So­be­ra­ni­as

Correio da Manhã Weekend - - Sociedade -

Pe­dro Mou­rão

Um(a) de­pu­ta­do(a) en­ten­de fa­zer uma vi­a­gem: não ten­do que jus­ti­fi­car na­da, faz sem mais. Re­cor­dam-se as cé­le­bres vi­a­gens fan­tas­mas re­a­li­za­das por to­do o mun­do, sem se sair do mes­mo lo­cal! Igual­men­te se de­ci­de re­ce­ber du­pla­men­te abo­nos pa­ra vi­a­jar de e pa­ra as re­giões au­tó­no­mas, por­que sem­pre foi as­sim, re­ce­be sem mais! Se en­ten­der “pi­car o pon­to” no Par­la­men­to, es­tan­do si­mul­ta­ne­a­men­te num ou­tro lo­cal a qui­ló­me­tros de dis­tân­cia, “pi­ca” sem mais! Um(a) de­pu­ta­do(a) en­ten­de usu­fruir de um se­gu­ro de saú­de, mes­mo que is­so se­ja ile­gal, usu­frui sem mais. Ou de­ci­de pin­tar as unhas em ple­no Ple­ná­rio, pin­ta sem

OS JUÍ­ZES IN­TE­GRAM UMA CAR­REI­RA, OS DE­PU­TA­DOS ES­TÃO

A PRA­ZO

mais! Se um de­pu­ta­do, pa­ra além do sa­lá­rio e de to­das as re­tri­bui­ções aces­só­ri­as, en­ten­de que de­ve usu­fruir de mais uma qual­quer re­mu­ne­ra­ção, bas­ta ini­ci­ar o res­pe­ti­vo pro­ces­so, sem mais. Um juiz, pa­ra fa­zer uma vi­a­gem de ser­vi­ço, tem de es­tar au­to­ri­za­do, se­não é cha­ma­do a pa­gá-la do seu bol­so. O que acon­te­ce­ria a uma juí­za que se pu­ses­se a pin­tar as unhas em ple­na sa­la de jul­ga­men­tos? No mí­ni­mo, e bem, te­ria um pro­ces­so dis­ci­pli­nar. E porquê? Os juí­zes in­te­gram uma car­rei­ra pro­fis­si­o­nal e os de­pu­ta­dos es­tão a pra­zo. Daí que um juiz, se en­ten­der que a sua re­mu­ne­ra­ção não se en­qua­dra no seu es­ta­tu­to de ti­tu­lar de ór­gão so­be­ra­no, só lhe res­ta, em úl­ti­ma ins­tân­cia, re­cor­rer ao con­sa­gra­do na Cons­ti­tui­ção e fa­zer gre­ve.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.