OS HÁ­BI­TOS PO­SI­TI­VOS

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - CRÓNICA - FER­NAN­DO ILHAR­CO PRO­FES­SOR UNI­VER­SI­TÁ­RIO

O me­lhor há­bi­to é ser-se po­si­ti­vo em ge­ral. Os op­ti­mis­tas vi­vem me­lhor, sen­tem-se bem, têm me­lhor sa­tis­fa­ção com a vi­da e mais su­ces­so pro­fis­si­o­nal. Além dis­so, diz a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, vi­vem mais tem­po. Os op­ti­mis­tas gos­tam de fa­zer pla­nos, de an­te­ci­par si­tu­a­ções, se­ja um no­vo pro­jec­to pro­fis­si­o­nal, se­ja ir ver um fil­me ou dar um pas­seio. Pla­ne­ar e es­tar ocu­pa­do são há­bi­tos po­si­ti­vos, du­as fa­ces da mes­ma mo­e­da. A po­si­ti­vi­da­de é um há­bi­to e to­dos po­de­mos tor­nar-nos mais po­si­ti­vos. Olhe­mos pa­ra há­bi­tos de pes­so­as que assumem es­tar bem com a vi­da, se­rem op­ti­mis­tas e fe­li­zes. Co­me­çar bem o dia, é im­por­tan­te. Apro­vei­tar a ener­gia e a pro­du­ti­vi­da­de das pri­mei­ras ho­ras do dia. Ao dei­tar é po­si­ti­vo lem­brar as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as do dia, da se­ma­na, do ano que pas­sou. Bem co­mo mos­trar­mo-nos gra­tos pe­lo que de bom nos to­cou, e pla­ne­ar­mos pa­ra a fren­te. Me­xer­mo-nos, an­dar, fa­zer exer­cí­cio tam­bém é bom pa­ra nos sen­tir­mos bem. Fa­ci­li­tar a ac­ti­vi­da­de fí­si­ca, pra­ti­car al­go que gos­te­mos, num lo­cal e num ho­rá­rio que se en­qua­drem bem com as nos­sas ro­ti­nas. As pes­so­as fe­li­zes aju­dam os ou­tros. Aju­dar, não só ge­ra uma gra­ti­fi­ca­ção ins­tan­tâ­nea, co­mo quem aju­da, quan­do pre­ci­sar, mais fa­cil­men­te se­rá aju­da­do. A in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca re­fe­re que quem mais aju­da é quem vi­ve me­lhor e mais tem­po.

Ter ob­jec­ti­vos é igual­men­te um há­bi­to po­si­ti­vo, im­por­tan­te pa­ra nos sen­tir­mos bem e ter­mos uma vi­da sig­ni­fi­ca­ti­va. As­su­mir desafios exi­gen­tes, mas pos­sí­veis; na vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al.

Ou­tro há­bi­to das pes­so­as fe­li­zes e de bem com a vi­da, que tem um imen­so po­der, é o de apren­der, de ter dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra apren­der, que­rer de­sen­vol­ver-se e cres­cer co­mo pes­soa.

Mui­tas ve­zes os há­bi­tos são ape­nas pe­que­nas mu­dan­ças, não são re­vo­lu­ções. Mas mu­dam a pers­pec­ti­va de co­mo vi­ve­mos. Li­gue-se a pe­que­nas coi­sas. Não pro­cu­re o acon­te­ci­men­to mi­ra­cu­lo­so que mu­da tu­do, mas os pe­que­nos ges­tos e factos do dia a dia. Apre­cie o que de bom acon­te­ce, gran­de ou pe­que­no, ou mui­to pe­que­no. Se­ja gra­to. Na dú­vi­da, en­tre pa­gar na mes­ma mo­e­da ou ser bon­do­so, se­ja bon­do­so, agra­dá­vel com os ou­tros; é vo­cê mes­mo o be­ne­fi­ciá­rio des­sa po­si­ti­vi­da­de.

Há­bi­to de pes­so­as po­si­ti­vas é tam­bém acei­tar as res­pon­sa­bi­li­da­des e as­su­mir os er­ros. É im­por­tan­te sa­ber per­do­ar e sa­ber per­do­ar-se; tu­do po­de­ria sem­pre ter si­do fei­to me­lhor, por is­so não se­ja de­ma­si­a­do du­ro con­si­go. A ama­bi­li­da­de que quer ter com ou­tros te­nha-a tam­bém con­si­go. Con­cluin­do, há­bi­tos po­si­ti­vos pa­ra 2019: sim­pa­tia e ama­bi­li­da­de, pla­ne­ar e man­ter-se ocu­pa­do, ser bon­do­so e ale­grar-se com as pe­que­nas coi­sas, apren­der com os er­ros e não ser de­ma­si­a­do du­ro con­si­go mes­mo. Ga­nhe há­bi­tos po­si­ti­vos e vai ter mais bem-es­tar.

AN­TI­GA ORTOGRAFIA

A po­si­ti­vi­da­de é um há­bi­to que se po­de trei­nar pa­ra ter mais bem-es­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.