Exi­gên­cia acres­ci­da

Correio da Manhã Weekend - - Opinião - JOÃO VAZ JOR­NA­LIS­TA

Os ca­sos con­fran­ge­do­res que se su­ce­dem na po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa não são no­vos, nem ex­clu­si­vo na­ci­o­nal. O pro­ble­ma é que os ocor­ri­dos com os nos­sos com­pa­tri­o­tas nos cus­tam mais, nos con­fron­tam com res­pon­sa­bi­li­da­des pró­pri­as e de­vi­am obri­gar-nos a ser ri­go­ro­sos. Mas que ami­go ou pes­soa pró­xi­ma se sen­te in­cum­bi­do de cha­mar ao de­co­ro po­lí­ti­cos que fal­ca­tru­am pre­sen­ças na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e ou­tros ór­gãos ins­ti­tu­ci­o­nais, or­fe­o­nis­tas do po­der que tra­fi­cam in­fluên­ci­as em to­do o gé­ne­ro de be­nes­ses e pes­so­as no ge­ral que in­ven­tam cur­rí­cu­los e se fa­zem pas­sar pe­lo que não são? O co­mum é os ami­gos ser­vi­rem pa­ra co­mis­sões de hon­ra de­sa­gra­va­do­ras sem pon­ta de ver­go­nha.

Co­ma­de­mo­cra­ti­za­ção da in­for­ma­ção au­men­tou a exi­gên­cia. Ima­gi­na-se co­mo te­ria si­do des­mas­ca­ra­do o len­te di­ta­dor Oli­vei­ra Sa­la­zar se a po­pu­la­ção sou­bes­se que che­ga­ra à cá­te­dra por manobra ad­mi­nis­tra­ti­va sem pres­tar as de­vi­das pro­vas. Ho­je des­trin­çam-se mui­tas ma­ni­gân­ci­as e os apa­nha­dos des­cul­pam-se co­mer­ros in­vo­lun­tá­ri­os e ili­te­ra­cia. Pou­pa­va-se o rol de in­com­pe­tên­ci­as co­mu­ma su­bi­da do ní­vel de se­le­ção do pes­so­al dos apa­re­lhos po­lí­ti­cos, mas na­da dis­to po­de ser fei­to en­quan­to o con­tin­gen­te dos elei­tos se li­mi­tar às cla­ques dos lí­de­res par­ti­dá­ri­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.