Co­mo apre­sen­tar o be­bé ao cão da fa­mí­lia

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Cláu­dia Es­ta­nis­lau* Trei­na­do­ra da It's All About Dogs (www.it­sal­la­bout­dogs.net) Fo­tos: Fa­mily Paws

A Fa­mily Paws Pa­rents (FPP) é uma en­ti­da­de que se de­di­ca à for­ma­ção de edu­ca­do­res no que to­ca a tu­do o que se re­la­ci­o­ne com a vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa, po­si­ti­va e bem-su­ce­di­da de cri­an­ças com cães, apre­sen­ta­ção de be­bés a cães, fa­mí­li­as com cri­an­ças e cães, e re­so­lu­ção de pos­sí­veis si­tu­a­ções com­ple­xas.

Asua mis­são é pre­ve­nir o de­sen­vol­vi­men­to de pro­ble­mas, au­men­tar o nú­me­ro de ca­sas que vi­vem com cães e cri­an­ças em to­tal se­gu­ran­ça e sem risco de aci­den­tes. Os pro­fes­so­res da FPP são to­dos trei­na­do­res for­ma­dos e atu­a­li­za­dos com cur­sos ex­ten­sos quer na for­ma­ção e trei­no de cães, co­mo na edu­ca­ção in­fan­til.

To­das as idei­as aqui es­cri­tas são as mais atu­ais no cam­po do trei­no e edu­ca­ção de cães para vi­ve­rem em con­jun­to com be­bés e cri­an­ças de uma for­ma se­gu­ra, po­si­ti­va e bem-su­ce­di­da. To­dos os con­se­lhos da­dos são ba­se­a­dos em es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos atu­a­li­za­dos e na ex­pe­ri­ên­cia de cen­te­nas de mães e trei­na­do­res que aju­da­ram as fa­mí­li­as a su­pe­ra­rem es­ta eta­pa tão im­por­tan­te na vi­da de uma fa­mí­lia.

In­tro­du­ção

Nor­mal­men­te, os ca­sais pro­cu­ram tes­tar as su­as ca­pa­ci­da­des pa­ren­tais com um cão an­tes de co­me­ça­rem uma fa­mí­lia hu­ma­na. Quan­do um no­vo be­bé es­tá a ca­mi­nho, os fu­tu­ros pais po­dem sen­tir um mis­to de emo­ções, dú­vi­das ou pre­o­cu­pa­ções so­bre cri­ar cães e be­bés ao mes­mo tem­po.

As no­vas mães sen­tem-se mais vul­ne­rá­veis quan­do o be­bé che­ga a ca­sa do que em qual­quer ou­tra al­tu­ra das su­as vi­das. Su­bi­ta­men­te, o seu cão pa­re­ce-lhes um ani­mal com den­tes enor­mes! Is­to po­de fa­zer o cão mais ami­gá­vel do mundo pa­re­cer in­se­gu­ro. O ins­tin­to ma­ter­nal e as hor­mo­nas es­tão mui­to for­tes du­ran­te es­te pe­río­do. Acei­te es­te sen­ti­men­to e dê tem­po para as coi­sas sos­se­ga­rem. Vá com cal­ma e a um rit­mo que lhe se­ja con­for­tá­vel.

In­cluir o cão nas no­vas ro­ti­nas da ca­sa

Car­re­gar uma bo­ne­ca ou pe­lu­che é uma óti­ma ati­vi­da­de de “ro­le-playing” para a pre­pa­rar a si e ao seu cão. Par­ti­ci­par nes­ta ati­vi­da­de vai per­mi­tir que se fa­mi­li­a­ri­ze com a for­ma co­mo o seu cão se com­por­ta quan­do as su­as mãos es­tão ocu­pa­das ou quan­do tem al­go nos seus bra­ços. Pra­ti­que com uma bo­ne­ca nu­ma al­co­fa para uma si­mu­la­ção mais re­a­lis­ta.

Se­rá que o seu cão res­pon­de aos si­nais ver­bais ou ges­tu­ais que já sa­be? Pra­ti­que al­guns com­por­ta­men­tos en­quan­to se­gu­ra a bo­ne­ca e ve­ja se o seu cão se com­por­ta de for­ma di­fe­ren­te.

Co­mo é que o seu cão re­a­ge quan­do pas­sa a bo­ne­ca para ou­tra pes­soa? Ago­ra é al­tu­ra para in­ves­ti­gar es­se ti­po de si­tu­a­ções, an­tes do be­bé che­gar a ca­sa. De­ve evi­tar ter que pas­sar por es­tas si­tu­a­ções pe­la pri­mei­ra vez em fren­te ao cão e não sa­ber que ti­po de re­a­ção is­so po­de­rá de­sen­ca­de­ar.

Es­ta­ções de Su­ces­so

Uma es­ta­ção de su­ces­so é um lo­cal de­sig­na­do onde o cão es­tá li­mi­ta­do de for­ma a que não te­nha ou­tra op­ção que não se­ja ser bem-su­ce­di­do. Es­te lo­cal de­ve ser in­tro­du­zi­do de uma for­ma po­si­ti­va e por pe­río­dos de tem­po li­mi­ta­dos. En­quan­to es­tá grá­vi­da a fa­mí­lia de­ve en­si­nar o cão a es­tar em ca­da uma das es­ta­ções, para que ele se am­bi­en­te a es­tar nes­sa si­tu­a­ção, cal­mo e tran­qui­lo. De­vem trei­nar is­to an­tes do be­bé nas­cer e de­vem con­ti­nu­ar o trei­no de­pois do be­bé nas­cer, en­si­nan­do o cão a es­tar per­to e a con­se­guir ver o be­bé, mas sem­pre de uma for­ma se­gu­ra para am­bos e con­for­tá­vel para a mãe, que po­de con­ti­nu­ar a de­di­car-se a 100% ao be­bé sem me­do que o cão se apro­xi­me.

Pren­der o cão

Pren­der o cão é uma for­ma ex­ce­len­te de in­cluir o seu cão nas ro­ti­nas diá­ri­as as­sim que o be­bé che­ga a ca­sa. Mui­tas mães re­cen­tes sen­tem-se mais con­for­tá­veis se o seu cão es­ti­ver nes­ta es­ta­ção. Elas po­dem mo­vi­men­tar-se e irem ati­ran­do

Quan­do o be­bé es­tá a ca­mi­nho, os pais po­dem sen­tir vá­ri­as emo­ções e dú­vi­das so­bre cri­ar cães e be­bés ao mes­mo tem­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.