ses é uma obra “es­tru­tu­ran­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da re­gião e em par­ti­cu­lar pa­ra o nos­so con­ce­lho, on­de du­ran­te dez anos fo­ram fei­tas vá­ri­as pro­mes­sas. De­sen­ga­ne-se quem não as­su­me que a obra tem fim com o go­ver­no PS, com o go­ver­no de António Cos­ta”, afir­mou Cris­ti­na Vi­ei­ra que con­si­de­rou que após es­tas obras a re­gião ga­nha uma me­lhor mo­bi­li­da­de e, por is­so, to­dos ga­nham uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da.

Num dia “his­tó­ri­co pa­ra o país, on­de 20 anos de­pois é lan­ça­do um con­cur­so pa­ra aqui­si­ção de no­vos com­boi­os, é um or­gu­lho re­ce­ber no con­ce­lho do Mar­co de Ca­na­ve­ses es­te «mar­co» his­tó­ri­co”, avan­çou a au­tar­ca, vi­si­vel­men­te sa­tis­fei­ta pe­la es­co­lha do lo­cal de lan­ça­men­to do con­cur­so e pe­los no­vos com­boi­os pa­ra as li­nhas re­gi­o­nais.

Nes­te pon­to, a sa­li­en­tar os re­qui­si­tos apre­sen­ta­dos pe­la ad­mi­nis­tra­ção da Com­boi­os de Por­tu­gal pa­ra os pos­sí­veis for­ne­ce­do­res do ma­te­ri­al cir­cu­lan­te, num in­ves­ti­men­to de cer­ca de 162 mi­lhões de eu­ros. Os pon­tos de de­ci­são so­bre os for­ne­ce­do­res pas­sam, não só pe­lo va­lor na aqui­si­ção das lo­co­mo­ti­vas, mas tam­bém na sua ma­nu­ten­ção e to­dos os cri­té­ri­os am­bi­en­tais por for­ma a re­du­zir o im­pac­to am­bi­en­tal. Ou­tro dos pon­tos im­por­tan­tes pa­ra os con­cor­ren­tes pas­sa pe­lo pra­zo de en­tre­ga, uma vez que a em­pre­sa CP exi­ge a en­tre­ga dos mes­mos no es­pa­ço de cin­co anos.

Apro­vei­tan­do o mo­men­to, Cris­ti­na Vi­ei­ra, pe­diu ao go­ver­no a sua in­ter­ven­ção pa­ra “cau­sas es­tru­tu­ran­tes pa­ra a co­mu­ni­da­de do Tâ­me­ga e Sou­sa”, no­me­a­da­men­te a ques­tão dos apoi­os aos pas­ses so­ci­ais que, se­gun­do o or­ça­men­to de 2019, es­tá afe­to às áre­as me­tro­po­li­ta­nas ou co­mu­ni­da­des in­ter­mu­ni­ci­pais, e que pa­ra o ca­so par­ti­cu­lar do con­ce­lho de Mar­co de Ca­na­ve­ses tem um “pro­ble­ma mai­or pois as vi­a­gens pen­du­la­res pas­sam pe­las du­as áre­as e, ca­so não se re­ve­ja es­tes cri­té­ri­os de apoi­os, os mar­co­en­ses não po­dem usu­fruir, pa­gan­do mui­to mais que, por exem­plo, os mu­ní­ci­pes de Pa­re­des”, des­ta­cou. Per­ce­ber que um mu­ní­ci­pe de Pa­re­des nu­ma vi­a­gem pen­du­lar pa­ra o Por­to abran­ge ape­nas uma área mu­ni­ci­pal, do con­ce­lho de Pa­re­des pa­ra o in­te­ri­or do Tâ­me­ga e Sou­sa en­tra a co­mu­ni­da­de in­ter­mu­ni­ci­pal que mes­mo apoi­an­do os uten­tes com apoi­os so­ci­ais, es­tes não sen­ti­rão o alí­vio nos pas­ses so­ci­ais por­que só po­dem usu­fruir de um dos apoi­os. Se um cli­en­te de Pa­re­des pas­sa­rá a pa­gar 40 eu­ros pe­lo pas­se men­sal, um uten­te do Mar­co de Ca­na­ve­ses pa­ga­rá o do­bro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.