EN­SAIO Mer­ce­des S 560 Ca­brio

Não há me­lhor for­ma de apro­vei­tar o ca­lor do ve­rão que ao vo­lan­te de um Clas­se S des­ca­po­tá­vel. A sua exu­be­rân­cia ape­nas tem pa­ra­le­lo no lu­xo, no con­for­to e na po­tên­cia que ema­na.

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial -

Não de­ve ha­ver me­lhor for­ma de des­fru­tar do ve­rão que aos co­man­dos de um dos mais exu­be­ran­tes ca­bri­os do mo­men­to. São 469 CV de pu­ro lu­xo…

Be­lo, re­quin­ta­do, eli­tis­ta e ul­tra con­for­tá­vel é co­mo po­de­mos re­su­mir o Mer­ce­des-benz S Ca­brio. Tal co­mo acon­te­ce com os cou­pés, tam­bém os ca­bri­o­lets são uma es­pe­ci­a­li­da­de da ca­sa de Es­tu­gar­da, e o Clas­se S é aque­le em que exi­be o que de me­lhor sa­be fa­zer nes­ta ma­té­ria.

Par­tin­do da ba­se do seu ir­mão cou­pé, es­te é um da­que­les ca­bri­os que agra­da mes­mo a quem não se­ja aman­te de mo­de­los des­ca­po­tá­veis. Is­to, por­que o iso­la­men­to é ex­ce­len­te, dei­xan­do do la­do de fo­ra ruí­do e va­ri­a­ções tér­mi­cas, mé­ri­to de uma ca­po- ta ela­bo­ra­da em di­ver­sas ca­ma­das. E quan­do fi­nal­men­te che­ga aque­le mo­men­to em que ape­te­ce go­zar o bom clima, bas­tam cer­ca de 20 se­gun­dos pa­ra dei­xar o sol (ou o lu­ar) rai­ar pa­ra den­tro do lu­xu­o­so ha­bi­tá­cu­lo to­tal­men­te re­ves­ti­do a pe­le ge­nuí­na. Sim, por­que nem to­dos gos­tam de tor­rar ao sol, e pre­fe­rem vi­a­jar a céu aber­to em di­as lim­pos de in­ver­no ou noi­tes quen­tes de ve­rão. Em qual­quer dos ca­sos, o S Ca­brio es­tá equi­pa­do pa­ra ame­ni­zar quais­quer ‘sa­cri­fí­ci­os’: ban­cos ar­re­fe­ci­dos, que ‘su­gam’ o ca­lor, evi­tan­do a trans­pi­ra­ção das cos­tas e per­nas, ou o dis­po­si- ti­vo Airs­carf, que ‘ba­fe­ja’ o pes­co­ço dos pas­sa­gei­ros da fren­te (em con­jun­to com os ban­cos aque­ci­dos) são so­lu­ções que am­pli­fi­cam o pra­zer a bor­do e tor­nam a ex­pe­ri­ên­cia des­te Clas­se S ain­da mais úni­co e có­mo­do. Pa­ra re­du­zir os efei­tos da tur­bu­lên­cia no ha­bi­tá­cu­lo, no­me­a­da­men­te a ve­lo­ci­da­des mais ele­va­das, a Mer­ce­des pre­pa­rou um par de de­fle­to­res – um so­bre a mol­du­ra do pa­ra-bri­sas e ou­tro atrás dos en­cos­tos de ca­be­ça tra­sei­ros – que se er­guem em con­jun­to e têm bom efei­to.

Uma das pou­cas con­ces­sões prá­ti­cas fa­ce à va­ri­an­te cou­pé se­rá mes­mo o es­pa­ço. Nos ban­cos tra­sei­ros a área pa­ra jo­e­lhos é pou­co ge­ne­ro­sa (de­vi­do ao me­ca­nis­mo da ca­po­ta), tal co­mo na ba­ga­gei­ra, que os­ten­ta so­men­te 350 li­tros – con­tra 400 do Cou­pé. Ca­so quei­ra­mos re­co­lher a ca­po­ta, en­tão te­re­mos de li­ber­tar o res­pe­ti­vo com­par­ti­men­to (tal co­mo acon­te­cia no an­ti­go SLK), res­tan­do 250 li­tros de vo­lu­me pou­co prá­ti­co pa­ra ob­je­tos mai­o­res.

Al­ma des­por­ti­va

Ou­tro dos trun­fos des­ta ver­são é o seu mo­tor. Ao con­trá­rio do Cou­pé, que tem o

3.0 V6 tur­bo, de 367 CV (S 450), co­mo mo­to­ri­za­ção de aces­so, nes­te ca­so a pu­jan­ça co­me­ça lo­go com 469 CV li­ber­ta­dos pe­lo V8 de 4,0 li­tros, blo­co que par­ti­lha com o fan­tás­ti­co AMG GT. Não po­de­ría­mos pe­dir me­lhor ‘es­tá­bu­lo’, já que ape­sar de o S 560 Ca­brio não ser um des­por­ti­vo, o que al­ber­ga sob o ca­pot são ver­da­dei­ros pu­ro-san­gue. A so­no­ri­da­de denuncia lo­go a pre­sen­ça de oi­to ci­lin­dros, que mes­mo ao ra­len­ti ‘bor­bu­lha’ de for- ma de­li­ci­o­sa, ao me­lhor es­ti­lo ame­ri­ca­no. A flui­dez, fe­ro­ci­da­de e le­vi­an­da­de com que so­be de ro­ta­ção ti­ram quais­quer dú­vi­das so­bre a na­tu­re­za des­te pro­pul­sor, que em ple­na ace­le­ra­ção soa co­mo uma Du­ca­ti. É um da­que­les mo­men­tos em que va­le a pe­na con­du­zir de ja­ne­la aber­ta, pois a mu­si­ca­li­da­de que exa­la tam­bém dá o seu con­tri­bu­to a to­da es­ta ex­pe­ri­ên­cia. Sen­tir o V8 a ru­gir na ca­la­da da noi­te – me­lhor ain­da a eco­ar nos tú­neis – é al­go de sim­ples­men­te im­pa­gá­vel, e é nes­tes mo­men­tos que re­za­mos pa­ra que a era dos mo­de­los elé­tri­cos abran­de se­ri­a­men­te…

Os mons­tru­o­sos 700 N.m de bi­ná­rio pro­por­ci­o­nam uma res­pos­ta exu­be­ran­te, o que cor­ro­bo­ra os va­lo­res ofi­ci­ais de 4,6 se­gun­dos de 0 a 100 km/h e uma ve­lo­ci­da­de má­xi­ma de 250 km/h, que, ca­so não fos­se li­mi­ta­da, che­ga­ria fa­cil­men­te aos 290 km/h. Na­da mau pa­ra um ca­bri­o­let de lu­xo.

To­da es­ta ener­gia é ca­na­li­za­da às ro­das tra­sei­ras – so­men­te o Clas­se S 560 ber­li­na pode ter tra­ção in­te­gral 4MATIC – com o au­xí­lio da cai­xa au­to­má­ti­ca 9G-tro­nic. Se­ja bru­to com o ace­le­ra­dor e o S 560 re­a­gi­rá em con­for­mi­da­de, mas des­de es­te­ja ati­va­do o mo­do Com­fort tu­do se de­sen­ro­la de for­ma bem mais dó­cil. A cai­xa é de­ci­di­da, mas su­a­ve, e qua­se que dis­pen­sa­ría­mos a uti­li­za­ção das pa­ti­lhas pa­ra aque­les mo­men­tos de mai­or

en­tu­si­as­mo. Mas não há na­da co­mo co­man­dar as coi­sas a gos­to e sen­tir mai­or con­tro­lo, além des­fru­tar do pon­ta-ta­cão nas re­du­ções pa­ra tor­nar a con­du­ção ain­da mais ine­bri­an­te. Pode não ser exa­ta­men­te o es­pí­ri­to des­te mo­de­lo, mas a ver­da­de é que com uma al­ma des­tas o di­fí­cil é con­ter­mos o en­tu­si­as­mo.

Sem­pre se­gu­ro

O chas­sis des­te S 560 Ca­brio pri­vi­le­gia sem­pre o con­for­to, mes- mo quan­do se­le­ci­o­na­dos os mo­dos Sport e Sport+. Usu­fruin­do dos prés­ti­mos da sus­pen­são pneu­má­ti­ca Air­ma­tic, ali­a­da ao amor­te­ci­men­to adap­ta­ti­vo, a fil­tra­gem ave­lu­da­da é uma cons­tan­te, e is­so é no­tó­rio tan­to em es­tra­das de pi­so dis­for­me co­mo nos per­cur­sos de cur­vas en­ca­de­a­das, on­de so­bres­sai o ele­va­do pe­so: no­ta-se o mo­vi­men­to os­ci­lan­te do chas­sis, o que a rit­mo ace­le­ra­do pro­pi­cia tra­je­tó­ri­as me­nos pre­ci­sas, ain­da que sem- pre com uma es­ta­bi­li­da­de di­re­ci­o­nal ina­ba­lá­vel, mé­ri­to da ela­bo­ra­da ar­qui­te­tu­ra mul­ti­bra­ços da sus­pen­são.

Por ou­tro la­do, não há si­tu­a­ção, so­bre­tu­do em es­tra­da aber­ta, em que es­te S Ca­brio de­sa­fie as ca­pa­ci­da­des do con­du­tor, mos­tran­do-se sem­pre se­gu­ro de re­a­ções e sem pôr em cau­sa o ex­tre­mo con­for­to de to­dos os ocu­pan­tes. Não é exa­ta­men­te um ca­so em que o mo­tor su­plan­te per­fei­ta­men­te o chas­sis,

mas não dei­xa de ser ver­da­de que tan­ta po­tên­cia me­re­cia (ou com­bi­na­va-se me­lhor com) uma afi­na­ção mais ‘in­te­ra­ti­va’. Em to­do o ca­so, a se­gu­ran­ça é re­for­ça­da por uma tra­va­gem a car­go de um quar­te­to de dis­cos per­fu­ra­dos e ven­ti­la­dos – pa­ra mai­or re­sis­tên­cia à fa­di­ga –, e não fo­ram ra­ros os ca­sos em que, quan­do to­cou a pa­rar, es­te S Ca­brio de­te­ve-se sem he­si­ta­ção.

Co­mo uma aman­te

O que diz o tal di­ta­do que com­pa­ra a aman­te a um ia­te? Bem, não se apli­ca no ca­so des­te ca­bri­o­let, pois so­mos (bem) re­com­pen­sa­dos por ca­da mo­men­to que ne­le pas­sa­mos. Não quer is­so di­zer que não se­ja ca­ro. Além dos qua­se 200 mil eu­ros dos seu PVP, a ma­nu­ten­ção des­ta me­câ­ni­ca não se­rá a mais eco­nó­mi­ca, pa­ra já não fa­lar nos cus­tos mais di­re- tos da uti­li­za­ção diá­ria, co­mo os con­su­mos. Em car­ga le­ve de ace­le­ra­dor (e a ve­lo­ci­da­des cons­tan­tes) o V8 des­co­ne­ta uma ban­ca­da de ci­lin­dros pa­ra re­du­zir mé­di­as, mas ain­da as­sim aca­bá­mos o nos­so en­saio com o re­gis­to de 17,2 l/100 km. Mas o que é is­so pa­ra quem pro­cu­ra um au­to­mó­vel des­tes? É que o S 560 Ca­brio não é pa­ra quem quer, é mes­mo pa­ra quem pode…

Cir­cu­lar a 200 km/h de ca­po­ta aber­ta não in­co­mo­da. Ape­nas a in­so­no­ri­za­ção não é a mes­ma…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.