Po­pu­la­res ma­ni­fes­ta­ram-se con­tra a cri­a­ção do Par­que Eó­li­co de Mon­te­dei­ras

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Um gru­po de ci­da­dãos re­si­den­tes na Rua de São Do­min­gos, em Pa­ços de Gai­o­lo, contesta a ins­ta­la­ção de um par­que eó­li­co na ser­ra de Mon­te­dei­ras, cu­jo pro­ces­so es­tá em con­sul­ta pú­bli­ca até es­ta sex­ta-fei­ra, dia 11 de ja­nei­ro.

Os prin­ci­pais re­cei­os es­tão re­la­ci­o­na­dos com a pro­xi­mi­da­de do re­fe­ri­do par­que e seis ha­bi­ta­ções lo­ca­li­za­das em Fan­di­nhães e na Rua de São Do­min­gos, an­te­ri­or­men­te de­no­mi­na­da de Rua de São Brás.

Antho­nius Mul­der, mo­ra­dor da ci­ta­da rua, aler­ta pa­ra a apro­xi­ma­ção da tor­re do ae­ro­ge­ra­dor seis às ha­bi­ta­ções lo­ca­li­za­das nas ime­di­a­ções. “Pa­ra uma tor­re de 50 me­tros (e es­ta tem 80), a dis­tân­cia mí­ni­ma re­co­men­dá­vel é de 1500 me­tros. Há ca­sas que es­tão a cer­ca de 500 me­tros”, re­ve­lou. Ma­ria Jo­sé Sou­sa dos San­tos, a prin­ci­pal voz do gru­po, ex­pli­ca que es­ta pro­xi­mi­da­de aca­ta pe­ri­gos pa­ra a saú­de e bem-es­tar dos mo­ra­do­res de­vi­do ao “ruí­do cons­tan­te”. “Há dois ti­pos de ruí­do: o que se ou­ve e um no­ci­vo que não se ou­ve e que é o pi­or. E tam­bém, cla­ro, as vi­bra­ções”, ex­pli­cou.

Ou­tra das pre­o­cu­pa­ções le­van­ta­das pe­los pre­sen­tes es­tá re­la­ci­o­na­da com a pos­si­bi­li­da­de de da­nos nas cap­ta­ções na­tu­rais de água que abas­te­cem as ha­bi­ta­ções ali si­tu­a­das. “A mai­o­ria das pes­so­as da­qui não dis­põe de água da com­pa­nhia, a mai­or par­te tem mi­nas e po­ços. No re­la­tó­rio, co­lo­ca-se a pos­si­bi­li­da­de de uti­li­za­rem di­na­mi­te. Se des­vi­a­rem os cur­sos de água sub­ter­râ­ne­os, nós fi­ca­mos sem água”, aler­tou Ma­ria dos San­tos. Ain­da re­la­ti­va­men­te a es­ta ques­tão, Rui Car­nei­ro, ou­tro dos mem­bros do pro­tes­to, mos­tra-se re­ce­o­so pe­ran­te uma pos­sí­vel “po­lui­ção das li­nhas de água”, uma vez que “a ma­nu­ten­ção das eó­li­cas é fei­ta com óleo”.

Por fim, os ha­bi­tan­tes de Fan­di­nhães mos­tra­ram-se pre­o­cu­pa­dos com o im­pac­to que a cons­tru­ção po­de vir a ter em ter­mos fi­nan­cei­ros e pai­sa­gís­ti­cos. “Des­va­lo­ri­zam-nos as pro­pri­e­da­des e des­tro­em a pai­sa­gem e tu­do o res­to”, la­men­tou Ma­ria dos San­tos.

Quan­do con­tac­ta­da pe­lo nos­so jor­nal, a Mar­ti­fer Re­newa­bles, em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo pro­je­to, res­pon­deu que, ape­sar do pro­ces­so am­bi­en­tal do mes­mo es­tar ain­da “em ava­li­a­ção por par­te da Co­mis­são de Co­or­de­na­ção e De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal do Nor­te”, “a ava­li­a­ção de im­pac­to per­mi­tiu con­cluir que to­dos os li­mi­tes es­ta­be­le­ci­dos no Re­gu­la­men­to Ge­ral de Ruí­do são cum­pri­dos pe­lo pre­sen­te Pro­je­to”. Pa­ra além dis­so, “não fo­ram iden­ti­fi­ca­das cap­ta­ções de água pa­ra con­su­mo hu­ma­no na área de im­plan­ta­ção do Pro­je­to”, po­de ler-se no co­mu­ni­ca­do. Pa­ra fi­na­li­zar, é re­fe­ri­do que a obra em ques­tão se tra­ta de um “pro­je­to ino­va­dor, não sub­si­di­a­do, e que se­rá im­por­tan­te na de­mons­tra­ção da vi­a­bi­li­da­de da es­tra­té­gia de tran­si­ção ener­gé­ti­ca de que tan­to se fa­la atu­al­men­te”.

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses con­fir­mou ao Jor­nal A VER­DA­DE que, no fi­nal da pas­sa­da se­ma­na, re­ce­beu a mis­si­va do gru­po de ci­da­dãos, “mas o exe­cu­ti­vo ain­da não con­se­guiu ana­li­sar a si­tu­a­ção com a aten­ção que ela me­re­ce”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.