“A LU­TA NUN­CA PRE­JU­DI­COU OS ALU­NOS”

Se­cre­tá­rio-ge­ral da fe­de­ra­ção dos pro­fes­so­res diz que ape­sar de não dar au­las há 25 anos co­nhe­ce os pro­ble­mas

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - FOGO CRUZADO -

NÃO LE­CI­O­NA HÁ MAIS DE 25 ANOS. CO­MO PO­DE SEN­TIR OS PRO­BLE­MAS DE QUEM RE­PRE­SEN­TA? Es­tan­do com os meus co­le­gas na es­co­la e com mi­lha­res de ou­tros, ao lon­go do ano, que co­mi­go reú­nem e con­ver­sam, fa­zen­do-me sen­tir os pro­ble­mas e, tan­tas ve­zes, os dra­mas da pro­fis­são e, até, os pes­so­ais. O me­lhor de tu­do é sen­tir a for­ma mui­to po­si­ti­va co­mo a ge­ne­ra­li­da­de dos co­le­gas que en­con­tro, a mai­or par­te dos quais nun­ca vi, se re­vê na mi­nha in­ter­ven­ção e co­mo me ele­gem pa­ra con­ti­nu­ar a as­su­mir a sua re­pre­sen­ta­ção.

POR QUE É QUE OS PRO­FES­SO­RES SÃO CON­TRA A PRÓ- PRIA AVA­LI­A­ÇÃO?

Is­so é um­mi­to. Os pro­fes­so­res não são con­tra a sua ava­li­a­ção. De­fen­dem uma ava­li­a­ção for­ma­ti­va que per­mi­ta cor­ri­gir di­fi­cul­da­des de de­sem­pe­nho pro­fis­si­o­nal e com im­pli­ca­ção na car­rei­ra. O que não acei­tam é que, sen­do a pro­fis­são al­ta­men­te es­pe­ci­a­li­za­da e os pro­fis­si­o­nais de­ten­to­res de ele­va­da qua­li­fi­ca­ção, a sua ava­li­a­ção de­pen­da de um­qual­quer ig­na­ro que se ache en­ten­di­do na ma­té­ria.

CO­MO VÊ O VE­TO DO PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA AO DI­PLO­MA QUE RE­CU­PE­RA­VA PAR­TE DO TEM­PO CON­GE­LA­DO NAS CAR­REI­RAS DOS PRO­FES­SO­RES? Uma de­ci­são cor­re­ta, ten­do em con­ta a in­jus­ti­ça que es­ta­va a ser co­me­ti­da, o de­sa­cor­do ma­ni­fes­ta­do à es­quer­da e à di­rei­ta, tam­bém o pro­ve­ni­en­te das Re­giões Au­tó­no­mas, e ain­da as ile­ga­li­da­des em que o Go­ver­no in­cor­reu pa­ra im­por a sua von­ta­de.

DE­RAM UM MÊS AO GO­VER­NO PA­RA RE­SOL­VER O PRO­BLE­MA. SE NÃO HOU­VER ACOR­DO, QUE TI­PO DE PRO­TES­TOS VÃO FA­ZER?

Um mês em ci­ma de um ano, es­cla­re­ça-se. Se o pro­ble­ma não for re­sol­vi­do não te­re­mos pro­tes­tos, mas lu­ta rei­vin­di­ca­ti­va, ou se­ja, não ire­mos pro­tes­tar, mas exi­gir. Quan­to às ações con­cre­tas, os pro­fes­so­res de­ci­di­rão e em tem­po ade­qua­do se­rão anun­ci­a­das. ATÉ ON­DE PO­DE IR A LU­TA DOS PRO­FES­SO­RES?

Não é pre­o­cu­pa­ção que, pa­ra já, nos ocu­pe tem­po. Es­ta­mos con­ven­ci­dos de que mais ce­do do que tar­de o pro­ble­ma es­ta­rá re­sol­vi­do.

QUEM É QUE TEM SAÍ­DO MAIS PRE­JU­DI­CA­DO COM AS GRE­VES: OS ALU­NOS

OU O GO­VER­NO?

Os pro­fes­so­res, ape­sar de lu­ta­rem mui­to, nun­ca pre­ju­di­ca­ram os alu­nos. Quem mais tem pre­ju­di­ca­do os alu­nos têm si­do os go­ver­nos com as su­as po­lí­ti­cas. A lu­ta dos pro­fes­so­res tem aju­da­do a re­sol­ver pro­ble­mas, o que é bom pa­ra me­lho­rar as con­di­ções de apren­di­za­gem dos alu­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.