EN­SAIO Ford Mus­ta ng Fast­back

A ver­são ‘eu­ro­peia’ do Mustang re­ce­beu um bo­ost em tec­no­lo­gia, além de al­guns re­fi­na­men­tos e re­to­ques es­té­ti­cos. Mas se­rá que me­lho­rou o tem­pe­ra­men­to des­te mus­cle­car?

Altagama Motor (Portugal) - - Editorial - Ri­car­do Car­va­lho / Ber­nar­do Gon­za­le Pau­lo Ca­lis­to

Tem me­nos po­tên­cia, mas mais tec­no­lo­gia, uma no­va trans­mis­são e um chas­sis bem mais apu­ra­do

Vis­to­so, mus­cu­la­do e ele­gan­te. As­sim se de­fi­ne, em tra­ços ge­rais, o de­sign do re­no­va­do Mustang. Fa­ce ao mo­de­lo an­te­ri­or, não é, de fac­to, mui­to di­fe­ren­te. E se a evo­lu­ção es­ti­lís­ti­ca era pre­vi­sí­vel, tam­bém há que re­co­nhe­cer que foi mui­to bem con­se­gui­da. As ca­vas das ro­das mus­cu­la­das, a im­po­nen­te gre­lha e o sím­bo­lo do pó­nei sel­va­gem na gre­lha con­ti­nu­am a re­ve­lar que es­te é um Ford es­pe­ci­al. Os gru- pos óti­cos em cu­nha e ago­ra em LED, as guel­ras na car­ro­ça­ria e os fa­ro­lins tra­sei­ros for­ma­dos por três bar­ras verticais, que com­ple­men­tam mui­to bem to­da uma sec­ção re­ma­ta­da por uma fai­xa pre­ta ao cen­tro, são tra­ços ge­rais per­fei­ta­men­te iden­ti­fi­cá­veis com o mo­de­lo ame­ri­ca­no. O Mustang faz par­te do ima­gi­ná­rio de mui­tos aman­tes de au­to­mó­veis des­por­ti­vos, so­bre­tu­do de mus­cle cars, e nes­ta ver­são 2.3 Ecoboost não é as­sim tão ina­ces­sí­vel. A pri­mei­ra ver­são eu­ro­peia, de 2015, cau­sou boa im­pres­são, mas re­ve­lou, por ou­tro la­do, as­pe­tos me­nos con­se­gui­dos, tan­to no re­fi­na­men­to ge­ral co­mo no ca­pí­tu­lo téc­ni­co. Se­rá que ago­ra es­tá me­lhor?

Era di­gi­tal

Aber­ta a enor­me por­ta do con­du­tor, en­con­tra­mos um ha­bi­tá­cu­lo com mo­di­fi­ca­ções que ape­nas se no­tam em de­ta­lhes mí­ni­mos, co­mo al­guns ma­te­ri­ais e cos­tu­ras no ta­bli­er, on-

de exis­te ago­ra um pai­nel de ins­tru­men­tos di­gi­tal de 12”, cu­jo gra­fis­mo po­de va­ri­ar em fun­ção do per­fil de con­du­ção es­co­lhi­do ou ser con­fi­gu­ra­do a gos­to. Com es­ta re­no­va­ção, o Mustang pas­sa a dis­po­ni­bi­li­zar o sis­te­ma mul­ti­mé­dia Ford SYNC3, a par­tir do qual se po­de in­te­grar um smartpho­ne (Ap­plink, Ap­ple Car Play e An­droid Au­to) e in­clui, por exem­plo, um no­vo ecrã tá­til de 8‘’, co­man­dos por voz ou na­ve­ga­ção. A po­si­ção de con­du­ção é per­fei­ta, es­pe­ci­al­men­te com es­tes ban­cos Re­ca­ro (op­ci­o­nais) que en­vol­vem o cor­po e man­têm-no fi­xo ao ban­co. O des­ta­que vai pa­ra a pre­sen­ça de uma li­nha de bo­tões de­bai­xo da con­so­la cen­tral, que per­mi­te, por exem­plo, es­co­lher os mo­dos de con­du­ção, mas co­mo só se po­dem aci­o­nar ‘pa­ra ci­ma’, sem­pre que se pre­ten­de um de­ter­mi­na­do mo­do, é pre­ci­so pas­sar por to­dos, mu­dan­do, a es­pa­ços, o per­fil do car­ro. A evo­lu­ção do Mustang me­lho­rou dras­ti­ca­men­te em to­da a ver­ten­te de se­gu­ran­ça gra­ças ao as­sis­ten­te de pré-co­li­são, à tra­va­gem au­to­má­ti­ca de emer­gên­cia, fa­róis au­to­má­ti­cos, câ­ma­ra de mar­cha atrás, as­sis­ten­te de ma­nu­ten­ção na fai­xa de ro­da­gem ou crui­se con­trol adap­ta­ti­vo, tu­do o que é qua­se ‘des­ne­ces­sá­rio’ quan­do se quer an­dar de­pres­sa.

Mo­tor me­nos po­ten­te

Es­ta ver­são é ani­ma­da pe­lo mo­tor ‘eu­ro­peu’ da ga­ma, o 2.3 Ecoboost de qua­tro ci­lin­dros, que vê, nes­ta re­no­va­ção, a po­tên­cia bai­xar de 317 pa­ra 290 CV. Con­tu­do, pas­sa a ter um pou­co mais de bi­ná­rio, su­bin­do de 432 pa­ra os 440 N.m. O con­su­mo mé- dio ho­mo­lo­ga­do com a cai­xa au­to­má­ti­ca de 10 ve­lo­ci­da­des é de 9,2 l/100 km, mas é pos­sí­vel ru­bri­car va­lo­res mais bai­xos, prin­ci­pal­men­te se ro­lar­mos em au­to­es­tra­da sem ul­tra­pas­sar a ve­lo­ci­da­de le­gal. Já em zo­nas ur­ba­nas e ar­re­do­res as mé­di­as so­bem fa­cil­men­te pa­ra os 12 li­tros, so­bre­tu­do se for­mos ge­ne­ro­sos com o pé di­rei­to. Não há vol­ta a dar. Em­bo­ra o pe­so não se­ja ele­va­do – cer­ca de 1.600 kg –, es­te Mustang não é um exem­plo de efi­ci­ên­cia. A par­tir de ago­ra, e mes­mo nes­ta ver­são me­nos po­ten­te, o Mustang

pos­si­bi­li­ta ao con­du­tor al­gu­mas acro­ba­ci­as ele­tró­ni­cas. Por exem­plo, o sis­te­ma Li­ne Lock, que no mo­de­lo an­te­ri­or só es­ta­va dis­po­ní­vel no V8, pas­sa a ser de sé­rie nes­ta ver­são. O Li­ne Lock blo­queia os tra­vões di­an­tei­ros pa­ra per­mi­tir que as ro­das tra­sei­ras pa­ti­nem sem sair do lu­gar, po­den­do en­vol­ver es­te Ford nu­ma nu­vem de fu­mo, pa­ra fa­zer os tí­pi­cos burn-outs à ame­ri­ca­na. Po­de ser uma for­ma es­pe­ta­cu­lar de ‘tor­rar’ pneus, mas é pou­co útil… Ou­tra no­vi­da­de é o mo­do Drag, uma es­pé­cie de Laun­ch Con­trol que pos­si­bi­li­ta ar­ran­ques mais efi­ci­en­tes, ao ajus­tar a po­tên­cia dis­po­ní­vel à ade­rên­cia do as­fal­to.

Ro­la­dor na­to

Ao vo­lan­te, es­te pó­nei do­mes­ti­ca­do sur­pre­en­de pe­la qua­li­da­de do amor­te­ci­men­to e pe­lo con­for­to ofe­re­ci­do em qual­quer ti­po de pi­so. Não quer di­zer que não cur­ve de for­ma rá­pi­da e efi­caz, mas cla­ra­men­te es­se não é o seu ha­bi­tat na­tu­ral. É mais es­tá­vel do que ágil – tam­bém de­vi­do às su­as ge­ne­ro­sas di­men­sões – e quan­do qu­e­re­mos im­por um rit­mo mais ele­va­do so­bres­sai al­gu­ma fal­ta de fe­e­ling da di­re­ção. Es­ta não é mui­to di­re­ta, e em­bo­ra a fren­te se ins­cre­va lin­da­men­te, não in­cu­te con­fi­an­ça, le­van­do à con­clu­são de que po­de­ría­mos abu­sar um pou­co mais da sua ade­rên­cia.

Quan­to ao mo­tor, não se no­tam pra­ti­ca­men­te di­fe­ren­ças de an­da­men­to des­te 2.3 Ecoboost pa­ra o an­te­ri­or mais po­ten­te. O fac­to de dis­po­ni­bi­li­zar um va­lor de bi­ná­rio su­pe­ri­or con­ju­ga­do com a no­va cai­xa de 10 ve­lo­ci­da­des le­va que se ex­plo­re me­lhor o po­ten­ci­al des­te pro­pul­sor.

O Mustang des­ta­ca-se mais pe­lo com­por­ta­men­to es­tá­vel que pro­por­ci­o­na, não tan­to pe­la agi­li­da­de em es­tra­das si­nu­o­sas

A qua­li­da­de de ar­ran­que é ape­la­ti­va e as pres­ta­ções mais do que en­tu­si­as­man­tes, mas não tem o som do V8. Bem, nem se­quer tem um som mui­to ca­ti­van­te, na ver­da­de. Em con­tra­pon­to, sen­te-se ‘en­cor­pa­do’ e é rá­pi­do nas re­cu­pe­ra­ções, per­mi­tin­do ‘en­cur­tar’ re­tas num ápi­ce con­si­de­rá­vel. Uti­li­zan­do as pa­ti­lhas do vo­lan­te, a úni­ca for­ma de pas­sar de cai­xa em mo­do ma­nu­al, é pos­sí­vel per­ce­ber al­gum de­lay fa­ce ao mo­do au­to­má­ti­co. A mo­tri­ci­da­de é ou­tro pon­to a des­ta­car, até por­que há um di­fe­ren­ci­al au­to­blo­can­te tra­sei­ro que aju­da a man­ter al­gu­ma li­ne­a­ri­da­de da tra­sei­ra, no­me­a­da­men­te sob for­te car­ga de ace­le­ra­dor. A par­tir dos mo­dos de con­du­ção, po­de­mos mu­dar o per­fil do Mustang. No to­tal são seis – Nor­mal, Track, Sport+, Snow e os no­vos My Mo­de (con­fi­gu­rá­vel) e Drag Strip Mo­de – pa­ra ex­pe­ri­ên­ci­as de con­du­ção dis­tin­tas, sen­do que, nes­te ca­so, as di­fe­ren­ças são ape­nas sen­ti­das na ri­gi­dez da di­re­ção, no amor­te­ci­men­to mais fir­me (sis­te­ma Mag­ne­ri­de, op­ci­o­nal) e na res­pos­ta mais rá­pi­da do ace­le­ra­dor. In­fe­liz­men­te, a per­so­na­li­da­de não al­te­ra mui­to. Mas qu­em pro­cu­ra o Mustang não es­tá à es­pe­ra de uma di­nâ­mi­ca rís­pi­da e ir­re­qui­e­ta tí­pi­ca de um hot hat­ch eu­ro­peu. Quer o vi­gor de um mus­cle car ame­ri­ca­no, es­ta é a me­lhor op­ção pa­ra ter aces­so ao mun­do Mustang, com tu­do aqui­lo a que se tem di­rei­to, ex­ce­to ao po­de­rio abis­mal do mo­tor V8.

O Mustang não pas­sa des­per­ce­bi­do. É um mo­de­lo que faz vi­rar ca­be­ças por on­de pas­sa

FORD MUSTANG FAST­BACK 2.3 ECOBOOST AU­TO Ti­po de mo­tor Ga­so­li­na, 4 ci­lin­dros em li­nha, tur­bo Ci­lin­dra­da 2.261 cm3 Po­tên­cia má­xi­ma 290 CV às 5.400 rpm Bi­ná­rio má­xi­mo 440 N.m às 3.000 rpm Ve­lo­ci­da­de má­xi­ma 233 km/h Ace­le­ra­ção 0 a 100 km/h 5,5 s Pre­ço ba­se...

As jan­tes de 19 po­le­ga­das en­vol­vi­das por pneus 255/55 são de di­men­sões iguais, à fren­te e atrás As óti­cas di­an­tei­ras são 100% em LED. Atrás, man­têm-se os fa­ro­lins com as ca­rac­te­rís­ti­cas três fai­xas verticais igual­men­te em LED

O me­lhor Equi­pa­men­to Es­ta­bi­li­da­de Pres­ta­ções Con­for­to O PI­OR Agi­li­da­de So­no­ri­da­de

Os ban­cos Re­ca­ro re­for­çam a sen­sa­ção de con­for­to. O aces­so aos lu­ga­res tra­sei­ros re­quer al­gum con­tor­ci­o­nis­mo . A ba­ga­gei­ra de 408 li­tros es­tá ajus­ta­da ao es­pí­ri­to des­te Mustang, apro­xi­man­do-se à de um au­to­mó­vel fa­mi­li­ar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.