“DE­CI­SÕES DE SPÍ­NO­LA PA­RE­CI­AM MU­DAR RUMO À GUER­RA”

En­tre as me­di­das do no­vo co­man­do es­ta­va a cons­tru­ção de uma no­va es­tra­da en­tre Bu­ba e Al­deia For­mo­sa

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - A MINHA GUERRA -

Ees­tá­va­mos no iní­cio do já lon­gín­quo ano de 1969. Ha­via cer­ca de um ano que o ge­ne­ral António Spí­no­la ti­nha si­do no­me­a­do Go­ver­na­dor do Co­man­do Ter­ri­to­ri­al In­de­pen­den­te da Gui­né (CTIG). Com a sua che­ga­da, al­gu­mas de­ci­sões pa­re­ci­am que­rer mu­dar o rumo da guer­ra, cu­jo iní­cio ti­nha si­do seis anos an­tes an­tes, em 1963. Eu ti­nha as­sen­ta­do pra­ça a 4 de Ja­nei­ro de 1967, no Re­gi­men­to de Ca­ça­do­res nº5 em Cal­das da Rai­nha, on­de fre­quen­tei o Cur­so de Sar­gen­tos Mi­li­ci­a­nos. De­pois de pas­sar pe­los aquar­te­la­men­tos de EPSM de Sa­ca­vém, CICA 3 em Elvas, DGMG em Bei­ro­las, RI2 em Abrantes, a 13 de Se­tem­bro fui mo­bi­li­za­do pa­ra­a­gui­né na­com­pa­nhia de Ca­ça­do­res 2382, com o pos­to de fur­ri­el mi­li­ci­a­no. Em­bar­quei no ‘Ni­as­sa’ a 1 de Maio des­se ano e che­ga­mos a Bis­sau no dia 6. Na Gui­né es­ti­ve nos aquar­te­la­men­tos de Brá, Bu­la, Al­deia For­mo­sa (Qu­e­bo) e Bu­ba, e por pro­pos­ta do Co­man­dan­te de Com­pa­nhia fui lou­va­do pe­lo Co­man­dan­te do Ba­ta­lhão de Ar­ti­lha­ria 2866 ao qual a com­pa­nhia esteve adi­da.

Pas­sa­da Lar­ga

No ano de 1969, uma das de­ci­sões de António Spí­no­la foi a cons­tru­ção de uma no­va es­tra­da en­tre as lo­ca­li­da­des de Bu­ba e Al­deia For­mo­sa (atu­al Qu­e­bo). A es­tra­da exis­ten­te nu­ma ex­ten­são de 40 qui­ló­me­tros, era mui­to si­nu­o­sa e atra­ves­sa­va lo­cais bas­tan­te pan­ta­no­sos.

As­sim foi no iní­cio da­que­le ano de 1969 que co­me­çou a cons­tru­ção de uma no­va es­tra­da que a ní­vel mi­li­tar pas­sou a ser de­sig­na­da ope­ra­ção ‘Pas­sa­da Lar­ga’. Foi um tra­ba­lho di­fí­cil e mui­to arriscado uma vez que to­dos os di­as o ini­mi­go mi­na­va a es­tra­da e mon­ta­va em­bos­ca­das. Na se­gu­ran­ça, pa­ra além de ou­tros mei­os de apoio es­ti­ve­ram en­vol­vi­das as Com­pa­nhi­as 2381, 2382, 2317, 2414 e a 15ª Com­pa­nhia de Co­man­dos.

Cons­truí­do cer­ca de quin­ze qui­ló­me­tros op­tou-se por mon­tar um acam­pa­men­to nu­ma­zo­na­cha­ma­da Sam­ba Sa­ba­li que, no dia 25 de Mar­ço da­que­le ano, foi al­vo de um ata­que do qual re­sul­tou a mor­te de um sol­da­do na­ti­vo e 12 fe­ri­dos, al­guns co­mu­ma­cer­ta gra­vi­da­de. Era noi­te e a eva­cu­a­ção não era fá­cil.

No aquar­te­la­men­to de Bu­ba vi­via-se o dra­ma da­que­les que es­ta­va­men­tre a vi­da e a mor­te, era noi­te mas a eva­cu­a­ção pa­ra o hos­pi­tal de Bis­sau, ex­ce­ci­o­nal­men­te só po­de­ria fa­zer-se a par­tir da­li. Em ca­sos nor­mais, as eva­cu­a­ções aé­re­as eram efe­tu­a­das du­ran­te o dia.

Era arriscado mas ha­via que to­mar uma de­ci­são. As­sim, os Co­man­dan­tes Ma­jor Car­los Fa­bião e o Ca­pi­tão Car­los Nery Araú­jo re­cor­re­ram a vo­lun­tá­ri­os pa­ra, nu­ma ope­ra­ção re­lâm­pa­go, tra­zer aque­les fe­ri­dos até Bu­ba. To­dos es­ta­vam sen­si­bi­li­za­dos, to­dos sa­bi­am o pe­ri­go que cor­ri­am, mas en­tre os nos­sos bra­vos sol­da­dos não faltaram vo­lun­tá­ri­os que qua­se es­go­ta­ram a lo­ta­ção das qua­tro vi­a­tu­ras que in­te­gra­ram es­sa co­lu­na mi­li­tar, com os pró­pri­os co­man­dan­tes a dar o exem­plo.

Era há­bi­to em qual­quer co­lu­na de­sig­nar a pri­mei­ra vi­a­tu­ra de “re­ben­ta mi­nas”, des­ta vez es­ta foi con­du­zi­da por um dos con­du­to­res vo­lun­tá­ri­os, não me re­cor­do se pe­lo Her­mí­nio Mar­ques ou se pe­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.