Trei­nar nas fé­ri­as: Idei­as & Su­ges­tões

Edu­car um cão na­que­la al­tu­ra do ano em que não ape­te­ce fa­zer na­da não tem que ser uma obri­ga­ção ou mi­ni­ma­men­te abor­re­ci­do. É mui­to fá­cil e di­ver­ti­do in­cluir um pou­co de trei­no no nos­so dia-a-dia. Ve­ja es­tas idei­as e su­ges­tões pa­ra al­gu­mas ati­vi­da­des úteis

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Car­la Cruz Mes­tre em Pro­du­ção Animal Fo­tos: Shut­ters­tock

Ve­rão, fé­ri­as, di­as com­pri­dos, bom tem­po e dol­ce far ni­en­te. Há quem apro­vei­te es­ta épo­ca pa­ra ir à praia com o seu cão, quem fa­ça lon­gos pas­sei­os, quem apro­vei­te pa­ra lhe en­si­nar coi­sas no­vas… e quem de­ses­pe­re por­que de re­pen­te pa­re­ce que o seu cão em­bur­rou e dei­xou de sa­ber fa­zer mes­mo as coi­sas mais bá­si­cas. Por­que não apro­vei­tar es­ta épo­ca pa­ra re­for­çar um pou­co a edu­ca­ção do seu cão?

É tu­do di­ver­ti­do

“Ai, que cha­ti­ce, es­tou de fé­ri­as, que­ro é di­ver­tir-me e re­la­xar. Ago­ra trei­nar? Is­so é abor­re­ci­do pa­ra as fé­ri­as!” Ora aqui co­me­ça a ques­tão… trei­nar não pre­ci­sa de ser abor­re­ci­do, nós é que o tor­na­mos. Quan­tas ve­zes não es­tou com os do­nos de um cão, a mos­trar-me to­dos di­ver­ti­dos e re­la­xa­dos os tru­ques que o cão sa­be fa­zer, e de­pois quan­do mu­dam pa­ra a par­te de “obe­di­ên­cia” (sen­ta, dei­ta, fi­ca, etc.), de ime­di­a­to mu­dam pa­ra uma pos­tu­ra mais ten­sa e um tom de voz mais fir­me.

É al­go in­cons­ci­en­te e per­fei­ta­men­te nor­mal, na nos­sa men­te há uma dis­tin­ção

clara en­tre as coi­sas que fa­ze­mos e en­si­na­mos “por pi­a­da” e as coi­sas “sé­ri­as”. Mas… pa­ra os cães, não há qu­al­quer di­fe­ren­ça, eles tan­to apren­dem a fa­zer um sen­ta co­mo apren­dem a dar a pa­ta ou an­dar às vol­tas.

Pa­ra eles é tu­do gi­ro, por­que es­tão a

fa­zer coi­sas com os do­nos. Eles não vêm que há di­fe­ren­ça en­tre a “ne­ces­si­da­de” de um fi­ca e a “ne­ces­si­da­de” (ou fal­ta de­la) de sa­ber pas­sar pe­lo meio das per­nas. Pa­ra al­gu­mas pes­so­as po­de pa­re­cer que sim, que os cães per­ce­bem is­so, mas a es­sas su­gi­ro que fa­çam um ví­deo de quan­do es­tão a en­si­nar ao cão os di­fe­ren­tes ti­pos de ati­vi­da­des – irão se­gu­ra­men­te re­pa­rar que o cão es­tá a re­a­gir à nos­sa di­fe­ren­ça de pos­tu­ra e de tom de voz, não ao ní­vel de importância dos di­fe­ren­tes pe­di­dos do do­no.

Trei­nar mes­mo sem dar con­ta

Ou­tra coi­sa que acon­te­ce mui­to com o “te­nho mes­mo de trei­nar o cão até nas fé­ri­as?” é a men­ta­li­da­de, que pa­ra mui­tos de nós foi in­cu­ti­da des­de pe­que­nos, é que o trei­no é al­go que se faz com e ao cão, al­go pa­ra o qual te­mos de re­ser­var al­gum tem­po do nos­so dia e in­sis­tir mes­mo que não ape­te­ça.

Mas… pen­se em tu­do aqui­lo que o cão sa­be fa­zer sem que te­nha gas­to tem­po de pro­pó­si­to a en­si­nar-lhe. Quan­do lhe diz “va­mos à rua”, ele não fi­ca to­do ex­ci­ta­do e cor­re pa­ra a por­ta ou pa­ra o sí­tio on­de es­tá a tre­la? Quan­do lhe diz “va­mos co­mer”, ele não fi­ca lo­go to­do con­ten­te e vai a cor­rer pa­ra o pra­to, ou pa­ra o lo­cal on­de lhe gu­ar­da a co­mi­da? Não lhe en­si­nou is­so, pois não? Mas ele apren­deu. Os cães são ex­ce­len­tes ob­ser­va­do­res dos nos­sos há­bi­tos e ro­ti­nas, e em cri­ar as­so­ci­a­ções, por is­so mui­to fá­cil e ra­pi­da­men­te apren­dem com ba­se no que fa­ze­mos – aqui­lo de que nos aper­ce­be­mos e aqui­lo de que não nos aper­ce­be­mos.

Apro­vei­te os pe­que­nos mo­men­tos e si­tu­a­ções que ocor­rem ao lon­go do dia pa­ra en­si­nar ou re­for­çar al­go que de­se­je que o seu cão fa­ça me­lhor – al­go que se tor­na bas­tan­te mais fá­cil nes­ta al­tu­ra em que não te­mos par­ti­cu­lar­men­te pres­sa pa­ra che­gar a la­do ne­nhum.

O seu cão sal­ta à por­ta to­do ex­ci­ta­do quan­do lhe diz “va­mos à rua”? Es­pe­re tran­qui­la­men­te que ele se acal­me por si, ou que se sen­te à es­pe­ra, an­tes de abrir a por­ta. Não lhe di­ga na­da, dei­xe-o en­ten­der por si que o com­por­ta­men­to ex­ci­ta­do não lhe traz na­da, mas que se se con­se­guir con­tro­lar e es­pe­rar, aqui­lo que ele quer “ma­gi­ca­men­te” acon­te­ce.

Apro­vei­te os tem­pos mor­tos

Es­tá no in­ter­va­lo da sua sé­rie pre­fe­ri­da na TV? Es­tá à es­pe­ra que os fi­lhos to­mem ba­nho de­pois da praia pa­ra o po­der fa­zer? Es­tas são ex­ce­len­tes oca­siões pa­ra fa­zer um mi­ni trei­no com o seu cão, re­for­çan­do o que ele já sa­be ou en­si­nan­do (de for­ma di­ver­ti­da) al­go no­vo que de­se­ja que ele apren­da.

E têm a du­ra­ção per­fei­ta pa­ra um trei­no – ide­al­men­te, não mais que 5 mi­nu­tos de ca­da vez, não mais que 3 a 4 re­pe­ti­ções do exer­cí­cio. O cão não se abor­re­ce, es­tá di­ver­ti­do e a gos­tar de fa­zer; e o trei­no ter­mi­na en­quan­to o cão ain­da quer con­ti­nu­ar.

As­sim, va­mos mais fa­cil­men­te con­se­guir que ele co­me­ce a ses­são se­guin­te com von­ta­de, em vez de des­mo­ra­li­za­do por es­ta­rem um tem­po in­fin­dá­vel (pa­ra o cão) a fa­zer o mes­mo exer­cí­cio.

O dia-a-dia dá-nos inú­me­ras opor­tu­ni­da­des pa­ra en­si­nar­mos al­go ao nos­so cão ou re­for­çar­mos o seu com­por­ta­men­to

Ge­ne­ra­li­ze o trei­no

As pes­so­as têm uma gran­de fa­ci­li­da­de em ge­ne­ra­li­zar. Quan­do apren­de­mos al­go no­vo, ra­pi­da­men­te con­se­gui­mos apli­cá-lo a di­fe­ren­tes si­tu­a­ções e con­tex­tos, des­de que ve­ja­mos uma se­me­lhan­ça com o que apren­de­mos.

Por exem­plo, de­pois de apren­der­mos a con­du­zir no car­ro da es­co­la de ins­tru­ção con­se­gui­mos, ra­pi­da­men­te e com pou­co es­for­ço, ha­bi­tu­ar-nos a con­du­zir ou­tros ti­pos de veí­cu­los com qua­tro ro­das, pe­dais e vo­lan­te, in­de­pen­den­te­men­te dos seus de­ta­lhes es­pe­cí­fi­cos.

Is­to acon­te­ce por­que te­mos uma es­tru­tu­ra ce­re­bral – o ne­o­cor­tex – bas­tan­te mais de­sen­vol­vi­da do que nou­tras es­pé­ci­es. Es­ta es­tru­tu­ra es­pe­ci­a­li­za-se na apren­di­za­gem das re­gu­la­ri­da­des no am­bi­en­te. Con­gre­gan­do a in­for­ma­ção dis­po­ní­vel, o ne­o­cor­tex iden­ti­fi­ca as se­me­lhan­ças en­tre even­tos, per­mi­tin­do adap­tar a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia pré­via a uma si­tu­a­ção se­me­lhan­te – is­to é, per­mi­te ge­ne­ra­li­zar.

Já nos cães, com um ne­o­cor­tex me­nos de­sen­vol­vi­do, es­ta ca­pa­ci­da­de de ge­ne­ra­li­za­ção é bas­tan­te mais re­du­zi­da. Eles aca­bam por se fo­car mais nos de­ta­lhes es­pe­cí­fi­cos de ca­da si­tu­a­ção do que nas se­me­lhan­ças en­tre si­tu­a­ções di­fe­ren­tes.

As­sim, um cão que tem um “sen­ta” per­fei­to na co­zi­nha não o te­rá tão bom na sa­la, no quin­tal e ain­da me­nos na rua – si­tu­a­ções em que as cir­cuns­tân­ci­as am­bi­en­tes são di­fe­ren­tes, os de­ta­lhes são dis­tin­tos e cons­ti­tu­em as­sim inú­me­ras fon­tes de dis­tra­ção. Daí a importância cru­ci­al de, ao lon­go da apren­di­za­gem do cão, ser fun­da­men­tal trei­nar o mes­mo com­por­ta­men­to em vá­ri­os lo­cais dis­tin­tos, ca­so con­trá­rio ar­ris­ca-se a que o cão apren­da que “sen­ta” sig­ni­fi­ca ape­nas “põe o ra­bo no chão da co­zi­nha” e não “põe o ra­bo no chão, qu­al­quer que ele se­ja”.

Lo­go, nas fé­ri­as, em que se an­da a pas­se­ar por di­fe­ren­tes sí­ti­os, mui­tas ve­zes até se vai pas­sar al­guns di­as a ou­tros lo­cais, há uma oca­sião de ou­ro pa­ra aju­dar o

Pa­ra os cães, não há di­fe­ren­ça en­tre trei­nar obe­di­ên­cia “for­mal” ou tru­ques di­ver­ti­dos, o que eles que­rem é es­tar com o do­no

seu cão a per­ce­ber que o com­por­ta­men­to que lhe pe­de é o mes­mo in­de­pen­den­te­men­te do sí­tio em que es­tá. Co­me­ce por coi­sas sim­ples que ele sai­ba fa­zer bem – por exem­plo, se ele tem um sen­ta/fi­ca de al­guns mi­nu­tos fan­tás­ti­co em ca­sa, no sí­tio di­fe­ren­te co­me­ce por lhe pe­dir só o sen­ta, e vá au­men­tan­do gra­du­al­men­te o tem­po do fi­ca. Nor­mal­men­te é mais fá­cil avan­çar na du­ra­ção do com­por­ta­men­to num sí­tio di­fe­ren­te e com dis­tra­ções ca­da vez mai­o­res que en­si­nar o com­por­ta­men­to de raiz, mas não co­me­ce lo­go a pe­dir-lhe al­go di­fí­cil; co­me­ce de for­ma fá­cil pa­ra aju­dar o seu cão a ter su­ces­so.

An­dar à tre­la

So­fre com um cão que pu­xa de­sal­ma­da­men­te na tre­la, an­si­o­so por che­gar ao lo­cal pre­fe­ri­do do pas­seio? Apro­vei­te es­te pe­río­do em que o po­de pas­se­ar mais ve­zes, e não tem pres­sa pa­ra aca­bar o pas­seio e ir pa­ra o tra­ba­lho, pa­ra o en­si­nar a não pu­xar à tre­la. O trei­no pa­ra o cão an­dar edu­ca­da­men­te ao seu la­do, jun­to à sua per­na, é mais mo­ro­so, mas há coi­sas sim­ples que po­de fa­zer pa­ra não ter o seu bra­ço “ar­ran­ca­do” – is­to se o pro­ble­ma for ex­ci­ta­ção e não re­a­ti­vi­da­de a ou­tros cães, o que exi­ge uma abor­da­gem di­fe­ren­te.

Ca­da vez que o seu cão che­ga ao fim da tre­la, pa­re de an­dar e man­te­nha o bra­ço que se­gu­ra a tre­la imó­vel (por exem­plo, jun­to à bar­ri­ga); des­ta for­ma, quan­do o cão pu­xar, o bra­ço não irá ce­der um pou­co, le­van­do a que o cão con­si­ga avan­çar um pou­co. Não re­cla­me com ele, es­pe­re sim­ples­men­te que o cão de­sis­ta de pu­xar. Mais ce­do ou mais tar­de ele vai olhar pa­ra si (mui­tas ve­zes até com aque­la ca­ra “en­tão, do­no?”). O fac­to de ele vi­rar a ca­ra pa­ra trás a olhar vai ali­vi­ar a ten­são na tre­la, fol­gan­do-a li­gei­ra­men­te. Nes­sa al­tu­ra, re­com­pen­se o cão e con­ti­nue o pas­seio. Re­pi­ta as ve­zes ne­ces­sá­ri­as. Mais ce­do ou mais tar­de, o cão irá per­ce­ber a ideia.

Mas se­ja con­sis­ten­te. Se umas ve­zes pa­rar e es­pe­rar e ou­tras ve­zes o dei­xa pu­xar e avan­çar, o que es­tá a en­si­nar ao seu cão é que se ele in­sis­tir no pu­xar, mais ce­do ou mais tar­de con­se­gue avan­çar – ou se­ja, es­tá-lhe a en­si­nar exa­ta­men­te o con­trá­rio do que pre­ten­de.

Se­ja pro­ac­ti­vo nos pas­sei­os!

Se­ja tam­bém pro­ac­ti­vo, e quan­do vir que o cão es­tá a che­gar ao fim da tre­la, cha­me-o pa­ra ob­ter a sua aten­ção e mu­de de di­re­ção. Re­pi­ta as ve­zes ne­ces­sá­ri­as. Is­to irá aju­dar o cão a ir pres­tan­do aten­ção

a si e ao com­pri­men­to da tre­la.mas, ob­vi­a­men­te, não se li­mi­te a ser uma “mú­mia” a se­gu­rar a tre­la, in­te­ra­ja com o cão ao lon­go do pas­seio e aju­de-o a ter von­ta­de de pres­tar aten­ção ao que es­tá a fa­zer.

Tre­la ex­ten­sí­vel

O ma­te­ri­al tam­bém é mui­to im­por­tan­te pa­ra en­si­nar a an­dar à tre­la. Uma tre­la ex­ten­sí­vel é de evi­tar a to­do o cus­to. Além de ava­ri­ar mui­to fa­cil­men­te e po­der le­var a da­nos no cão (por dei­xar de fun­ci­o­nar nu­ma al­tu­ra crí­ti­ca) e a ou­tras pes­so­as (por abra­são no fio/fi­ta, quan­do o cão pas­sa lan­ça­do por elas), es­te ti­po de ma­te­ri­al tem ain­da du­as gran­des des­van­ta­gens:

•O cão nun­ca sa­be qual o com­pri­men­to da tre­la nem quan­do ele irá ser li­mi­ta­do. Mes­mo quan­do os do­nos di­zem que usam a tre­la sem­pre com o mes­mo com­pri­men­to (mas nes­se ca­so, uma tre­la co­mum não é mais prá­ti­ca e con­for­tá­vel?), a ver­da­de é que de vez pa­ra vez, nor­mal­men­te, es­se com­pri­men­to é di­fe­ren­te. Is­to não aju­da o cão a apren­der a ge­rir a dis­tân­cia a que po­de an­dar do do­no;

•Es­tas tre­las na re­a­li­da­de en­si­nam o cão a pu­xar na tre­la! O me­ca­nis­mo da tre­la au­men­ta o com­pri­men­to dis­po­ní­vel quan­do há ten­são – quan­do o cão pu­xa. Lo­go, o cão o que apren­de é que se qui­ser ir mais lon­ge, bas­ta pu­xar.

Tre­la nor­mal

Use uma tre­la nor­mal, no ma­te­ri­al que achar mais con­for­tá­vel pa­ra si. Não acon­se­lho as tre­las em me­tal, pois além de ma­go­a­rem quan­do se agar­ra no ma­te­ri­al, o som me­tá­li­co é de­sa­gra­dá­vel pa­ra os cães.

Se qui­ser dar mais li­ber­da­de ao cão, me­lhor que uti­li­zar uma tre­la ex­ten­sí­vel é op­tar por uma tre­la lon­ga. En­ro­le-a em vol­tas lar­gas nu­ma mão e se­gu­re-a com a ou­tra. Po­de as­sim ir dan­do mais li­ber­da­de ao cão e ir en­ro­lan­do a tre­la à me­di­da que a dis­tân­cia di­mi­nui, is­to sem­pre em bem mai­or se­gu­ran­ça que com uma tre­la ex­ten­sí­vel.

Pei­to­ral No-pull

Se o seu cão pu­xar mui­to e ti­ver di­fi­cul­da­de em con­tro­lá-lo o su­fi­ci­en­te pa­ra con­se­guir fa­zer es­tes exer­cí­ci­os, op­te por usar um pei­to­ral de pren­der à fren­te, no pei­to. Des­ta for­ma, quan­do o cão che­ga à pon­ta da tre­la, o cor­po é na­tu­ral­men­te li­gei­ra­men­te des­vi­a­do, sem es­for­ço ou in­có­mo­dos pa­ra cão e do­no.

O pei­to­ral, em si, não en­si­na na­da – mes­mo que o cão apren­da a ge­rir a dis­tân­cia a que po­de an­dar do do­no com ele pos­to, quan­do se re­mo­ve o pei­to­ral o pro­ble­ma sub­sis­te. No en­tan­to, per­mi­te ti­rar o stress de ten­tar se­gu­rar e con­tro­lar o cão da equa­ção, e fo­car-se de for­ma mais pro­du­ti­va no trei­no em si.

Trei­nar uma boa cha­ma­da

Es­tes di­as con­vi­dam a fa­zer lon­gos pas­sei­os em com­pa­nhia dos nos­sos ca­ni­tos. Quer me­lhor al­tu­ra pa­ra trei­nar uma boa cha­ma­da? Afi­nal, os cães não nas­cem a sa­ber que devem voltar pa­ra o do­no quan­do ele os cha­ma, so­bre­tu­do quan­do o do­no é abor­re­ci­do du­ran­te o pas­seio e há tan­ta coi­sa no­va e dis­tra­ção pa­ra explorar. Na­tu­ral­men­te, se ape­nas cha­mar o cão pa­ra lhe por a tre­la, aca­bar o pas­seio e ir pa­ra ca­sa, ra­pi­da­men­te o que vai acon­te­cer é que ele vai apren­der que ou­vir a cha­ma­da sig­ni­fi­ca “atra­sa o mais pos­sí­vel, por­que a di­ver­são vai aca­bar”. E, nes­ta oca­sião, o do­no, nor­mal­men­te, aca­ba por co­me­çar a cha­mar o cão com um tom de voz ca­da vez mais au­to­ri­tá­rio e zan­ga­do. Quem é que quer ir ter com al­guém com um tom de ge­ne­ral en­rai­ve­ci­do? E quan­tas ve­zes, quan­do o cão fi­nal­men­te che­ga ao pé do do­no, apa­nha por

não ter vin­do quan­do se cha­mou? Pa­ra­béns, aca­bou de en­si­nar ao cão que voltar pa­ra ao pé do do­no sig­ni­fi­ca que vai ser cas­ti­ga­do. Não se ad­mi­re se co­me­çar a ser ca­da vez mais di­fí­cil con­se­guir que ele vol­te quan­do o cha­ma.

Tu­do is­to po­de­ria ser evi­ta­do com um prin­cí­pio mui­to bá­si­co – o cão não de­ve an­dar à solta sem ter uma boa cha­ma­da trei­na­da.

Co­mo en­si­nar uma boa cha­ma­da?

Is­so da­ria azo a um (ou vá­ri­os) ar­ti­go(s) com­ple­to(s), mas lem­bre-se, bas­tan­te mais que me­ro trei­no uma cha­ma­da de­pen­de de uma boa re­la­ção en­tre do­no e cão, pas­sa por o cão que­rer e gos­tar de es­tar per­to do do­no. As­sim, re­com­pen­se-o sem­pre que, mes­mo à tre­la, ele ca­lhar pas­sar per­to de si, se­ja in­ten­ci­o­nal­men­te se­ja aci­den­tal­men­te. Se­ja in­te­res­san­te com o cão no pas­seio, con­ver­se com ele, in­te­ra­ja com ele, brin­que com ele, dê-lhe re­com­pen­sas, aju­de-o a per­ce­ber que per­to de si é que acon­te­cem as me­lho­res coi­sas à fa­ce da ter­ra.

Quan­to à cha­ma­da mais “for­mal”, co­me­ce com o cão ao pé de si, em ca­sa ou à tre­la num sí­tio sem dis­tra­ções. Aten­ção, não se li­mi­te a di­zer “Bo­bi” e es­pe­rar que ele ve­nha ter con­si­go. A mai­o­ria das pes­so­as não se aper­ce­be de quan­tas ve­zes usa ape­nas o no­me do cão em inú­me­ros con­tex­tos di­fe­ren­tes: “Bo­bi”=“an­da cá”, “Bo­bi”=“vai-te em­bo­ra”, “Bo­bi”=“lin­do cão”, “Bo­bi”=“cão feio”, etc. Aliás, um exer­cí­cio in­te­res­san­te é pas­sar um dia a in­ten­ci­o­nal­men­te es­for­çar-se por no­tar is­so mes­mo, abre mui­to os olhos. As­sim, pa­ra a cha­ma­da, use o no­me do cão pa­ra atrair a sua aten­ção, e em se­gui­da di­ga-lhe o que es­pe­ra de­le num tom de voz en­tu­si­as­ma­do: “Bo­bi, an­da cá!”. En­co­ra­je-o a vir ter con­si­go, fa­ça uma gran­de fes­ta quan­do ele o fi­zer, e dê-lhe uma re­com­pen­sa ma­ra­vi­lho­sa, al­go que ele ado­re.

Lem­bre-se que vir pa­ra o pé de si de­ve ser uma coi­sa fa­bu­lo­sa, por is­so não se li­mi­te a cha­mar co­mo se es­ti­ves­se a dar uma or­dem, se­ja en­tu­si­as­man­te pa­ra com o

As fé­ri­as são a opor­tu­ni­da­de per­fei­ta pa­ra en­ca­rar o trei­no co­mo uma coi­sa na­tu­ral e di­ver­ti­da, não uma obri­ga­ção

cão. Quan­do o cão es­ti­ver a res­pon­der con­sis­ten­te­men­te, co­me­ce a au­men­tar mui­to len­ta­men­te a dis­tân­cia da cha­ma­da – de uma pon­ta da sa­la pa­ra a ou­tra, de­pois de uma di­vi­são pa­ra o cor­re­dor, de uma pa­ra ou­tra, etc.; na rua, do cão ao seu la­do pa­ra o cão um pou­co mais afas­ta­do na tre­la, de­pois com uma tre­la mais lon­ga, etc.

À me­di­da que o cão vai sen­do ca­da vez mais con­sis­ten­te, vá au­men­tan­do gra­du­al­men­te o ní­vel de dis­tra­ções – pri­mei­ro nu­ma zo­na tran­qui­la do pas­seio, de­pois nu­ma zo­na com al­gu­mas pes­so­as a pas­sar, nu­ma mais mo­vi­men­ta­da, nou­tra com cães ao lon­ge, de­pois mais per­to etc.

Aten­ção, nun­ca te­nha o cão à solta an­tes de ter a cer­te­za que o cão obe­de­ce sem­pre à cha­ma­da. Pa­ra lhe dar mais li­ber­da­de, use uma tre­la lon­ga – há no mer­ca­do vá­ri­as de 10 me­tros, per­fei­tas pa­ra es­te ti­po de trei­no. Po­de as­sim ir tes­tan­do a cha­ma­da a di­fe­ren­tes dis­tân­ci­as e com di­fe­ren­tes ní­veis de dis­tra­ção, ten­do a cer­te­za que o seu cão não o vai ig­no­rar, pois po­de sem­pre aju­dá-lo a per­ce­ber o que se pre­ten­de.

Uma re­gra im­por­tan­te!

Não cha­me o cão ape­nas pa­ra aca­bar o pas­seio, is­so en­ve­ne­na o pe­di­do e por mui­to boa cha­ma­da que ele te­nha, vai aca­bar por a per­der – quem gos­ta de al­go que ape­nas é usa­do pa­ra coi­sas “más”? Cha­me-o re­gu­lar­men­te ao lon­go do pas­seio, fa­ça uma gran­de fes­ta, dê-lhe uma re­com­pen­sa fa­bu­lo­sa e dei­xe-o ir pas­se­ar ou­tra vez. Fa­ça da cha­ma­da uma par­te nor­mal do pas­seio, um “vem aqui ter co­mi­go sem qu­al­quer ra­zão vá­li­da, ape­nas por­que me ape­te­ce mi­mar-te e de­pois po­des ir à tua vi­da ou­tra vez”.

Trei­nar é um es­ti­lo de vi­da

Ao con­trá­rio do que po­de pa­re­cer, o en­si­no de um cão de com­pa­nhia não é al­go re­ser­va­do à “sa­la de au­las”, mas sim um ver­da­dei­ro es­ti­lo de vi­da, al­go que se po­de apli­car e exe­cu­tar em qu­al­quer mo­men­to do dia-a-dia.

Edu­car um cão é 20% trei­no e 80% re­la­ção com o do­no. Um cão que quer e gos­ta de es­tar com o do­no, e vi­ce-ver­sa – um do­no que se di­ver­te com o cão e se tor­na in­te­res­san­te pa­ra ele – é mais de meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra uma boa edu­ca­ção. O res­to é es­tar aler­ta às coi­sas bo­as que o cão faz (em vez de ape­nas re­pa­rar no que ele faz de mal) e re­com­pen­sá-lo por is­so. O pró­prio trei­no ide­al é pre­ci­sa­men­te aju­dar o cão a es­co­lher fa­zer as coi­sas que nós con­si­de­ra­mos cer­tas, em vez de es­pe­rar que ele fa­ça al­go er­ra­do pa­ra o cas­ti­gar.

As­sim, apro­vei­te as fé­ri­as, es­te pe­río­do de mai­or cal­ma­ria e de dis­po­ni­bi­li­da­de men­tal, pa­ra for­ta­le­cer e/ou me­lho­rar a sua re­la­ção com o seu cão, e, de for­ma re­la­xa­da e di­ver­ti­da, cri­ar há­bi­tos de edu­ca­ção que te­rão uti­li­da­de ao lon­go de to­do o ano. ■

Apro­vei­te mo­men­tos tran­qui­los do pas­seio pa­ra cur­tos trei­nos es­pe­cí­fi­cos, co­mo o an­dar em jun­to, útil pa­ra apli­car de­pois em zo­nas com mui­tas dis­tra­ções ten­ta­do­ras.

Mi­ni trei­nos em di­fe­ren­tes sí­ti­os aju­dam o cão a ge­ne­ra­li­zar e sa­ber apli­car em di­fe­ren­tes sí­ti­os o que apren­deu em ca­sa.

Brin­car com o cão não só é di­ver­ti­do co­mo é útil pa­ra en­si­nar di­fe­ren­tes con­cei­tos, co­mo o “bus­ca”, o “lar­ga”, o “an­da cá”, sem que se aper­ce­bam que es­tão a tra­ba­lhar.

Com o brin­que­do pre­fe­ri­do do cão, ou a sua gu­lo­sei­ma pre­fe­ri­da, ra­pi­da­men­te te­rá uma cha­ma­da a to­da a pro­va.

Pe­que­nos trei­nos di­ver­ti­dos du­ran­te o pas­seio tor­nam a saí­da mais in­te­res­san­te e re­for­çam a re­la­ção en­tre o cão e o do­no.

De pe­que­ni­no se tor­ce o pe­pi­no. Os cães apren­dem em qu­al­quer ida­de, e é mui­to fá­cil co­me­çar a en­si­nar coi­sas im­por­tan­tes, co­mo a cha­ma­da, no meio da brincadeira dos ca­chor­ros.

Em ca­sa, po­de apro­vei­tar os tem­pos mor­tos, co­mo os in­ter­va­los na TV, pa­ra en­si­nar o seu cão ou re­for­çar al­go já trei­na­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.