Mercedes-benz CLS 400 d 4MATIC Uma for­ma mais co­ol de ser ber­li­na

A no­va ge­ra­ção da­que­le que foi o pre­cur­sor das ber­li­nas-cou­pé che­ga pa­ra fas­ci­nar. Além do de­sign e con­for­to, vê re­for­ça­dos os seus ar­gu­men­tos com mais tec­no­lo­gia e me­lhor di­nâ­mi­ca.

Altagama Motor (Portugal) - - Ensaio - Ber­nar­do Gon­za­lez Pau­lo Ca­lis­to

De­mo­rou al­gum tem­po a as­si­mi­lar e a acei­tar que o con­cei­to cou­pé pu­des­se ul­tra­pas­sar as fron­tei­ras das du­as por­tas. Em 2004, a Mercedes-benz ou­sou e mui­tos fo­ram atrás, apre­sen­tan­do mo­de­los de qu­a­tro (al­guns cin­co) por­tas, de si­lhu­e­ta mais flui­da e bai­xa, de por­tas sem mol­du­ras (nas ja­ne­las), de di­nâ­mi­ca mais des­por­ti­va e, por nor­ma, des­ti­na­dos a ape­nas qu­a­tro pas­sa­gei­ros. Aci­ma de tu­do, apre­sen­tam­se com uma ati­tu­de mais co­ol fa­ce aos seus ir­mãos con­ven­ci­o­nais, co­mo é o ca­so des­te CLS re­la­ti­va­men­te ao Clas­se E, ou o BMW Gran Cou­pé com­pa­ra­ti­va­men­te ao Sé­rie 5. Num mer­ca­do em cons­tan­te evo­lu­ção, em que é ca­da vez mais di­fí­cil ca­ta­lo­gar ca­da au­to­mó­vel no­vo ou en­qua­drá-lo den­tro de uma de­ter­mi­na­da clas­se ou seg­men­to, o CLS foi aque­le que não só des­bra­vou o ca­mi­nho, co­mo aque­le que re­co­nhe­ci­da­men­te mais lon­ge le­vou es­te con­cei­to: te­ve uma va­ri­an­te car­ri­nha, a Sho­o­ting Bra­ke (que não te­rá con­ti­nui­da­de nes­ta ge­ra­ção, in­fe­liz­men­te), e con­ta­gi­ou in­clu­si­ve a ga­ma Clas­se A, com os CLA.

O ape­lo do de­sign

Es­te no­vo CLS apre­sen­ta-se mais sexy, es­tre­an­do, jun­ta­men­te com o re­cém-lan­ça­do Clas­se A, a no­va lin­gua­gem es­té­ti­ca da mar­ca ger­mâ­ni­ca. Tan­to as­sim é que, vis­tos de fren­te, qua­se não se dis­tin­guem… Os ‘olhos’ mais ras­ga­dos, o for­ma­to mais alon­ga­do da gre­lha, a li­nha mais su­a­ve do pi­lar C e um de­sign cle­an, mas com pe­que­nos por­me­no­res – co­mo as en­tra­das/saí­das de ar dos pa­ra-cho­ques –, dão aque­le ar po­de­ro­so e eli­tis­ta, tu­do o que se po­de co­bi­çar num au­to­mó­vel des­ta clas­se. A pin­tu­ra De­sig­no Cin­zen­to Se­le­ni­te Mag­no dá o re­ma­te fi­nal pa­ra um lo­ok mis­te­ri­o­so, mas cus­ta ca­ro – 3.450€ –, tal co­mo a mai­o­ria dos seus op­ci­o­nais.

As be­las li­nhas do CLS pre­ju­di­cam, no en­tan­to, o seu la­do prá­ti­co, no­me­a­da­men­te a fa­ci­li­da­de de aces­so aos lu­ga­res tra­sei­ros. Tan­to as en­tra­das co­mo saí­das obri­gam a al­gu­ma gi­nás­ti­ca dos pas­sa­gei­ros de mai­or es- ta­tu­ra, de­vi­do à cur­va­tu­ra fi­nal do te­ja­di­lho.

Se o la­do de fo­ra já im­pres­si­o­na, o la­do de den­tro tra­ta de nos aco­lher com um am­bi­en­te van­guar­dis­ta e re­quin­ta­do. Con­tu­do, de­ve­ria de­mar­car-se mais dos seus ir­mãos Clas­se S, Clas­se E e Clas­se A, com quem par­ti­lha não só os tra­ços ge­rais co­mo uma mul­ti­tu­de ele­men­tos, no­me­a­da­men­te as saí­das de ven­ti­la­ção – em for­ma­to de tur­bi­na –, o vo­lan­te e o du­plo ta­blet de al­ta de­fi­ni­ção, que ser­ve de pai­nel de ins­tru­men­tos e de ecrã cen­tral. Tu­do é con­fi­gu­rá­vel, com inú­me­ros me­nus, a par­tir dos quais con­tro­la­mos pra­ti­ca­men­te to­das as fun­ções de bor­do, de con­for­to e a pró­pria me­câ­ni­ca (per­fis de con­du­ção). Es­ta par­ti­lha de tec­no­lo­gia faz to­do o sen­ti­do, mas por ou­tro la­do re­ti­ra al­gum ca­rá­ter a ca­da mo­de­lo.

É pre­ci­sa­men­te na ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca que es­te cou­pé de qu­a­tro por­tas mais evo­lui. Um dos exem­plos do quão lon­ge fo-

ram os cri­a­ti­vos da Mer­ce­desBenz é a ilu­mi­na­ção in­te­ri­or que, na sen­da de ou­tros mo­de­los re­cen­tes, po­de ser ajus­ta­da em 64 co­res; e pa­ra quem dá va­lor à ple­na co­mo­di­da­de, o Ener­gi­zing Con­fort Con­trol mo­du­la si­mul­ta­ne­a­men­te vá­ri­os sis­te­mas (cli­ma­ti­za­ção, áu­dio, fra­gân­ci­as e ilu­mi­na­ção am­bi­en­te) pa­ra ajus­tar tu­do pa­ra o mo­od es­co­lhi­do pe­lo con­du­tor. Bem-es­tar, to­tal co­mo­di­da­de e um si­lên­cio im­pres­si­o­nan­te são al­gu­mas das sen­sa­ções que o CLS pro­por­ci­o­na aos seus ‘ha­bi­tan­tes’, acres­cen­tan­do a is­so uma lo­ta­ção pa­ra cin­co. É que, em an­te­ri­o­res ge­ra­ções, o es­pa­ço era li­mi­ta­do a qu­a­tro…

Chas­sis so­bre­do­ta­do

Ain­da bem que os ban­cos são bem con­tor­na­dos, de for­ma a pro­por­ci­o­nar o apoio ide­al em cur­va. Is­to, por­que de ou­tra ma­nei­ra não se po­de­ria des­fru­tar da ex­ce­len­te ‘for­ma fí­si­ca’ des­ta no­va ge­ra­ção. Se nos seus an­te­ces­so­res po­de­ría­mos apon­tar a di­nâ­mi­ca co­mo um dos pon­tos a re­ver, des­ta fei­ta os téc­ni­cos de Es­tu­gar­da qui­se­ram dei­xar um cu­nho bem mais des­por­ti­vo. Ape­sar do pe­so do con­jun­to (1.935 kg), es­te CLS não evi­den­cia o seu por­te, mos­tran­do-se acu­ti­lan­te nas mu­dan­ças de di­re­ção e mui­to es­tá­vel nas tro­cas de apoio. A boa dis­tri­bui­ção de pe­so por ei­xo, a di­re­ção di­re­ta e a tra­ção in­te­gral 4MATIC – com uma pro­por­ção de po­tên­cia 45% à fren­te e 55%

A sus­pen­são pneu­má­ti­ca é ins­tru­men­tal no ex­ce­len­te com­por­ta­men­to es­tra­dis­ta do CLS. Cus­ta 2.350€, mas va­le a pe­na

Os ecrãs di­gi­tais con­tri­bu­em pa­ra um am­bi­en­te hi-te­ch, for­ne­cen­do to­da a in­for­ma­ção ne­ces­sá­ria

atrás – jo­gam um pa­pel im­por­tan­te nes­te ce­ná­rio, mas não me­nos a op­ci­o­nal sus­pen­são pneu­má­ti­ca AIRMATIC (2.350€), que, em par­ce­ria com bar­ras es­ta­bi­li­za­do­ras de bom di­â­me­tro, as­se­gu­ra um me­nor ador­na­men­to da car­ro­ça­ria e to­da uma sen­sa­ção de do­mí­nio do chas­sis. O re­sul­ta­do ge­ral é uma pos­tu­ra bas­tan­te neu­tra, e uma ca­pa­ci­da­de de per­cor­rer es­tra­das de cur­vas en­ca­de­a­das a ve­lo­ci­da­des mui­to ele­va­das e sem­pre com enor­mes do­ses de se­gu­ran­ça.

A tra­va­gem, a car­go de um quar­te­to de dis­cos de 360 mm (sen­do ven­ti­la­dos e per­fu­ra­dos à fren­te), é bem do­seá­vel e bas­tan­te po­ten­te pa­ra con­ter o for­te ím­pe­to im­pos­to pe­los 340 CV do fan­tás­ti­co 3 li­tros Di­e­sel. Da mais re­cen­te ge­ra­ção, es­te mo­tor mar­ca o re­gres­so da mar­ca ale­mã à ar­qui­te­tu­ra de seis ci­lin­dros em li­nha (con­tra os mais re­cen­tes V6), e o que se po­de di­zer é que é sim­ples­men­te de­li­ci­o­so de ex­plo­rar. Gra­ças aos 700 N.m de bi­ná­rio, tan­to em pu­ra ace­le­ra­ção co­mo em car­ga in­ter­mé­dia, es­te mo­tor tem uma en­tre­ga po­de­ro­sa e li­ne­ar, sem­pre pron­ta a qual­quer re­gi­me. Com­ple­men­ta is­to com uma so­no­ri­da­de so­ber­ba, gra­ve e no­bre, além de re­gis­tar con­su­mos bem ra­zoá­veis pa­ra o seu pa­ta­mar de ren­di­men­to. Nu­ma con­du­ção des­con­traí­da as mé­di­as va­ri­am en­tre os 8 e 9 li­tros, mas com al­gu­ma con­ten­ção con­se­gui­mos fi­xar o com­pu­ta­dor de bor­do por vol­ta dos 7,5 li­tros – ain­da que lon­ge da mé­dia anun­ci­a­da de 5,9 l/100 km. Tu­do is­to não se­ria pos­sí­vel sem a as­so­ci­a­ção à cai­xa au­to­má­ti­ca 9G-tro­nic, efi­caz, de­ter­mi­na­da e su­a­ve, com pa­ti­lhas no vo­lan­te pa­ra con­tro­lo ex­tra. Os per­fis de con­du­ção (Eco, Com­fort, Sport e Sport+) al­te­ram mar­gi­nal­men­te al­gum do fei­tio da me­câ­ni­ca, en­tre o mais soft e o mais des­por­ti­vo, mas o que fi­ca da con­du­ção des­te CLS é o quan­to pre­en­che qual­quer que se­ja a oca­sião ou o tra­je­to.

Me­nos agra­dá­vel é a ques­tão dos cus­tos. Com um pre­ço ba­se de 105 mil eu­ros, há a acres­cen­tar que uma lon­ga e ilus­tre lis­ta de ex­tras que ele­vam a fa­tu­ra fi­nal nuns bons mi­lha­res de eu­ros. A van­ta­gem, po­rém, é que fi­ca­mos com um car­ro bem al­ta­men­te per­so­na­li­za­do…

O de­sign cle­an e flui­do dá-lhe um ar im­po­nen­te e eli­tis­ta

O pack es­té­ti­co AMG (2.250€) apu­ra as li­nhas, tal co­mo as jan­tes mul­ti­rai­os de 20” (1.150€). Os fa­róis MULTIBEAM LED são op­ção, mas pro­por­ci­o­nam uma lu­mi­no­si­da­de ex­ce­len­te em con­du­ção no­tur­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.