Ci­ên­cia to­la e in­ven­tos sem in­te­res­se são ga­lar­do­a­dos

Ci­ên­cia to­la e in­ven­tos sem in­te­res­se ga­lar­do­a­dos na Uni­ver­si­da­de de Har­vard

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - SUMÁRIO - FER­NAN­DO MADAÍL TEX­TO

anu­al­men­te na Har­vard University. São os absurdos pre­mi­a­dos com o pré­mio Ig No­bel

Na lis­ta dos lau­re­a­dos há des­co­ber­tas inú­teis e in­só­li­tas

Trei­nar pom­bos pa­ra dis­tin­gui­rem as pin­tu­ras de Pi­cas­so dos qua­dros de Mo­net, sus­ten­tar que a água é um “lí­qui­do in­te­li­gen­te”, con­tri­buir pa­ra a fe­li­ci­da­de dos me­xi­lhões dan­do-lhes Pro­zac, cul­ti­var uma pi­men­ta não pi­can­te, ob­ter uma re­cei­ta quí­mi­ca pa­ra ‘des­co­zi­nhar’ par­ci­al­men­te um ovo, con­ce­ber um es­ti­lo de pen­te­a­do pa­ra ca­re­cas, ca­ta­lo­gar os chei­ros de 131 es­pé­ci­es de sa­pos em si­tu­a­ções de stress, cal­cu­lar a exa­ta pro­ba­bi­li­da­de de Gor­ba­chev ser o an­ti­cris­to – eis al­guns exem­plos de es­tu­dos, in­ves­ti­ga­ções ou con­clu­sões que, des­de 1991, têm si­do con­tem­pla­dos com os Pré­mi­os Ig No­bel (um tro­ca­di­lho que a pa­la­vra in­gle­sa ‘ig­no­ble’ per­mi­te). Na lis­ta dos lau­re­a­dos há pes­qui­sas in­só­li­tas, des­co­ber­tas inú­teis ou in­ven­ções ab­sur­das, des­de a ava­li­a­ção do efei­to, em ra­tos que fo­ram sub­me­ti­dos a um trans­plan­te de co­ra- ção, da au­di­ção de ári­as de ópe­ra até à ve­ri­fi­ca­ção que os es­ca­ra­ve­lhos, qu­an­do se per­dem, en­con­tram o ca­mi­nho de re­gres­so ob­ser­van­do a Via Lác­tea, da cons­ta­ta­ção que o cé­re­bro dos ta­xis­tas lon­dri­nos é mais de­sen­vol­vi­do do que o dos ou­tros ci­da­dãos até à pi­o­nei­ra ‘Elu­ci­da­ção dos Com­po­nen­tes Quí­mi­cos Res­pon­sá­veis pe­lo Chu­lé do Pé’. A ini­ci­a­ti­va par­tiu de Marc Abrahams – que, mais tar­de, lan­çou tam­bém a re­vis­ta de hu­mor com ba­se na Ci­ên­cia ‘An­nals of Im­pro­ba­ble Re­se­ar­ch’ (‘Anais da Pes­qui­sa Im­pro­vá­vel’) – e a ce­ri­mó­nia com os ven­ce­do­res das des­co­ber­tas mais es­tra­nhas do ano, que decorre em se­tem­bro na pres­ti­gi­a­da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, che­ga mes­mo a ter al­guns ver­da­dei­ros No­bel a en­tre­gar os troféus aos Ig No­bel, en­quan­to a as­sis­tên­cia cos­tu­ma ati­rar aviões de pa­pel pa­ra o pal­co. Ao lon­go dos anos, o Ig No­bel da Me­di­ci­na con­tem­plou pes­qui­sas co­mo ‘O Efei­to da Mú­si­ca Coun­try no Sui­cí­dio’ ou a te­se que ten­ta­va provar que os sin­to­mas da as­ma po­dem ser tra­ta­dos com uma sim­ples vi­a­gem nu­ma montanha-rus­sa. O da Fí­si­ca já foi en­tre­gue pe­la de­mons­tra­ção de que um pão, a mai­or par­te das ve­zes, cai com o la­do da man­tei­ga vi­ra­do pa­ra bai­xo ou o es­tu­do teó­ri­co da for­ma co­mo se ama­chu­cam as fo­lhas de pa­pel. O da Quí­mi­ca enal­te­ceu, por exem­plo, o de­sen­vol­vi­men­to de um spray de de­te­ção de in­fi­de­li­da­de que as mu­lhe­res po­dem apli­car nas cu­e­cas dos ma­ri­dos ou o pro­je­to de se ex­trair fra­grân­cia de bau­ni­lha a par­tir do es­ter­co de va­ca. O da Eco­no­mia foi ga­nho pe­lo Prin­ci­pa­do do Li­e­ch­tens­tein, por per­mi­tir alu­gar o mi­cro­país pa­ra con­gres­sos ou ca­sa­men­tos, e tam­bém pe­lo in­ven­tor do des­per­ta­dor com ro­das, que fo­ge e se es­con­de do do­no que o quer des­li­gar pa­ra con­ti­nu­ar a dor­mir, con­tri­buin­do as­sim pa­ra ha­ver mui­to mais ho­ras de la­bo­ra­ção.

Exis­tem, pois, inú­me­ros pro­je­tos mui­to úteis pa­ra a vi­da do ci­da­dão co­mum, co­mo sa­ber que ou­vir mú­si­ca de ele­va­dor es­ti­mu­la o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co a pro­du­zir an­ti­cor­pos e, as­sim, aju­da a pre­ve­nir a cons­ti­pa­ção; a análise da fric­ção que se ge­ra en­tre a so­la do sa­pa­to, a cas­ca de ba­na­na que se pi­sou e o chão por on­de se ca­mi­nha; a con­fir­ma­ção de que as vul­ga­res ga­li­nhas pre­fe­rem ver hu­ma­nos bo­ni­tos; o efei­to da cer­ve­ja, do alho e do cre­me aze­do no ape­ti­te das san­gues­su­gas; o cen­so de to­dos os áca­ros que vi­vem nas nos­sas ca­mas; o apuramento dos efei­tos co­la­te­rais de se en­go­lir es­pa­das; a ideia de que qual­quer um po­de cor­rer so­bre uma su­per­fí­cie de água des­de que es­se in­di­ví­duo e o la­go es­te­jam na Lua.

O po­la­co ‘Prawo Jazdy’

Se a Aca­de­mia Su­e­ca tem si­do cri­ti­ca­da, ao lon­go das dé­ca­das, por não ter atri­buí­do o No­bel da Li­te­ra­tu­ra a

Ver­da­dei­ros No­bel já fo­ram en­tre­gar os pré­mi­os Ig No­bel

vul­tos co­mo Tols­toi, Ib­sen, Proust, Joy­ce, Kaf­ka ou Bor­ges, os Ig No­bel des­ta ca­te­go­ria não me­re­cem con­tes­ta­ção, se­ja a es­co­lha de um­ma­nu­al de seis pá­gi­nas com o mo­do mais apro­pri­a­do de se fa­zer um chá, uma es­ta­tís­ti­ca ca­paz de provar que a ‘Bí­blia’ tem um­có­di­go se­cre­to es­con­di­do ou um li­vro de Me­di­ci­na com cem ve­zes mais au­to­res do que pá­gi­nas. Sur­gem te­mas bas­tan­te re­le­van­tes, co­mo o rol de ‘Cor­pos Es­tra­nho Re­tais: Exem­plos e Es­tu­do da Li­te- ra­tu­ra Mun­di­al’, em que se re­ve­la que já fo­ram ex­traí­dos do ânus de do­en­tes ob­je­tos co­mo um amo­la­dor de fa­cas, du­as lan­ter­nas, um ra­bo de por­co con­ge­la­do, se­te lâm­pa­das, uma chá­ve­na de la­ta, um co­po de cer­ve­ja – e, num só pa­ci­en­te, uma au­tên­ti­ca co­le­ção, com um par de ócu­los, uma cha­ve de ma­la, um sa­co de ta­ba­co e uma re­vis­ta.

E exis­tem es­cri­to­res pro­li­xos, co­mo o uni­ver­si­tá­rio que pu­bli­cou mais de 80 re­la­tó­ri­os aca­dé­mi­cos de as­sun- tos que o in­co­mo­da­vam, co­mo as per­cen­ta­gens de jo­vens que usam os bo­nés com a pa­la pa­ra trás, de tran­seun­tes que cal­çam ténis bran­cos em vez de co­lo­ri­dos, de cli­en­tes que ex­ce­dem o nú­me­ro de ar­ti­gos per­mi­ti­dos na cai­xa mais rá­pi­da dos su­per­mer­ca­dos, de ba­nhis­tas que na­dam na par­te da pis­ci­na em que têm pé em vez de o fa­ze­rem na mais fun­da ou de es­tu­dan­tes que não gos­tam de comer cou­ves-de-bru­xe­las. Há tí­tu­los que, só por si, evi­den-

Marc Abrahams, o cri­a­dor dos pré­mi­os Ig No­bel editor da re­vis­ta ‘An­nals of Im­pro­ba­ble Re­se­ar­ch’ (‘Anais da Pes­qui­sa Im­pro­vá­vel’) é um an­ti­go alu­no da pres­ti­gi­a­da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.