Os po­pu­lis­mos

O fim da de­mo­cra­cia co­mo a co­nhe­ce­mos

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - FACTO INTERNACIONAL - Lu­ci­a­no Amaral PRO­FES­SOR UNI­VER­SI­TÁ­RIO

De re­pen­te, to­da a gen­te co­me­çou a ver ‘po­pu­lis­mos’ por to­do o la­do. Um ter­mo que sem­pre foi uti­li­za­do com par­ci­mó­nia, até por­que nin­guém sa­be mui­to bem o que sig­ni­fi­ca, pas­sou a ser uma es­pé­cie d e d e s c o d i fi c a d o r ge ra l pa­ra o que vem acon­te­cen­do na po­lí­ti­ca dos paí­ses oci­den­tais. Até há pou­co, re­ser­va­va-se a pa­la­vra pa­ra des­cre­ver ex­pe­ri­ên­ci­as co­mo a de Ju­an Pe­rón, na Ar­gen­ti­na, ou de Ge­tú­lio Var­gas, no Bra­sil, es­ten­den­do-se o uso, com re­ceio, pa­ra ca­sos co­mo o de An­drew Jack­son, nos EUA, ou Pi­er­re Po u ja d e , e m Fra n ç a . Ago­ra, não há coi­sa que não cai­ba na de­fi­ni­ção: de Ni­co­lás Ma­du­ro, na Ve­ne­zu­e­la, a Ro­dri­go Du­ter­te, nas Fi­li­pi­nas, pas­san­do por fe n ó men o s t ã o o p o s to s quan­to Do­nald Trump e Ber­nie San­ders, nos EUA, Ma­ri­ne Le Pen, em França, Vik­tor Or­bán, na Hun­gria, e mui­tos, mui­tos ou­tros. Um ter­mo tão elás­ti­co não há de qu­e­rer di­zer mui­to. Na ver­da­de, o seu uso re­ve­la so­bre­tu­do in­ca­pa­ci­da­de pa­ra com­pre­en­der o que se pas­sa: o de­sa­pa­re­ci­men­to da pre­vi­si­bi­li­da­de dos sis­te­mas elei­to­rais oci­den­tais, a des­trui­ção de ve­lhos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais, a as­cen­são de par­ti­dos e pro­ta­go­nis­tas no­vos (fo­ra do en­qua­dra­men­to que os par­ti­dos tra­di­ci­o­nais cos­tu­ma­vam dar), o com­por­ta­men­to elei­to­ral apa­ren­te­men­te exó­ti­co de gran­de par­te da po­pu­la­ção. C o mo n ã o s e c o n s e g u e com­pre­en­der is­to, cha­ma-se-lhe po­pu­lis­mo e de­cre­ta-se que é um pe­ri­go pa­ra a de­mo­cra­cia.

Ve­lhos ró­tu­los

Do la­do da es­quer­da, o ter­mo não pas­sa mui­tas ve­zes do ‘ag­gi­or­na­men­to’ de ve­lhos in­sul­tos di­ri­gi­dos à dir e i t a : a q u i l o q u e j á fo i ‘ne­o­li­be­ral’ ou ‘fas­cis­ta’ pas­sou ago­ra a ‘po­pu­lis­ta’, que­ren­do di­zer a mes­ma c o i s a , i s to é , p e s s o a o u gru­po sem o cer­ti­fi­ca­do de qua­li­da­de da es­quer­da. A razão pa­ra a ne­ces­si­da­de do uso do no­vo ter­mo é in­te­res­san­te: co­mo es­ta no­va di­rei­ta tem ti­do gran­des sucessos elei­to­rais apro­pri­an­do-se de mui­tas idei­as an­ti­li­be­rais ou ili­be­rais par­ti­lha­das pe­la es­quer­da, os ve­lhos ró­tu­los já não ser­vem. E aqui to­ca­mos num dos as­pe­tos mais ino­va­do­res dos no­vos mo­vi­men­tos: é que eles ca­çam no mes­mo ter­ri­tó­rio da es­quer­da – ao re­ve­lar-se in­ca­paz de ca­pi­ta­li­zar a in­sa­tis­fa­ção de mui­tos gru­pos so­ci­ais po­pu­la­res com o es­ta­do ge­ral das so­ci­e­da­des con­tem­po­râ­ne­as, a es­quer­da tem-se vis­to ul­tra­pas­sa­da pe­la no­va di­rei­ta

no seu pró­prio ter­re­no e de­ses­pe­ra com is­so.

Não é tu­do o mes­mo

Mas o fac­to de os no­vos mo­vi­men­tos par­ti­lha­rem al­gu­mas idei­as não quer di­zer que se­jam to­dos a mes­ma coi­sa, nem que se­ja pos­sí­vel clas­si­fi­cá-los a to­dos sob o mes­mo cha­péu ‘po­pu­lis­ta’. Trump, por exem­plo, tem-se li­mi­ta­do a in­tro­du­zir prin­cí­pi­os de na­ci­o­na­lis­mo eco­nó­mi­co e con­tro­lo da imi­gra­ção den­tro do qua­dro inal­te­ra­do das ins­ti­tui­ções ame­ri­ca­nas; so­bre os pro­ta­go­nis­tas do Bre­xit po­de di­zer-se que pre­ten­dem con­tro­lar a imi­gra­ção, mas ne­nhum de­les ima­gi­na dis­pen­sar as ve­lhas ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas bri­tâ­ni­cas, ao mes­mo tem­po que lu­tam de­ses­pe­ra­da­men­te por man­ter tro­cas in­ter­na­ci­o­nais li­vres; Sal­vi­ni e Di Maio po­de­rão pa­re­cer am­bí­guos quan­to ao seu amor pe­la de­mo­cra­cia, mas até ago­ra o seu pro­gra­ma res­trin­ge-se tam­bém ao con­tro­lo da imi­gra­ção e à pos­si­bi­li­da­de de sair do eu­ro, coi­sa que não tem na­da de an­ti­de­mo­crá­ti­co; on­de as ame­a­ças à de­mo- cra­cia pa­re­cem ser mais cla­ras é na Eu­ro­pa de Les­te, com Or­bán à ca­be­ça.

Sa­ber ca­pi­ta­li­zar

Mas o que une to­da es­ta gen­te tal­vez se­ja aqui­lo que mais me­re­ça ser dis­cu­ti­do: a sua ca­pa­ci­da­de pa­ra in­ter­pre­tar a sen­sa­ção de mar­gi­na­li­za­ção e de­clí­nio eco­nó­mi­co e so­ci­al de mui­tos gru­pos po­pu­la­res e das clas­ses mé­di­as dos di­fe­ren­tes paí­ses eu­ro­peus e oci­den­tais. Re­pa­re-se que não es­ta­mos aqui pe­ran­te uma me­ra sen­sa­ção. Pe­lo con­trá­rio, es­ta­mos pe­ran­te fe­nó­me­nos bem re­ais: a de­si­gual­da­de de ren­di­men­tos na mai­or par­te dos paí­ses oci­den­tais es­tá ho­je a ní­veis pra­ti­ca­men­te idên­ti­cos aos exis­ten­tes nos anos 30 e 40 e é so­bre­tu­do con­sequên­cia da de­te­ri­o­ra­ção das con­di­ções da clas­ses mé­di­as e dos tra­ba­lha­do­res in­dus­tri­ais. O eco­no­mis­ta Bran­ko Mi­la­no­vic mos­trou bem o pa­ra­do­xo so­ci­al da glo­ba­li­za­ção: a de­si­gual­da­de de ren­di­men­tos a ní­vel mun­di­al tem bai­xa­do, mas den­tro de ca­da país tem au­men­ta­do, so­bre­tu­do nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos. Is­to acon­te­ce por­que, à me­di­da que a in­dús­tria e al­guns ser­vi­ços se des­lo­ca­li­zam dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos pa­ra os me­nos de­sen­vol­vi­dos, es­tes in­dus­tri­a­li­zam-se e cres­cem, re­ti­ran­do da an­te­ri­or mi­sé­ria mi­lhões e mi­lhões de pes­so­as (ve­ja-se a Chi­na, qua­se to­dos os paí­ses do su­des­te asiá­ti­co e a Ín­dia), mas ao cus­to de des­truí­rem ren­di­men­tos e mo­dos de vi­da de mui­tas pes­so­as de ní­vel so­ci­al bai­xo e mé­dio nos paí­ses oci­den­tais – e a imi­gra­ção aca­ba por ter efei­tos se­me­lhan­tes.

Fal­ta de res­pos­ta

Es­tas ten­dên­ci­as têm dé­ca­das, pe­lo que a atu­al va­ga de con­tes­ta­ção ao ‘es­ta­blish­ment’ não sur­pre­en­de. É por is­so que va­le a pe­na per­gun­tar se as ame­a­ças à de­mo­cra­cia não vêm tan­to dos no­vos mo­vi­men­tos quan­to da in­ca­pa­ci­da­de dos sis­te­mas po­lí­ti­cos tra­di­ci­o­nais pa­ra dar res­pos­ta aos pro­ble­mas dos mais afe­ta­dos pe­la glo­ba­li­za­ção. Afi­nal, tam­bém foi a res­pos­ta ‘po­pu­lis­ta’ dos re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos oci­den­tais que le­vou ao de­sen­vol­vi­men­to dos es­ta­dos-pro­vi­dên­cia a par­tir dos anos 30, fa­zen­do com que os sis­te­mas ca­pi­ta­lis­tas e de­mo­crá­ti­cos con­se­guis­sem in­te­grar os gru­pos so­ci­ais ago­ra de­ca­den­tes. E as­sim che­ga­mos à gran­de ques­tão pa­ra o fu­tu­ro pró­xi­mo: tra­rão es­tes mo­vi­men­tos uma ne­ces­sá­ria on­da de re­for­ma de que re­sul­ta­rá,emúl­ti­ma ins­tân­cia, o re­for­ço das de­mo­cra­ci­as, ou tra­rão ape­nas a sua des­trui­ção? Não é fá­cil sa­ber, mas de uma coi­sa po­de­mos ter a cer­te­za: na­da fi­ca­rá co­mo dan­tes.

“Co­mo não se con­se­gue com­pre­en­der is­to, cha­ma-se-lhe po­pu­lis­mo e de­cre­ta-se que é um pe­ri­go pa­ra a de­mo­cra­cia”

“De­si­gual­da­de de ren­di­men­tos na mai­or par­te dos paí­ses oci­den­tais es­tá ho­je a ní­veis idên­ti­cos aos anos 30 e 40”

“Es­quer­da tem-se vis­to ul­tra­pas­sa­da pe­la no­va di­rei­ta no seu ter­re­no e de­ses­pe­ra com is­so” Lu­ci­a­no Amaral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.