Jair Bol­so­na­ro

O pre­si­den­te em que nin­guém acre­di­ta­va

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - FIGURA INTERNACIONAL - João Pe­rei­ra Cou­ti­nho CO­LU­NIS­TA

Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro, aos 63 anos, foi elei­to o38º Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil. Es­ta fra­se, há ape­nas uma­no,há ape­nas seis me­ses, há ape­nas três, te­ria pro­vo­ca­do gar­ga­lha­das en­tre as pla­tei­as cul­tas. Bol­so­na­ro era um fe­nó­me­no das re­des so­ci­ais. Mas co­mo le­var a sé­rio um can­di­da­to sem di­nhei­ro, sem par­ti­do re­le­van­te (o Par­ti­do So­ci­al Li­be­ral), sem tem­po te­le­vi­si­vo dig­no de no­ta – e que,além dis­so,ti­nha um his­tó­ri­co no Con­gres­so en­tre o ri­sí­vel e o gro­tes­co? Ou­vi vá­ri­as ve­zes es­ta per­gun­ta nas mi­nhas de­am­bu­la­ções bra­si­lei­ras. Pre­fe­ria não co­men­tar, em­bo­ra ad­mi­ta que o sar­cas­mo ge­ral me pa­re­cia im­pru­den­te: de­pois da elei­ção de Do­nald Trump nos Es­ta­dos Uni­dos,a po­lí­ti­ca de­mo­crá­ti­ca do Oci­den­te ti­nha mu­da­do. Se Trump ti­nha si­do pos­sí­vel em 2016, por que não Bol­so­na­ro em 2018? Além dis­so, é pre­ci­so re­bo­bi­nar o fil­me.e re­vi­si­tar o mês de Ju­nho de 2013, quan­do os bra­si­lei­ros saí­ram às ru­as. Ver­da­de: os bra­si­lei­ros gos­tam de sair à rua. Pa­ra fes­te­jar, não pa­ra pro­tes­tar. Mas na­que­le dia 13 de Ju­nho o que co­me­çou co­mo um pro­tes­to con­tra o au­men­to da ta­ri­fa nos trans­por­tes pú­bli­cos de São Pau­lo con­ver­teu-se num es­pec­tá­cu­lo de vi­o­lên­cia po­li­ci­al so­bre os ma­ni­fes­tan­tes. O Bra­sil não gos­tou do que viu. E ra­pi­da­men­te os pro­tes­tos pau­lis­ta­nos se es­pa­lha­ram por to­do o país con­tra um ‘es­ta­do de coi­sas’ que nin­guém po­dia mais to­le­rar. A eco­no­mia que afun­da­va. A cor­rup­ção en­dé­mi­ca. A in­se­gu­ran­ça, sem­pre a in­se­gu­ran­ça. O mo­men­to pe­dia me­di­das drás­ti­cas – e um can­di­da­to drás­ti­co.

II

Jair Bol­so­na­ro en­ten­deu o es­pí­ri­to do tem­po. Aban­do- nou o Par­ti­do Pro­gres­sis­ta, igual­men­te ato­la­do em cor­rup­ção, e co­me­çou a fa­zer o seu ca­mi­nho no mun­do vir­tu­al. Com o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff em 2016, Bol­so­na­ro con­gre­gou em seu tor­no a re­sis­tên­cia an­ti-pt. O que fal­ta­va? Na­tu­ral­men­te: a bên­ção da eli­te fi­nan­cei­ra, que lo­go veio em 2017 quan­do Bol­so­na­ro en­con­trou em Pau­lo Gu­e­des, um ne­o­li­be­ral edu­ca­do em Chi­ca­go, o seu mi­nis­tro pa­ra as Fi­nan­ças. A 22 de Agos­to des­te ano, o Ins­ti­tu­to Da­ta­fo­lha re­ve­la­va que Lu­la da Sil­va era o pre­fe­ri­do dos bra­si­lei­ros (39%) com Jair Bol­so­na­ro num dis­tan­te se­gun­do lu­gar (19%). Mas es­se não era o pon­to fun­da­men­tal. O pon­to é que, sem Lu­la, Bol­so­na­ro fi­ca­va em pri­mei­ro (com 22%). Se jun­tar­mos aos nú­me­ros a im­pla­cá­vel re­a­li­da­de – con­de­na­do em se­gun­da ins­tân­cia por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro, Lu­la ja-

mais po­de­ria ser o can­di­da­to do PT de acor­do com a ‘Lei­da Fi­cha Lim­pa ’– nem as­sim os alar­mes so­a­ram. O can­di­da­to de­sig­na­do por Lu­la, que aca­bou por ser Fer­nan­do Had­dad, aca­ba­ria por her­dar os vo­tos do pa­tro­no. Ou, en­tão, Ci­ro Go­mes se­ria elei­to. Tu­do es­ta­va bem por­que iria aca­bar bem. Bas­ta­va que uma ‘fren­te de­mo­crá­ti­ca’ (de es­quer­da, ob­vi­a­men­te) tra­vas­se o ‘fas­cis­ta’ de ser­vi­ço. Acon­te­ce que a his­tó­ria, es­sa di­va ca­pri­cho­sa, ti­nha uma sur­pre­sa pa­ra to­dos: no dia 6 de Se­tem­bro, quan­do Bol­so­na­ro fa­zia cam­pa­nha em Mi­nas Ge­rais, Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra es­fa­que­a­va o can­di­da­to. As ima­gens são de uma vi­o­lên­cia as­si­na­lá­vel e Bol­so­na­ro, que pas­sa­ria o res­to do pe­río­do elei­to­ral no hos­pi­tal ou em ca­sa, en­car­na­va li­te­ral­men­te a re­a­li­da­de que de­nun­ci­a­va: no Bra­sil, a vi­da era ba­ra­ta. Um país que, em 2017, te­ve qua­se 64 mil ho­mi­cí­di­os, es­ta­va a ca­mi­nho do abis­mo. Bol­so­na­ro ven­ceu a pri­mei­ra vol­ta das pre­si­den­ci­ais e qua­se ar­ru­ma­va o as­sun­to com 46% dos vo­tos. Três se­ma­nas de­pois, sem sur­pre­sas, era elei­to pre­si­den­te com 55%.

III

A vi­tó­ria de Bol­so­na­ro não caiu do céu: o aten­ta­do dra­ma­ti­zou a elei­ção e deu uma aju­da pre­ci­o­sa, mas o fe­nó­me­no ex­pli­ca-se com cau­sas ter­re­nas. Três, pe­lo me­nos. Pa­ra co­me­çar, o re­pú­dio ao PT foi avas­sa­la­dor. Bas­ta olhar pa­ra os re­sul­ta­dos de Fer­nand o Had­dad, que te­ve ape­nas o tra­di­ci­o­nal e pau­pér­ri­mo Nor­des­te ao seu la­do. A cor­rup­ção do par­ti­do; o de­sas­tre eco­nó­mi­co a que Dil­ma con­du­ziu o país; e o te­mor de que o re­gres­so do PT se­ria um mo­men­to de vin­gan­ça so­bre o po­der ju­di­ci­al, con­du­zin­do o país a uma ex­pe­ri­ên­cia bo­li­va­ri­a­na, di­ta­ram es­sa re­jei­ção ma­ci­ça. Por ou­tro la­do, Bol­so­na­ro sou­be ca­pi­ta­li­zar o vo­to das di­rei­tas co­mo ne­nhum ou­tro can­di­da­to pre­si­den­ci­al an­tes ou de­pois da re­de­mo­cra­ti­za­ção. De um la­do, o vo­to con­ser- va­dor, que se re­viu na agen­da tra­di­ci­o­na­lis­ta de um po­lí­ti­co pa­ra qu­em o Bra­sil es­tá aci­ma de tu­do – e Deus aci­ma de to­dos. Do ou­tro la­do, a di­rei­ta li­be­ral, que en­con­trou em Pau­lo Gu­e­des, o mi­nis­tro-som­bra, uma pro­mes­sa an­ti-es­ta­tis­ta vi­go­ro­sa. Por úl­ti­mo, e tal co­mo Do­nald Trump já ti­nha en­si­na­do, as re­des so­ci­ais po­dem de­ci­dir uma elei­ção. O pró­prio Bol­so­na­ro ad­mi­te que che­gou ao po­der gra­ças à in­ter­net. Nas pa­la­vras do no­vo pre­si­den­te, “o po­der po­pu­lar não pre­ci­sa mais de in­ter­me­di­a­ção”. Es­se pen­sa­men­to, que fun­ci­o­nou em cam­pa­nha, con­ti­nu­a­rá a ser cul­ti­va­do no Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

IV

E ago­ra? Ago­ra, Bol­so­na­ro vai go­ver­nar com as ex­pec­ta­ti­vas que cri­ou e que se re­su­mem no le­ma da ban­dei­ra: or­dem e pro­gres­so. Se­rá pos­sí­vel es­tan­car e re­ver­te­ra cri­mi­na­li­da­de im­pe­ran­te no país? Se­rá pos­sí­vel ter uma re­la­ção com a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos que não pas­se pe­lo ve­lho fi­si­o­lo­gis­mo que ali­men­ta a cor­rup­ção? Ea eco­no­mia? Vi­rão aías re­for­mas pro­me­ti­das – fis­cal, da Se­gu­ran­ça So­ci­al, do mer­ca­do de tra­ba­lho, etc.? Te­re­mos o pla­no de pri­va­ti­za­ções pa­ra ar­re­ca­dar 240 mil mi­lhões de eu­ros e pa­gar a dí­vi­da pú­bli­ca? Mais im­por­tan­te ain­da: te­re­mos uma eco­no­mia a cres­cer mais do que 1% ou 2% ao ano? Sim, Deus é bra­si­lei­ro. Mas não cons­ta que fa­ça o tra­ba­lho pe­los seus fi­lhos ter­re­nos.

“Se Trump ti­nha si­do pos­sí­vel em 2016, por que não Bol­so­na­ro em 2018?”

“Com a des­ti­tui­ção de Dil­ma, Bol­so­na­ro con­gre­gou em seu tor­no a re­sis­tên­cia an­ti-pt. Fal­ta­va a bên­ção da eli­te fi­nan­cei­ra”

“Aten­ta­do dra­ma­ti­zou a elei­ção e deu uma aju­da pre­ci­o­sa”

“Bol­so­na­ro vai go­ver­nar com as ex­pec­ta­ti­vas que cri­ou” João Pe­rei­ra Cou­ti­nho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.