CIRQUE DU SOLEIL ENCANTA LIS­BOA

Pre­ci­são mi­li­mé­tri­ca num cir­co com chei­ro a Bra­sil que é uma ale­gria pa­ra os sen­ti­dos

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - IMPERDÍVEL -

Quan­do o mun­do dos pa­lha­ços e dos acro­ba­tas se cru­za com os rit­mos da Amé­ri­ca La­ti­na pa­ra con­tar uma his­tó­ria de amor en­tre uma jo­a­ni­nha e uma mos­ca, o re­sul­ta­do é ‘Ovo’, o mais re­cen­te es­pe­tá­cu­lo do Cirque du Soleil, que es­tá no MEO Are­na, em Lis­boa, até ao pró­xi­mo dia 13.

Quem en­tra pa­ra as du­as ho­ras da ses­são de cir­co di­fi­cil­men­te tem no­ção da má­qui­na bem ole­a­da que é a com­pa­nhia ca­na­di­a­na. Iti­ne­ran­te por ex­ce­lên­cia, percorre o Mun­do com tu­do o que é ne­ces­sá­rio pa­ra mon­tar um dos mais con­cei­tu­a­dos es­pe­tá­cu­los do gé­ne­ro.

Na atu­al di­gres­são pe­la Eu­ro­pa, 24 ca­miões trans­por­tam uma cen­te­na de pes­so­as, en­tre ar­tis­tas e téc­ni­cos, fa­tos e ade­re­ços pro­du­zi­dos em Mon­tre­al, no Ca­na­dá, um gi­ná­sio, uma co­zi­nha guar­ne­ci­da por cin­co co­zi­nhei­ros e até uma la­van­da­ria.

Os pro­ta­go­nis­tas

E tu­do ga­nha for­ma em me­nos de um dia. Des­de que che­ga à sa­la que o aco­lhe, o Cirque du Soleil pre­ci­sa de ape­nas 12 ho­ras pa­ra fa­zer da­que­la a sua ca­sa por uma ou du­as se­ma­nas. À ex­ce­ção das ins­ta­la­ções e da cor­ren­te elé­tri­ca, tu­do o res­to é le­va­do de país em país. “É um puzz­le gi­gan­te”, diz a di­re­to­ra de pro­du­ção, He­ather Reilly. Pa­ra des­mon­tar a ten­da e se­guir vi­a­gem é ne­ces­sá­rio pou­co mais de três ho­ras. Mas mais im­por­tan­te do que a lo­gís­ti­ca as­so­ci­a­da são as pes­so­as que faz e m a ma­gia d o c ir c o acon­te­cer.

Julia Taz­zi é a voz des­te es­pe­tá­cu­lo. Ar­tís­ti­ca lí­ri­ca des­de os 12 anos, can­tou ópe­ra em igre­jas até aos 16, foi vo­ca­lis­ta de vá­ri­as ban­das e par­ti­ci­pou até no pro­gra­ma te­le­vi­si­vo ‘The Voi­ce Bra­sil’, em 2013. Nes­sa al­tu­ra já fa­zia par­te do le­que de can­to­ras com voz de so­pra­no que o Cirque tem em car­tei­ra e que cha­ma pa­ra as au­di­ções. Mas to­das as opor­tu­ni­da­des eram de­ma­si­a­do lon­ge de Sal­va­dor, no Bra­sil. Uma au­di­ção on­li­ne mu­dou-lhe a vi­da e há três anos Julia Taz­zi tor­nou-se “a pri­mei­ra can­to­ra bra­si­lei­ra a par­ti­ci­par no Cirque du Soleil em 35 anos”. E lo­go nes­te es­pe­tá­cu­lo, que tem as­su­mi­da­men­te uma for­te ma­triz mu­si­cal bra­si­lei­ra. “É um acon­che­go. Uma for­ma de re­pre­sen­tar o meu país e de le­var os rit­mos bra­si­lei­ros pa­ra o Mun­do”, con­ta à ‘Do­min­go’ a can­to­ra que se mu­dou com a fa­mí­lia pa­ra Portugal há dois anos. Des­ta for­ma, Julia con­se­gue vi­a­jar pa­ra jun­to do ma­ri­do e do fi­lho, de 7 anos, nas fol­gas se­ma­nais da di­gres­são pe­la Eu­ro­pa.

“Es­sa é a par­te di­fí­cil do tra­ba­lho”, de­sa­ba­fa Mar­qui­nho da Luz. Tam­bém ele in­te­gra a equi­pa de mú­si­cos – é o per­cus­si­o­nis­ta de ser­vi­ço, tam­bém ele bra­si­lei­ro de Sal­va­dor, on­de tem os dois fi­lhos e pa­ra on­de ten­ci­o­na vol­tar nos pró­xi­mos anos. Mas há mais do que Bra­sil nes­te ‘Ovo’. Em di­gres­são es­tão ar­tis­tas de 20 na­ci­o­na­li­da­des - e com elas vem tam­bém o pro­ble­ma da lín­gua. A mai­o­ria co­mu­ni­ca em in­glês, mas, pa­ra quem não do­mi­na aque­le idi­o­ma, a com­pa­nhia pro­por­ci­o­na cur­sos e até tra­du­to­res. Mui­tas ve­zes são os com­pa­tri­o­tas que ser­vem de pon­te, por­que mui­tos de­les fa­lam mais do que uma lín­gua.

É o ca­so de Aru­na Ba­taa, a con­tor­ci­o­nis­ta que nas­ceu na Mon­gó­lia mas que do­mi­na o por­tu­guês. Mu­dou-se pa­ra o Bra­sil ain­da em cri­an­ça com a fa­mí­lia. “O meu pai e o meu avô são do cir­co tra­di­ci­o­nal. Eu via as con­tor­ci­o­nis­tas e os acro­ba­tas e sou­be des­de ce­do que que­ria fa­zer par­te des­te mun­do”, diz a fle­xí­vel ara­nha-bran­ca do es­pe­tá­cu­lo ‘Ovo’. Nos bas­ti­do­res é ins­tru­to­ra de pi­la­tes. Há dez anos a fa­zer par­te da “fa­mí­lia do cir­co”, ad­mi­te que “em bre­ve” quer co-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.