So­bre en­co­men­das

Correio da Manha - CM Sport - - SPORT -

Beto, te­am ma­na­ger do Spor­ting, não se vai sen­tar es­ta noi­te no ‘ban­co’ por ter si­do sus­pen­so. Pou­ca ou ne­nhu­ma fal­ta vai fa­zer es­te di­ri­gen­te, que já foi fu­te­bo­lis­ta, à sua equi­pa no con­fron­to com o FC Por­to. Os exe­cu­ti­vos não mar­cam go­los e o Spor­ting pre­ci­sa de go­los pa­ra ven­cer o lí­der da pro­va, e não pre­ci­sa­rá de Beto pa­ra coi­sa al­gu­ma a não ser pa­ra in­sul­tar o ár­bi­tro dan­do-se o ca­so de o re­sul­ta­do, ao ca­bo dos 90 mi­nu­tos, não ser o pre­ten­di­do pe­las su­as co­res. Po­de acon­te­cer? Po­de. Acon­te­ceu, por exem­plo, na úl­ti­ma se­gun­da­fei­ra em Ton­de­la. O Spor­ting, jo­gan­do com mais um ele­men­to do que o seu mo­des­to ad­ver­sá­rio du­ran­te qua­se to­da a se­gun­da a par­te, saiu da vi­si­ta ao Es­tá­dio João Car­do­so ver­ga­do ao pe­so de uma der­ro­ta tan­gen­ci­al nos nú­me­ros (21), mas ex­po­nen­ci­al no que em tu­do diz res­pei­to aos efei­tos e con­sequên­ci­as des­se de­sai­re nas Bei­ras.

Não foi uma se­gun­da-fei­ra fá­cil pa­ra Beto. O su­ces­sor de An­dré Ge­ral­des viu o seu jo­ga­dor Mar­cos Acuña ser ex­pul­so nos ins­tan­tes fi­nais do jo­go em Ton­de­la e, es­que­cen­do-se que o pró­xi­mo com­pro­mis­so do Spor­ting pa­ra a Li­ga é o clás­si­co com o FC Por­to, di­ri­giu-se ao ár­bi­tro acu­san­do-o de es­tar ali ao ser­vi­ço do Ben­fi­ca, re­ve­lan­do que a no­va ge­ra­ção de di­ri­gen­tes des­por­ti­vos na­da traz de no­vo, em ter­mos edu­ca­ci­o­nais, à ve­lha ge­ra­ção cal­de­a­da nas ar­tes do con­fli­to e das acu­sa­ções à toa. “És uma en­co­men­da. Vi­es­te aqui en­co­men­da­do pe­lo Ben­fi­ca!”, gri­tou Beto pa­ra Nu­no Al­mei­da que, re­la­tan­do por es­cri­to o epi­só­dio, pre­ci­pi­tou a sus­pen­são do an­ti­go de­fe­sa-cen­tral.

Per­de, as­sim, o Spor­ting o seu di­ri­gen­te por to­do o mês de Ja­nei­ro, um mês re­che­a­do de de­ci­sões im­por­tan­tes no cam­pe­o­na­to, na Ta­ça de Por­tu­gal e na Ta­ça da Li­ga, mas te­rá ga­nha­do um no­vo he­rói na re­fe­ga ins­ti­tu­ci­o­nal com o Ben­fi­ca, e bem se sa­be co­mo são es­ti­ma­dos em Alvalade os au­to­res des­tas pro­e­zas. Pa­ra os adep­tos do Ben­fi­ca, na­tu­ral­men­te, não se tra­ta de proeza ne­nhu­ma. Foi ape­nas mais um exer­cí­cio de pres­são so­bre os juí­zes do jo­go, um da­que­les exer­cí­ci­os san­ti­fi­ca­do por múl­ti­plos ga­bi­ne­tes de co­mu­ni­ca­ção, e que têm vin­do a dar re­sul­ta­dos. Do pon­to de vis­ta do Es­tá­dio da

A MAI­OR PROEZA DA CAR­REI­RA DE BETO ACON­TE­CEU EM 1999 QUAN­DO AS­SI­NOU DOIS AUTOGOLOS NUM DÉRBI

Luz, a mai­or proeza da car­rei­ra de Beto acon­te­ceu em 1999 quan­do o en­tão pro­mis­sor atle­ta, sem que nin­guém lhe en­co­men­das­se fos­se o que fos­se, as­si­nou dois autogolos num dérbi em Alvalade, que ter­mi­na­ria com a vi­tó­ria tan­gen­ci­al dos vi­si­tan­tes.

Ho­je te­re­mos um Spor­ting-FC Por­to. E por­que se tra­ta de um jo­go con­tem com er­ros dos jo­ga­do­res, dos trei­na­do­res e dos ár­bi­tros, mas Beto es­tá a sal­vo por­que vai es­tar na ban­ca­da. Que des­can­so.n

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.