De­sa­fi­os pa­ra a Eu­ro­pa

União ame­a­ça­da por Bre­xit e po­pu­lis­mos

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - MUNDO - Al­fre­do Lei­te CO­OR­DE­NA­DOR-GE­RAL DI­GI­TAL

Há uma sen­sa­ção cres­cen­te de des­mo­ro­na­men­to da Eu­ro­pa, tal co­mo a co­nhe­ce­mos ho­je, e a cul­pa não é só do rei­no que nos co­me­çou a de­su­nir. O Bre­xit bri­tâ­ni­co é ape­nas a pon­ta de um ice­berg de in­de­fi­ni­ções e con­tra­di­ções que atin­giu a união da Eu­ro­pa em 2018 e que vai ine­vi­ta­vel­men­te agra­var-se no pró­xi­mo ano. 2019 ar­ran­ca com o Rei­no Uni­do em pro­ces­so avan­ça­do de di­vór­cio mais ou me­nos ami­gá­vel com a União Eu­ro­peia (UE), do qual não sai­rá bem Bru­xe­las, e Lon­dres ain­da me­nos. A lí­der bri­tâ­ni­ca, Theresa May,po­de ter con­se­gui­do es­ca­par a um lin­cha­men­to po­lí­ti­co, mas di­fi­cil­men­te dei­xa­rá de ser pe­na­li­za­da a mé­dio pra­zo por um acor­do de saí­da que tam­bém es­tá a di­vi­dir os bri­tâ­ni­cos. Qui­se­ra, no en­tan­to, ser o Bre­xit o úni­co pro­ble­ma da Eu­ro­pa e o ca­so po­de­ria ser me­nos gra­ve. Só que o ve­lho con­ti­nen­te tem ou­tros de­sa­fi­os pe­la fren­te.

Con­tro­lar a Jus­ti­ça

No fi­nal de 2018 sou­be-se que a Ro­mé­nia (que vai as­su­mir a pre­si­dên­cia ro­ta­ti­va da UE em 2019) pre­ten­de al­te­rar a sua mol­du­ra pe­nal pa­ra sal­var a pe­le de po­lí­ti­cos que es­tão a ser in­ves­ti­ga­dos por cor­rup­ção. Não é o úni­co Es­ta­do-mem­bro a qu­e­rer in­ter­fe­rir na Jus­ti­ça. Apo­ló­nia es­tá de­bai­xo de fo­go ao in­sis­tir na re­for­ma do Su­pre­mo Tri­bu­nal pa­ra do­tar es­te ór­gão com mem­bros mais pró­xi­mos do par­ti­do do Go­ver­no.

Itá­lia e Es­pa­nha

No ano em que po­pu­lis­mos vá­ri­os co­me­ça­ram a des­per­tar em la­ti­tu­des que se jul­ga­vam im­pro­vá­veis (o Bra­sil te­rá si­do o ca­so mais sur­pre­en­den­te), tam­bém a Itá­lia abriu uma fren­te hos­til em Bru­xe­las ao re­cu­sar al­te­rar um or­ça­men­to que não con- tem­pla a re­du­ção da dí­vi­da nem os ajus­tes do dé­fi­cit, o que, cla­ra­men­te, vi­o­la as re­gras da UE. A afron­ta dos eu­ro­cé­ti­cos no po­der em Ro­ma es­ten­deu-se à ado­ção de po­lí­ti­cas de imi­gra­ção po­lé­mi­cas, o que co­lo­ca Itá­lia nu­ma ro­ta de co­li­são com Bru­xe­las que po­de co­nhe­cer pe­ri­go­sos de­sen­vol­vi­men­tos em 2019. Em Es­pa­nha, o ano tur­bu­len­to foi só uma an­te­ci­pa­ção do pi­or que po­de ain­da vir. A cor­rup­ção aca­ba­ria por der­ru­bar Ma­ri­a­no Ra­joy, do Par­ti­do Po­pu­lar, e le­var o so­ci­a­lis­ta Pe­dro Sán­chez ao po­der. Sem mai­o­ria, apoi­a­do por uma ge­rin­gon­ça ain­da mais he­te­ro­gé­nea do que a por­tu­gue­sa, o PSOE tem go­ver­na­do atra­vés de avan­ços e re­cu­os, ten­do co­mo prin­ci­pal in­ter­lo­cu­tor o Po­de­mos. Os equi­lí­bri­os têm si­do com­ple­xos e a re­a­li­za­ção de elei­ções an­te­ci­pa­das no ano que co­me­ça pa­re­ce ser uma ine­vi­ta­bi­li­da­de. Se ades-

cren­ça nos par­ti­dos do sis­te­ma já ti­nha le­va­do o Po­de­mos a um pa­pel re­le­van­te na frá­gil ge­rin­gon­ça, 2018 foi um ano his­tó­ri­co pa­ra a ex­tre­ma-di­rei­ta, com o emer­gen­te Vox a che­gar ao par­la­men­to da An­da­lu­zia.

França de ama­re­lo

França saiu à rua pin­ta­da de ama­re­lo no fi­nal do ano pa­ra exi­gir me­nos im­pos­tos, aco­lhi­men­to aos imi­gran­tes e apoio à in­dús­tria e ao co­mér­cio. As exi­gên­ci­as re­fle­tem o es­sen­ci­al dos pro­ble­mas fran­ce­ses e co­lo­cam em cau­sa as re­for­mas tí­mi­das de Em­ma­nu­el Ma­cron, que ar­ran­ca 2019 com for­te con­tes­ta­ção so­ci­al.

Ale­ma­nha sem Mer­kel

Na Ale­ma­nha, a chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel vai aban­do­nar a car­rei­ra po­lí­ti­ca no fi­nal do atu­al man­da­to. A de­ci­são foi to­ma­da após as elei­ções pa­ra o par­la­men­to re­gi­o­nal de Hess que pe­na­li­za­ram a CDU. É uma re­ti­ra­da his­tó­ri­ca da mu­lher que foi a prin­ci­pal cons­tru­to­ra de con­sen­sos den­tro da UE. Em 2019, com a pro­vá­vel mul­ti­pli­ca­ção de po­pu­lis­tas vá­ri­os e o au­men­to da des­con­fi­an­ça fa­ce a es­ta Eu­ro­pa, Mer­kel vai fa­zer fal­ta.

Trump e #me­too

Não é só den­tro de por­tas que a Eu­ro­pa en­fren­ta cri­ses. 2018 foi o ano da ru­tu­ra co­mer­ci­al com os Es­ta­dos Uni­dos de Do­nald Trump, após a im­po­si­ção por Washing­ton de ta­xas so­bre a im­por­ta­ção de aço e alu­mí­nio eu­ro­peus. Es­ta foi uma das mui­tas fren­tes em Trump se viu en­vol­vi­do e nem é se­gu­ra­men­te a mais re­le­van­te da sua tur­bu­len­ta agen­da. A sa­ga con­tra os imi­gran­tes e a ob­ses­são pe­la cons­tru­ção me­ga­ló­ma­na de um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co le­vou a que os EUA ti­ves­sem ter­mi­na­do o ano num ‘shut­down’ Ou se­ja, ser­vi­ços pú­bli­cos fe­cha­ram por fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to e fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do fi­ca­ram pa­ra ca­sa sem sa­lá­rio. É uma si­tu­a­ção par­ti­cu­lar nos EUA, on­de ver­bas fi­cam con­ge­la­das sem­pre que não há apro­va­ção do Or­ça­men­to no Con­gres­so. Co­mo Trump viu re­cu­sa­dos os 5 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra o seu mu­ro de­cla­rou o ‘shut­down’, que du­ra­rá até que uma das par­tes ce­da. Nos Es­ta­dos Uni­dos es­te foi o ano do #me­too (eu tam­bém), um mo­vi­men­to de de­nún­ci­as vá­ri­as de as­sé­dio se­xu­al e abu­sos con­tra mu­lhe­res que ra­pi­da­men­te con­ta­gi­ou o Mun­do ou, pe­lo me­nos, a par­te de­le que esp e ra d a s o c i e d a d e u ma inequí­vo­ca igual­da­de de gé­ne­ro.

A for­ça das ‘fa­ke news’

O ano que fin­da foi pró­di­go em no­tí­ci­as fal­sas. As ‘fa­ke n ews ’ p ro ta go n i s ta s d a elei­ção de Trump con­ti­nu­a­ram fer­ra­men­ta útil da con­train­for­ma­ção rus­sa e vol­ta­ram a fa­zer es­tra­gos com Bol­so­na­ro no Bra­sil. O veí­cu­lo da re­a­li­da­de tra­ves­ti­da tem si­do o Fa­ce­bo­ok, mas a ver­da­de al­ter­na­ti­va es­tá a pre­fe­rir o What­sapp. Os ser­vi­ços de men­sa­gens es­tão a ame­a­çar o rei­no de Zuc­ker­berg que, de­pois da Cam­brid­ge Analy­ti­ca, vol­tou a es­tar sob sus­pei­ta ao dar aces­so a da­dos pes­so­ais dos uti­li­za­do­res a vá­ri­as em­pre­sas, co­mo Spo­tify, Airbnb ou Net­flix.

Exem­plo an­go­la­no

Em An­go­la, 2018 foi tem­po de ru­tu­ra. Quan­do, em se­tem­bro de 2017, o pre­si­den­te elei­to, João Lou­ren­ço, ini­ci­ou a lim­pe­za do apa­re­lho de Es­ta­do, mui­tos des­con­fi­a­ram. O ano que ago­ra ter­mi­na ti­rou mui­tas dú­vi­das. O no­vo che­fe de Es­ta­do em Lu­an­da pa­re­ce de­fi­ni­ti­va­men­te em­pe­nha­do no com­ba­te à cor­rup­ção, con­tra tu­do e to­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.