O que é, co­mo iden­ti­fi­car os si­nais de aler­ta e co­mo agir em cri­se?

To­dos nós já ou­vi­mos his­tó­ri­as de cães fe­cha­dos em car­ros e ou­tros que fo­ram à praia num dia quen­te com os do­nos e que fi­ca­ram se­ve­ra­men­te do­en­tes, até mes­mo com a sua vi­da em ris­co.

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Éo Gol­pe de Ca­lor e atin­ge anu­al­men­te mui­tos cães sem­pre que che­ga a es­ta­ção mais quen­te do ano. Al­gu­mas ra­ças são par­ti­cu­lar­men­te sen­sí­veis, co­mo os bra­qui­cé­fa­los – Bou­le­do­gue Fran­cês, Bo­xer, Pug, Bos­ton Ter­ri­er, etc. – pois já tem um apa­re­lho res­pi­ra­tó­rio com ca­rac­te­rís­ti­cas que di­fi­cul­tam a res­pi­ra­ção nor­mal (Sín­dro­me do Bra­qui­cé­fa­lo).

Os cães obe­sos e os ge­riá­tri­cos no ge­ral, tam­bém têm mais di­fi­cul­da­de em per­der ca­lor, as­sim co­mo cães de qu­al­quer ida­de que so­fram de do­en­ça car­di­o­vas­cu­lar.

E os ga­tos…

Os cães são uma es­pé­cie mais afe­ta­da do que os ga­tos, pois es­tes úl­ti­mos vi­vem de uma for­ma mais pro­te­gi­da, den­tro de ca­sa e po­dem pro­cu­rar os lo­cais mais fres­cos, não sen­do tão fre­quen­te­men­te pos­tos em ris­co.

O que é um gol­pe de ca­lor?

O gol­pe de ca­lor é ca­rac­te­ri­za­do por uma hi­per­ter­mia ex­tre­ma, ter­mo téc­ni­co pa­ra tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral au­men­ta­da. Fa­la­mos de tem­pe­ra­tu­ras aci­ma dos 40ºc que per­sis­tem al­gum tem­po e de uma emer­gên­cia mé­di­ca mui­to es-

pe­cí­fi­ca com ris­co de vi­da. Va­mos aju­dar a ex­pli­car o pro­ces­so, iden­ti­fi­car os si­nais de aler­ta e en­si­ná-lo a atu­ar em cri­se.

Por­que aque­cem tan­to os cães?

Os nos­sos ami­gos de qua­tro pa­tas têm uma di­fe­ren­ça pa­ra con­nos­co, eles não trans­pi­ram. Os cães per­dem al­gum ca­lor pe­la pe­le, mas a for­ma mais efi­caz de ar­re­fe­ce­rem é pe­la res­pi­ra­ção.

Daí que quan­do co­me­çam a fi­car com ca­lor a res­pos­ta na­tu­ral se­ja ar­far. Com is­to con­se­guem li­ber­tar-se do ca­lor, pe­la eva­po­ra­ção de água atra­vés da bo­ca. Por is­so é que fi­cam lo­go chei­os de se­de a se­guir.

Qual a di­fe­ren­ça pa­ra com a fe­bre nor­mal?

Na ver­da­de, a fe­bre é um au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra que o cor­po dos cães pro­duz em res­pos­ta a si­tu­a­ções in­fla­ma­tó­ri­as ou a uma in­fe­ção, co­mo por exem­plo, uma pneu­mo­nia. Is­to por­que o me­ca­nis­mo que re­gu­la a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, au­men­ta a tem­pe­ra­tu­ra ti­da co­mo nor­mal pa­ra aju­dar o cor­po a com­ba­ter a in­fe­ção.

Já na Hi­per­ter­mia do Gol­pe do Ca­lor o me­ca­nis­mo ter­mor­re­gu­la­dor fa­lha, tor­na-se in­su­fi­ci­en­te, pois sim­ples­men­te o cor­po ab­sor­veu mais ca­lor do que aque­le que con­se­gue per­der em igual tem­po e aque­ce pro­gres­si­va­men­te sem mais na­da con­se­guir fa­zer.

Co­nhe­ça o seu cão e co­mo se dá com as di­fe­ren­tes tem­pe­ra­tu­ras, as­sim sa­be­rá sem­pre o que po­de ou não fa­zer nos di­as quen­tes

O que acon­te­ce ao cão quan­do co­me­ça a aque­cer?

Após um mo­men­to de exer­cí­cio in­ten­so ou ex­po­si­ção ao sol in­ten­so o cor­po co­me­ça a re­ter ca­lor, cri­an­do um es­ta­do de Stress Tér­mi­co. Es­te le­va à li­ber­ta­ção de me­di­a­do­res in­fla­ma­tó­ri­os ini­ci­an­do um pro­ces­so cha­ma­do de Res­pos­ta in­fla­ma­tó­ria sis­té­mi­ca.

O cor­po co­me­ça a fa­zer va­so­di­la­ta­ção pe­ri­fé­ri­ca, ao mes­mo tem­po que faz va­so­cons­tri­ção cen­tral. Is­to ser­ve pa­ra le­var a mai­or par­te do san­gue e, por­tan­to, do ca­lor pa­ra a pe­ri­fe­ria do cor­po, a pe­le, aju­dan­do a li­ber­tar o ca­lor. Com is­to, in­fe­liz­men­te, há me­nos per­fu­são a ór­gãos vi­tais co­mo o rim, estô­ma­go e in­tes­ti­nos, ini­ci­an­do um pro­ces­so de Fa­lha Mul­ti­or­gâ­ni­ca ca­rac­te­ri­za­da por vó­mi­tos, lí­qui­do no pul­mão (ede­ma pul­mo­nar), con­vul­sões e até mor­te.

Quais os si­nais de aler­ta?

Se es­ti­ver com o seu cão a brin­car ao sol num dia quen­te pres­te aten­ção ao se­guin­te:

•Res­pi­ra­ção ofe­gan­te e rui­do­sa;

•Res­pi­ra­ção que se tor­nou ace­le­ra­da e com mui­ta sa­li­va;

•Si­nais ób­vi­os de can­sa­ço e pro­cu­ra de som­bras;

•Lín­gua e gen­gi­vas mui­to ver­me­lhas en­quan­to es­tá a ar­far.

O que fa­zer em ca­so de so­bre­a­que­ci­men­to?

•Ter­mi­ne o exer­cí­cio e pro­cu­re uma sombra ou zo­na fres­ca;

•Ide­al­men­te, pro­cu­re um es­pa­ço com ar-con­di­ci­o­na­do ou ven­toi­nha;

•Pul­ve­ri­ze o cão com água fres­ca;

•Dê-lhe uma pe­que­na por­ção de água fres­ca a be­ber;

•E es­pe­re… ide­al­men­te a tem­pe­ra­tu­ra irá des­cen­do de­va­gar e co­me­ça­rá a res­pi­rar mais de­va­gar. Se em vez dis­so con­ti­nu­ar igual ou agra­var en­tão é por­que é ne­ces­sá­rio pro­cu­rar a aju­da de um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio.

O que não de­ve fa­zer!

•Não use ge­lo no cor­po, pois o cho­que tér­mi­co po­de ser pi­or.

•As to­a­lhas fri­as di­re­ta­men­te na pe­le tam­bém não são ide­ais, pois vão im­pe­dir a per­da de ca­lor na­tu­ral.

•O frio di­re­to vai pro­vo­car va­so­cons­tri­ção dos va­sos na su­per­fí­cie da pe­le

em­pur­ran­do o san­gue e o ca­lor de no­vo pa­ra den­tro.

Porquê ir lo­go ao ve­te­ri­ná­rio?

A mai­or par­te dos cães que che­ga aos hos­pi­tais e clí­ni­cas em gol­pe de ca­lor che­ga na fa­se de ar­re­fe­ci­men­to, mas oca­si­o­nal­men­te en­tram já em cho­que:

•Cho­que – O cão vem em bra­ços, caí­do e de­pri­mi­do, sem res­pos­ta, pá­li­do e com pul­so fraco. Es­tes pa­ci­en­tes pre­ci­sam de um tra­ta­men­to ur­gen­te. Devem ser lo­go co­lo­ca­dos a so­ro (flui­do­te­ra­pia en­do­ve­no­sa) com ta­xas ade­qua­das, ter os seus pa­râ­me­tros vi­tais (frequên­cia car­día­ca, res­pi­ra­tó­ria, pul­so, etc.) vi­gi­a­dos e devem ser oxi­ge­na­dos. Ape­nas após a es­ta­bi­li­za­ção ini­ci­al se po­de pas­sar ao ar­re­fe­ci­men­to.

•Ar­re­fe­ci­men­to – No Hos­pi­tal o ar­re­fe­ci­men­to é fa­se­a­do, com cal­ma e re­cor­ren­do a hu­me­de­ci­men­tos par­ci­ais, uso de ál­co­ol nas ex­tre­mi­da­des com ven­toi­nhas apon­ta­das e ou­tras téc­ni­cas que per­mi­tam que o pa­ci­en­te con­ti­nue a per­der ca­lor por ele pró­prio, ape­nas de for­ma mais ace­le­ra­da. O ob­je­ti­vo é atin­gir os 39,5ºc ou 39ºc e a par­tir de aí pa­rar o ar­re­fe­ci­men­to ati­vo pa­ra não cair­mos em hi­po­ter­mia de­pois. O pro­ble­ma são os pa­ci­en­tes mais gra­ves que po­dem re­cu­pe­rar do cho­que, mas en­fren­tam pos­sí­vel Fa­lha Re­nal, Ede­mas sis­té­mi­cos (pul­mo­nar e ce­re­bral), Do­en­ça Gas­troin­tes­ti­nal e ris­co de Co­a­gu­la­ção In­tra­vas­cu­lar Dis­se­mi­na­da (CID). Pa­ra pre­ve­nir, não há co­mo pro­cu­rar as­sis­tên­cia ve­te­ri­ná­ria ade­qua­da o quan­to an­tes.

Após um mo­men­to de exer­cí­cio ou ex­po­si­ção ao sol in­ten­so o cor­po co­me­ça a re­ter ca­lor, cri­an­do um es­ta­do de Stress Tér­mi­co

Co­mo pre­ve­nir um gol­pe de ca­lor?

•Em ca­sa te­nha sem­pre uma zo­na de sombra e bem ven­ti­la­da pa­ra o seu animal.

•Se pre­ci­sar de dei­xar o seu cão fe­cha­do num es­pa­ço lem­bre-se que es­te tem de ser bem are­ja­do e dei­xe água à dis­po­si­ção.

•Fa­ça pe­lo seu cão co­mo fa­ria pa­ra si: não vá fa­zer exer­cí­cio na ho­ra de mai­or ca­lor e não vá pa­ra a rua sem le­var água pa­ra am­bos.

•Se ti­ver um ca­chor­ro lem­bre-se que eles nem sem­pre sa­bem pa­rar de brin­car – olhe por eles e de­ci­da quan­do já che­ga.

•Em ca­so de pe­que­nas saí­das do car­ro es­ta­ci­o­ne sem­pre à sombra, dei­xe ja­ne­las aber­tas pa­ra ven­ti­lar me­lhor e não se au­sen­te por mui­to tem­po.

•Se for de fé­ri­as pro­cu­re um pet sit­ting ou ho­tel pa­ra dei­xar o seu me­lhor ami­go de­vi­da­men­te abri­ga­do e cui­da­do.

•Aci­ma de tu­do, co­nhe­ça-o e apren­da co­mo se dá com as di­fe­ren­tes tem­pe­ra­tu­ras, as­sim sa­be­rá sem­pre o que po­de e não po­de fa­zer nos di­as mais quen­tes. Par­ti­lhem a vi­da de for­ma se­gu­ra e cons­ci­en­te, es­ti­man­do-se co­mo fa­mí­lia. ■

Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Ma­ri­a­na San­tos Cor­reia

Te­nha sem­pre uma zo­na de sombra e bem ven­ti­la­da pa­ra o seu animal, e dei­xe água à sua dis­po­si­ção.

Um dos si­nais de aler­ta é uma res­pi­ra­ção ofe­gan­te, rui­do­sa, que se tor­nou ace­le­ra­da e com mui­ta sa­li­va.

Fa­ça os pas­sei­os nas ho­ras mais fres­cas do dia e não vá pa­ra a rua sem le­var água pa­ra am­bos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.