A cul­pa é do Jo­nas?

CA­DA GO­LO QUE JO­NAS MAR­COU APE­NAS CON­TRI­BUIU PA­RA ALI­MEN­TAR UMA ILU­SÃO

Correio da Manha - CM Sport - - NEWS -

Nin­guém so­cor­reu o Benfica no bar­la­ven­to al­gar­vio. Nem se­quer ocor­reu ao in­ter­va­lo um da­que­les epi­só­di­os te­lú­ri­cos ca­pa­zes de pro­vo­car uma fis­su­ra na ti­jo­lei­ra dos sa­ni­tá­ri­os do Es­tá­dio Mu­ni­ci­pal de Por­ti­mão ou, mais con­ve­ni­en­te ain­da, um da­que­les fe­nó­me­nos de ex­tre­ma agi­ta­ção das in­fra-es­tru­tu­ras mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra pro­vo­car o des­pre­en­di­men­to de um lam­pa­ri­na do te­to co­lo­can­do em ris­co a se­gu­ran­ça do pú­bli­co pa­gan­te e obri­gan­do à in­ter­rup­ção do jo­go. Na­da se pas­sou que vi­es­se em au­xí­lio do po­bre Benfica, ina­pe­la­vel­men­te ba­ti­do ao ca­bo dos pri­mei­ros 45 mi­nu­tos e sem uma boa des­cul­pa pa­ra en­cer­rar abrup­ta­men­te a sua pres­ta­ção e re­gres­sar a ca­sa ao in­ter­va­lo na es­pe­ran­ça de que a Li­ga agen­das­se lá pa­ra a Pri­ma­ve­ra a dis­pu­ta da se­gun­da par­te do en­con­tro com os ter­rí­veis al­gar­vi­os. En­tre­gue a si pró­pria, sem o apoio da Pro­te­ção Ci­vil, a equi­pa en­car­na­da viu-se obri­ga­da a cum­prir pe­no­sa­men­te os se­gun­dos 45 mi­nu­tos e a be­ber até à úl­ti­ma go­ta o cá­li­ce da des­gra­ça que lhe vem sen­do apron­ta­do há me­ses e me­ses.

Num campeonato in­qui­na­do por sus­pei­ções – na jor­na­da an­te­ri­or o Sp. Bra­ga foi acu­sa­do de ter fei­to um fre­te ao Benfica de mo­do a sair go­le­a­do da Luz – é de es­tra­nhar que nin­guém, en­tre os mui­tos co­men­ta­do­res e ana­lis­tas, te­nha apon­ta­do ago­ra ao Benfica o pe­ca­do de ter en­tra­do em cam­po no Al­gar­ve de­ter­mi­na­dís­si­mo a fa­ci­li­tar a vi­tó­ria ao seu an­fi­trião.

Um exer­cí­cio que se re­co­men­da, em no­me do bom sen­so, a to­dos os ben­fi­quis­tas nes­ta ho­ra de dor é que pro­cu­rem as cul­pas e os cul­pa­dos des­ta de­ca­dên­cia com­pe­ti­ti­va no in­te­ri­or da sua agre­mi­a­ção e não em fa­to­res ex­ter­nos por mais ape­te­cí­veis que se apre­sen­tem. Jo­nas, por exem­plo, se­rá um dos gran­des cul­pa­dos do es­ta­do a que che­gou a equi­pa que ain­da há pou­co tem­po se or­gu­lha­va de ser a te­tra­cam­peã de Por­tu­gal. O bra­si­lei­ro, que vi­nha mar­can­do um go­lo por jo­go nas 6 jor­na­das an­te­ri­o­res da prova, con­sen­tiu com a sua efi­caz re­gu­la­ri­da­de que os mais oti­mis­tas con­si­de­ras­sem de­be­la­da a cri­se que mais não te­ria si­do do que uma fic­ção con­ge­mi­na­da mal­do­sa­men­te pe­los ri­vais.

Jo­nas, ape­sar da ve­te­ra­nia, tem si­do o gran­de “dis­far­ça­dor” do fu­te­bol do Benfica. Ca­da go­lo que mar­cou ape­nas con­tri­buiu pa­ra ali­men­tar uma ilu­são. Na quar­ta-fei­ra, em Por­ti­mão, foi-lhe so­ne­ga­da pe­las Leis do Jo­go a pos­si­bi­li­da­de de mar­car o seu go­lo da pra­xe e de ate­nu­ar o re­sul­ta­do em be­ne­fí­cio do bom no­me dos per­ga­mi­nhos do Benfica. O bra­si­lei­ro foi bem expulso a vin­te mi­nu­tos do fim do jo­go e vai fi­car de fo­ra na pró­xi­ma jor­na­da. Ago­ra, ar­ran­jem-se sem ele. Che­ga de abu­sar do ho­mem.n

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.