Aler­gi­as & Ani­mais de com­pa­nhia

Al­gu­mas pessoas de­sen­vol­vem aler­gia aos ani­mais com “pe­lo”, sen­do a aler­gia aos cães e ga­tos as mais fre­quen­tes no nos­so país da­do tra­ta­rem-se dos ani­mais de com­pa­nhia mais co­muns nas fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

Caes & Companhia - - Nesta Edição -

Exis­tem ou­tros ani­mais que po­dem tam­bém pro­vo­car aler­gia, co­mo hams­ters, co­e­lhos e ca­va­los. Já a aler­gia às pe­nas das aves, sa­be-se ho­je que é mui­to me­nos fre­quen­te do que se jul­ga­va no pas­sa­do, sen­do, no en­tan­to, res­pon­sá­vel por al­guns ti­pos es­pe­cí­fi­cos de hi­per­sen­si­bi­li­da­de.

Se­rá aler­gia ao pe­lo?

Ape­sar de fre­quen­te­men­te de­sig­nar­mos a aler­gia co­mo sen­do ao pe­lo, es­ta re­sul­ta­rá da ex­po­si­ção a pro­teí­nas li­ber­ta­das nas glân­du­las se­bá­ce­as lo­ca­li­za­das na pe­le e re­gião pe­ri­a­nal, na sa­li­va e na uri­na do ani­mal. Es­tas pro­teí­nas, res­pon­sá­veis pe­la aler­gia, são es­pa­lha­das no pe­lo ani­mal quan­do faz a sua hi­gi­e­ne.

Mas, afi­nal, o que é uma aler­gia?

É uma si­tu­a­ção em que o nos­so or­ga­nis­mo apre­sen­ta uma sen­si­bi­li­da­de au­men­ta­da para uma subs­tân­cia do meio am­bi­en­te que é ha­bi­tu­al­men­te to­le­ra­da. Nu­ma re­a­ção alér­gi­ca, o nos­so or­ga­nis­mo in­ter­pre­ta a subs­tân­cia co­mo es­tra­nha e di­ri­ge as su­as de­fe­sas con­tra ela. O agen­te res­pon­sá­vel pe­la aler­gia é de­sig­na­do de aler­gé­nio.

Para se po­der di­zer que uma subs­tân­cia é res­pon­sá­vel por uma aler­gia, de­ve­rá pro­vo­car um con­jun­to de si­nais e sin­to­mas ob­ser­vá­veis e re­pro­du­tí­veis. A pro­ba­bi­li­da­de de uma pes­soa de­sen­vol­ver aler­gia de­pen­de­rá mui­to da sua pre­dis­po­si­ção pes­so­al e fa­mi­li­ar de aler­gi­as, sen­do es­te o prin­ci­pal fa­tor de risco.

Ma­ni­fes­ta­ções alér­gi­cas

As ma­ni­fes­ta­ções alér­gi­cas mais co­muns in­clu­em es­pir­ros, ri­nor­reia, la­cri­me­jo, co­mi­chão no na­riz e olhos, na­riz en­tu­pi­do e olhos ver­me­lhos. Em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções po­de sur­gir tos­se, pi­ei­ra e fal­ta de ar. Al­gu­mas pessoas re­fe­rem tam­bém fi­car com os olhos in­cha­dos em am­bi­en­tes com ani­mais.

O que po­de­mos fa­zer?

Para quem é alér­gi­co aos ani­mais e con­tac­ta re­gu­lar­men­te com es­tes, exis­tem me­di­das que po­dem ser to­ma­das e que in­clu­em a to­ma de me­di­ca­men­tos e ações de “con­tro­lo am­bi­en­tal”. Re­la­ti­va­men­te a tra­ta­men­tos, te­mos ho­je ao nos­so dis­por vá­ri­os an­ti-his­ta­mí­ni­cos não se­da­ti­vos e cor­ti­coi­des in­tra­na­sais, que quan­do to­ma­dos me­di­an­te acon­se­lha­men­to mé­di­co são se­gu­ros e efi­ca­zes. Para quem ne­ces­si­ta de um tra­ta­men­to mais de­fi­ni­ti­vo, es­tão dis­po­ní­veis va­ci­nas de des­sen­si­bi­li­za­ção para os alér­ge­nos dos ani­mais, que po­dem ser ad­mi­nis­tra­das por via sub­cu­tâ­nea ou por via su­blin­gual.

Con­tro­lo am­bi­en­tal

Re­la­ti­va­men­te ao con­tro­lo am­bi­en­tal, acon­se­lha-se a:

Li­mi­tar a cir­cu­la­ção do ani­mal pe­la ca­sa, evi­tan­do os es­pa­ços fre­quen­ta­dos pe­lo do­en­te;

Lim­par pe­ri­o­di­ca­men­te o pe­lo do ani­mal com uma to­a­lha hú­mi­da;

Fa­zer a lim­pe­za fre­quen­te da ca­sa, uti­li­zan­do um as­pi­ra­dor com fil­tro HEPA.

Exis­tem me­di­das que po­dem ser to­ma­das e que in­clu­em a to­ma de me­di­ca­men­tos e ações de “con­tro­lo am­bi­en­tal”

O ani­mal faz parte da fa­mí­lia

O afas­ta­men­to do ani­mal, sen­do a so­lu­ção te­o­ri­ca­men­te mais efi­caz e ain­da por ve­zes de­fen­di­da nas si­tu­a­ções mais gra­ves, é de uma for­ma ge­ral di­fí­cil de equa­ci­o­nar para mui­tos dos do­en­tes alér­gi­cos que con­si­de­ram o ani­mal co­mo parte da fa­mí­lia.

De re­fe­rir que mes­mo após a saí­da do ani­mal de uma ha­bi­ta­ção, o aler­gé­nio po­de per­sis­tir den­tro da ca­sa du­ran­te vá­ri­os me­ses.

Ra­ças de cães “hi­po­a­ler­gé­ni­cos”

Ca­so se­ja alér­gi­co ao cão ou ga­to e pre­ten­da um des­tes ani­mais, o me­lhor con­se­lho se­rá não o ter, par­ti­cu­lar­men­te se vi­ver num apar­ta­men­to. A exis­tên­cia de ra­ças de cães “hi­po­a­ler­gé­ni­cos” pa­re­ce ser um mi­to, já que nas ca­sas dos do­nos des­tes cães são en­con­tra­das con­cen­tra­ções se­me­lhan­tes de aler­gé­nio às ob­ti­das nas ca­sas de cães de ou­tras ra­ças não con­si­de­ra­das “hi­po­a­ler­gé­ni­cas”. ■

*Pro­fes­sor Au­xi­li­ar, No­va Me­di­cal Scho­ol; As­sis­ten­te Gra­du­a­do, Ser­vi­ço Imu­no­a­ler­go­lo­gia, Cen­tro Hos­pi­ta­lar Lis­boa Cen­tral EPE; Vi­ce-pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Aler­go­lo­gia e Imu­no­lo­gia Clí­ni­ca (SPAIC).

As ma­ni­fes­ta­ções alér­gi­cas mais co­muns in­clu­em es­pir­ros, ri­nor­reia, la­cri­me­jo, co­mi­chão no na­riz e olhos, na­riz en­tu­pi­do e olhos ver­me­lhos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.