An­te­vi­são Pors­che Sin­ger DLS

Com o DLS, a mis­são da Sin­ger era cri­ar o me­lhor 911 ar­re­fe­ci­do a ar da his­tó­ria. Con­ce­bi­do em par­ce­ria com a Wil­li­ams Ad­van­ced En­gi­ne­e­ring, te­ve es­treia pú­bli­ca no fa­mo­so Go­odwo­od Fes­ti­val of Spe­ed.

Altagama Motor (Portugal) - - Sumário - Pe­dro Do­min­gues

A Sin­ger foi en­car­re­gue de re­cri­ar uma ver­são lightweight, ain­da mais des­por­ti­va, do 911 clás­si­co. O re­sul­ta­do é sim­ples­men­te fe­no­me­nal…

Pa­ra qu­em acom­pa­nha mais de per­to o mun­do au­to­mó­vel, o no­me Sin­ger não é, de to­do, des­co­nhe­ci­do. Es­ta em­pre­sa nor­te-ame­ri­ca­na cria al­guns dos me­lho­res e mais in­te­res­san­tes Pors­che 911 dis­po­ní­veis, com uma par­ti­cu­la­ri­da­de: uti­li­za mo­to­res at­mos­fé­ri­cos re­fri­ge­ra­dos a ar. Pa­ra os pu­ris­tas, que nun­ca acei­ta­ram bem a mu­dan­ça da Pors­che pa­ra os mo­to­res re­fri­ge­ra­dos a água, as con­ce­ções da Sin­ger são au- tên­ti­cos mo­de­los de so­nho, até por­que apre­sen­tam a for­ma ex­te­ri­or dos pri­mei­ros 911 – ape­sar de se­rem, na ver­da­de, da ge­ra­ção 964 – e man­têm o fa­mo­so pai­nel de ins­tru­men­tos com os cin­co mos­tra­do­res re­don­dos. Re­gra ge­ral, os Sin­ger são ba­ti­za­dos com no­mes de gran­des me­tró­po­les, es­ta­dos ame­ri­ca­nos, ou sim­ples­men­te, lo­cais em­ble­má­ti­cos. No en­tan­to, es­te pro­je­to em par­ti­cu­lar ado­ta a de­sig­na­ção DLS, acró­ni­mo de Dy­na­mic and Lightweigh­ting Study, e tra­duz o que a ca­sa ca­li­for­ni­a­na pre­ten­deu com es­te mo­de­lo: ain­da mais ên­fa­se ao com­por­ta­men­to e à di­mi­nui­ção de pe­so, sem­pre em be­ne­fí­cio da per­for­man­ce.

O ní­vel se­guin­te

A opor­tu­ni­da­de pa­ra le­var a ca­bo o pro­je­to DLS sur­giu quan­do um cli­en­te le­vou à Sin­ger o seu 964 de 1990, re­qui­si­tan­do al­go ain­da mais ex­tre­mo e le­ve do que tu­do o que ti­nha si­do fei­to até à da­ta. As- sim, co­me­çou a nas­cer um mo­de­lo que vi­ria a ter a co­la­bo­ra­ção da Wil­li­ams Ad­van­ced En­gi­ne­e­ring (WAE) e de Nor­bert Sin­ger, en­ge­nhei­ro da Pors­che e que tam­bém tem al­go a ver com o no­me da em­pre­sa. Os téc­ni­cos do de­par­ta­men­to es­pe­ci­a­li­za­do da Wil­li­ams F1 dei­ta­ram mãos à obra, não só ao mo­tor, mas tam­bém à es­tru­tu­ra, ana­li­san­do e re­cri­an­do ca­da de­ta­lhe com a aju­da de so­fis­ti­ca­dos pro­gra­mas in­for­má­ti­cos. Co­me­çan­do pe­lo co­ra­ção

do DLS, a uni­da­de uti­li­za­da foi o flat six de qua­tro li­tros que a Sin­ger tem ha­bi­tu­al­men­te dis­po­ní­vel pa­ra os cli­en­tes, em­bo­ra tra­ba­lha­do pe­la WAE. Es­ta uni­da­de pas­sou a dis­po­ni­bi­li­zar 500 CV, atin­gi­dos a um al­ti­vo re­gi­me de 9.000 rpm… Con­for­me se pô­de ou­vir em Go­odwo­od, a sua so­no­ri­da­de não de­ve na­da a mo­de­los de com­pe­ti­ção e, cer­ta­men­te, te­rá pos­to o DLS – que irá ser pro­du­zi­do em 70 uni­da­des – na mi­ra de mui­tos po­ten­ci­ais (e bas­tan­te ri­cos) cli­en­tes.

Di­e­ta à ba­se de fi­bra

Tal co­mo acon­te­ce nos mo­de­los me­nos ela­bo­ra­dos da Sin­ger, os pai­néis da car­ro­ça­ria são fa­bri­ca­dos em fi­bra de car­bo­no, com o cla­ro ob­je­ti­vo de re­du­zir o má­xi­mo pos­sí­vel o pe­so. No en­tan­to, a WAE ra­di­ca­li­zou es­ta di­e­ta, e in­ves­ti­gou to­do e qual­quer por­me­nor on­de se pu- des­se pou­par pe­so, in­clu­si­ve na cons­tru­ção do pró­prio mo­tor. O re­sul­ta­do foi um va­lor to­tal abai­xo da to­ne­la­da, o que, em con­jun­to com os 500 CV, dei­xa adi­vi­nhar pres­ta­ções e com­por­ta­men­to di­nâ­mi­co de elei­ção, em­bo­ra a Sin­ger não te­nha re­ve­la­do nú­me­ros nes­ta ma­té­ria. Me­ra­men­te a tí­tu­lo de exem­plo, o no­vo 911 GT3 RS de­bi­ta ape­nas mais 20 CV (520 CV), mas pe­sa 1.430 kg, sen­do ca­paz de 312 km/h e 3,2 se­gun­dos no ch­ro­no de 0-100 km/h…

A aná­li­se in­for­má­ti­ca da WAE não se li­mi­tou aos ga­nhos em ter­mos de pe­so, mas tam­bém ao apu­ro da ae­ro­di­nâ­mi­ca, al­go on­de a ex­pe­ri­ên­cia da F1 não tem ri­val. Um dos por­me­no­res mais ‘de­li­ci­o­sos’ do DLS é a for­ma co­mo di­ri­ge o flu­xo su­pe­ri­or do ar pa­ra a asa tra­sei­ra. No Pors­che 911 ori­gi­nal, a asa era qua­se me­ra­men-

te de­co­ra­ti­va, uma vez que só o to­po da mes­ma con­se­guia ‘apa­nhar’ al­gum do flu­xo que pas­sa­va so­bre o car­ro. De for­ma a in­cre­men­tar es­te efei­to, a sec­ção tra­sei­ra do te­ja­di­lho ‘mer­gu­lha’ sob o ócu­lo tra­sei­ro, for­çan­do o ar a cir­cu­lar por ca­nais no in­te­ri­or e ser ex­pe­li­do pe­las gre­lhas de ven­ti­la­ção, di­re­ta­men­te pa­ra a asa tra­sei­ra, tam­bém um pou­co mais al­ta que nos 911 ori­gi­nais. As­sim, con­se­gue-se o efei­to pre­ten­di­do, mas man­ten­do o ar clás­si­co e ‘lim­po’ dos Sin­ger 911.

Sim­pli­ci­da­de sump­tu­o­sa

O in­te­ri­or tem si­do, des­de o iní­cio, um dos pon­tos on­de a Sin- ger mais se des­ta­ca, com um mun­do de por­me­no­res que dão pa­ra apre­ci­ar o ha­bi­tá­cu­lo de um des­tes mo­de­los du­ran­te ho­ras. O res­ga­te de de­ta­lhes sob uma in­ter­pre­ta­ção mo­der­na, se­ja nos re­ves­ti­men­tos, se­ja nos equi­pa­men­tos – e sem­pre com ar re­tro –, fa­zem dos cri­a­ti­vos da Sin­ger ver­da­dei­ros ar­te- sãos. Tam­bém aqui o DLS vai um pou­co mais lon­ge: os pai­néis in­te­ri­o­res das por­tas re­cri­am a es­tru­tu­ra das mes­mas, mas re­ves­ti­da em cou­ro; o qua­dro de ins­tru­men­tos con­ta com um ta­có­me­tro com o aro em ou­ro; o me­ca­nis­mo da cai­xa de ve­lo­ci­da­des é ex­pos­to, co­mo nos mais re­cen­tes mo­de­los da Lo-

tus; e, cla­ro, exis­te uma pro­fu­são de fi­bra de car­bo­no, não só com o pe­so em men­te, mas tam­bém – e tal­vez até aci­ma de tu­do – com o seu efei­to vi­su­al. Ab­so­lu­ta­men­te na­da no Sin­ger DLS foi fei­to ao aca­so, tu­do tem uma for­ma, uma fun­ção, ou am­bas.

Es­te DLS, co­mo ca­da Sin­ger, é um ver­da­dei­ro so­nho que, pa- ra al­guns, se tor­na re­a­li­da­de. Pa­ra os ou­tros con­ti­nu­a­rá sem­pre a ser um so­nho, de­vi­do ao seu cus­to. Em­bo­ra a Sin­ger não te­nha men­ci­o­na­do va­lo­res exa­tos, diz-se que o tal cli­en­te – e os que quei­ram os res­tan­tes 69 car­ros – te­nha pa­go aci­ma de 1,8 mi­lhões – sim, mi­lhões – de dó­la­res…

Sob a si­lhu­e­ta ‘clás­si­ca’ dos 911 pre­pa­ra­dos pe­la Sin­ger, es­con­de-se um 964 ‘da­dor’

O pos­to de con­du­ção é de uma be­le­za as­so­ber­ban­te e com­bi­na com­pe­ti­ção e lu­xo co­mo nun­ca an­tes vis­to

O in­te­ri­or é um mun­do de de­ta­lhes de ex­tre­ma be­le­za, e faz uso dos ma­te­ri­ais mais no­bres dis­po­ní­veis, de cou­ro a fi­bra de car­bo­no e até ou­ro...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.