Te­ra­pi­as as­sis­ti­das

Caes & Companhia - - Raça - Ra­quel Pa­che­co, Cães Ami­gos Téc­ni­ca de Te­ra­pi­as as­sis­ti­das com ani­mais

As ati­vi­da­des as­sis­ti­das com ani­mais ti­ve­ram iní­cio nos anos 70 com o Dr. Au­brey Fi­ne. O cão é um pe­ri­to em lin­gua­gem cor­po­ral e ser­ve-se des­sa va­lên­cia para nos ava­li­ar e de­ci­frar. Sen­do a co­mu­ni­ca­ção e sen­si­bi­li­da­de to­tal­men­te in­tui­ti­vas e es­pon­tâ­ne­as, pro­vo­cam des­de lo­go me­ca­nis­mos de vin­cu­la­ção para com a espécie hu­ma­na. Qual­quer ra­ça, in­clu­si­ve cães sem ra­ça de­fi­ni­da, po­de ser uti­li­za­da des­de que de­vi­da­men­te trei­na­da e pre­vi­a­men­te ava­li­a­da para o efei­to.

O La­bra­dor é uma de­las. A sua ale­gria, sim­pa­tia ex­ce­ci­o­nal, rá­pi­da apren­di­za­gem, von­ta­de in­can­sá­vel de tra­ba­lhar e um ex­ce­len­te ca­rá­ter fa­zem de­le um ex­ce­len­te ani­mal de te­ra­pia, ca­paz de cri­ar um vín­cu­lo afe­ti­vo em al­guns mi­nu­tos.

Cri­an­ças com ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas es­pe­ci­ais (au­tis­mo, Sín­dro­me de As­per­ger, pa­ra­li­sia ce­re­bral, en­tre ou­tros) be­ne­fi­ci­am enor­me­men­te do tra­ba­lho com es­tes pe­que­nos/gran­des ami­gos.

O La­bra­dor tem uma ca­pa­ci­da­de ina­ta de co­mu­ni­ca­ção tan­to a ní­vel vi­su­al, sen­si­ti­vo que per­mi­te ao te­ra­peu­ta uma ra­pi­dís­si­ma co­ne­xão a ní­vel te­ra­pêu­ti­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.