A

Correio da Manha - Domingo (Cofina) - - OS MEUS NETOS -

es­cri­to­ra foi avó pe­la pri­mei­ra vez há 23 anos. Ali­ce Vi­ei­ra, ho­je em dia com 75, re­cor­da a von­ta­de que ti­nha em ter ne­tos e de co­mo in­sis­tiu com o fi­lho: “Fe­liz­men­te, ele que­ria ter fi­lhos e um ano de­pois de se ca­sar nas­ceu a Adri­a­na. Foi uma lou­cu­ra.” A es­cri­to­ra, que se es­tre­ou em 1979 com ‘Ro­sa, mi­nha ir­mã Ro­sa’, su­bli­nha, no en­tan­to, que nun­ca foi uma “avó a di­as” e que a sua ca­sa, co­mo a de to­das as avós, “não de­ve ser o prolongamento do ATL (ati­vi­da­de de tem­pos li­vres)”, em­bo­ra sai­ba que pa­ra mui­tas fa­mí­li­as “não exis­te ou­tra al­ter­na­ti­va”. “Em ca­sa da avó de­ve ser ou­tra vi­da. Lem­bro-me que, por exem­plo, ti­nha uma pis­ci­na com­pra­da ‘nos chi­ne­ses’ no chão da sa­la. E ela [Adri­a­na] di­zia-me: ‘Avó, es­tou há mui­to tem­po den­tro de água, pre­ci­so de apa­nhar sol’ e le­van­ta­va-se pa­ra se dei­tar no chão da sa­la”, con­ta a rir quem ain­da jo­gou com os ne­tos, saiu à rua pa­ra ir a mu­seus ou até pa­ra lhes “mos­trar os lu­ga­res on­de na­mo­rei com o avô de­les”.

Ge­ra­ção de per­meio

Ali­ce Vi­ei­ra lem­bra João dos San­tos, o pe­dop­si­qui­a­tra e pe­da­go­go (1913-1987) que de­fen­dia que “ne­nhu­ma cri­an­ça so­bre­vi­ve sem uma avó”. “O pro­fes­sor de­fen­dia a im­por­tân­cia da ge­ra­ção de per­meio. Com os nos­sos ne­tos fa­la­mos de coi­sas que não fa­lá­mos com os fi­lhos. Eu, por exem­plo, sei tu­do da Adri­a­na e ela sa­be tu­do so­bre mim.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.