Mar­co 09 fo­ra da ta­ça mas re­for­ça a li­de­ran­ça

A Verdade - - DESPORTO -

Al­pen­do­ra­da, 2 - Mar­co 09, 0

Des­lo­can­do-se a Al­pen­do­ra­da a fim de dis­pu­tar mais um dérbi mar­co­en­se, a equi­pa do Mar­co 09 ba­teu-se bem pe­ran­te um ad­ver­sá­rio di­re­to na lu­ta pe­la su­bi­da de di­vi­são. Po­rém, não con­se­guiu dar sequên­cia à sé­rie vi­to­ri­o­sa no pre­sen­te cam­pe­o­na­to e na ta­ça, on­de fez boa fi­gu­ra na épo­ca pas­sa­da. Pa­ra Jo­sé Oli­vei­ra, trei­na­dor dos vi­si­tan­tes, “ven­ceu a equi­pa que aca­bou por ter mé­ri­to, por­que mar­cou dois go­los”. O téc­ni­co apon­tou o de­do à pos­tu­ra do Al­pen­do­ra­da em cam­po, acu­san­do a for­ma­ção da ca­sa de pra­ti­car an­ti-jo­go. “Fo­mos a equi­pa que ten­tou jo­gar, con­tra­ri­a­men­te àqui­lo que se vi­nha a fa­lar - que que­brá­va­mos o rit­mo de jo­go com jo­ga­do­res no chão. Não foi na­da dis­so que acon­te­ceu no pas­sa­do e, ho­je, vi re­al­men­te o nos­so ad­ver­sá­rio a fa­zer is­so”. Jo­sé Oli­vei­ra la­men­tou ain­da a fal­ta de efi­cá­cia da sua equi­pa em con­tras­te com o opo­nen­te. “Ago­ra, te­mos de acei­tar a der­ro­ta por­que o ad­ver­sá­rio mar­cou dois go­los e nós não mar­cá­mos ne­nhum. Não va­mos aqui es­pe­cu­lar, mas acontece e, quan­do exis­tem as opor­tu­ni­da­des, de­vem-se con­cre­ti­zar. Os jo­ga­do­res lu­ta­ram e ten­ta­ram mar­car, mas não con­se­gui­ram, in­fe­liz­men­te”, afir­mou Jo­sé Oli­vei­ra.

Fol­go­sa da Maia, 2 - Mar­co 09, 3

De re­gres­so ao cam­pe­o­na­to, a equi­pa do Mar­co 09 foi a ca­sa do Fol­go­sa da Maia ven­cer por três bo­las a du­as e con­ti­nua fir­me na li­de­ran­ça da pro­va. Es­te triun­fo, di­an­te de um can­di­da­to di­re­to, per­mi­tiu ao Mar­co dis­tan­ci­ar-se ain­da mais na pri­mei­ra po­si­ção. A for­ma­ção vi­si­tan­te su­pe­ri­o­ri­zou-se após o in­ter­va­lo, prin­ci­pal­men­te de­pois do se­gun­do go­lo. Ain­da as­sim, Jo­sé Oli­vei­ra, trei­na­dor do Mar­co, re­co­nhe­ceu que a equi­pa de­via ter fei­to me­lhor. “Nós que­ría­mos mui­to os três pon­tos, que­ría­mos lu­tar por eles e tí­nha­mos de fa­zer mui­to mais do que es­tá­va­mos a fa­zer na pri­mei­ra par­te”. A exi­bi­ção da equi­pa no se­gun­do pe­río­do, con­tu­do, sa­tis­fez o téc­ni­co. “Acho que os jo­ga­do­res mais uma vez mos­tra­ram a qua­li­da­de que têm e fi­ze­ram uma se­gun­da par­te de gran­de ní­vel. Mar­cá­mos o pri­mei­ro go­lo nu­ma jo­ga­da es­pe­ta­cu­lar; de­pois, lo­go a se­guir, per­mi­ti­mos que o Fol­go­sa fi­zes­se o seu go­lo. O Mar­co vol­tou a re­a­gir, faz o 2-1 e o 3-1. De­pois, já a ter­mi­nar, o Fol­go­sa con­se­gue che­gar ao 3-2”, re­fe­riu. Pa­ra fi­na­li­zar, o ti­mo­nei­ro do Mar­co 09 con­gra­tu­lou-se por aque­la qe diz ser “uma vi­tó­ria mais do que jus­ta.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.