CONSULTÓRIO SE­XU­AL

“En­vol­vi-me com um ra­paz a quem fiz se­xo oral, e ele te­ve um or­gas­mo em me­nos de um mi­nu­to. Ele fi­cou mui­to sur­pre­en­di­do, e eu fi­quei sem per­ce­ber se de­via ter con­ti­nu­a­do. É nor­mal um ho­mem ter um or­gas­mo em tão pou­co tem­po?”

Correio da Manha - Vidas - - NA VIDAS: - FRAN­CIS­CA, CO­VI­LHÃ

Ma­ria Helena res­pon­de às dú­vi­das se­xu­ais dos leitores

Ca­ra lei­to­ra, nun­ca é de­mais lem­brar que as re­la­ções se­xu­ais des­pro­te­gi­das tra­zem ris­cos pa­ra a saú­de, mes­mo tra­tan­do-se de se­xo oral. Pe­lo seu tes­te­mu­nho dá a en­ten­der que se en­vol­veu se­xu­al­men­te com um ra­paz com quem ain­da não ti­nha ti­do in­ti­mi­da­de fí­si­ca, sen­do de re­fe­rir que de­ve usar pre­ser­va­ti­vo. Em re­la­ção à sua ques­tão, há inú­me­ros fa­to­res que con­tri­bu­em pa­ra o tem­po que uma pes­soa – ho­mem ou mu­lher – le­va a atin­gir o or­gas­mo, pois es­te re­sul­ta de re­a­ções fí­si­cas e emo­ci­o­nais que va­ri­am em fun­ção do mo­men­to e dos par­cei­ros en­vol­vi­dos. As­sim, a co­mu­ni­ca­ção en­tre o ca­sal é não só fun­da­men­tal co­mo é tam­bém a me­lhor for­ma de com­pre­en­der aqui­lo que re­al­men­te sa­tis­faz am­bos os par­cei­ros. É im­por­tan­te sa­ber se es­ta si­tu­a­ção é re­cor­ren­te ou se ape­nas acon­te­ceu con­si­go, pois uma eja­cu­la­ção pre­co­ce po­de in­di­ci­ar pro­ble­mas que o seu par­cei­ro de­ve tra­tar com o mé­di­co.

“Não sou ca­paz de eja­cu­lar!”

“Já ti­ve várias par­cei­ras se­xu­ais e sem­pre eja­cu­lei. Não te­nho di­fi­cul­da­de al­gu­ma em ter uma ere­ção. No en­tan­to, te­nho uma na­mo­ra­da no­va, por quem es­tou apai­xo­na­do, e a ver­da­de é que com ela nun­ca con­si­go ter um or­gas­mo nem eja­cu­lar, nem atra­vés da mas­tur­ba­ção.” ANDRÉ, MONTEMOR-O-NO­VO

Ca­ro leitor, a pres­são que es­tá a cau­sar so­bre si pró­prio no sen­ti­do de o ‘con­se­guir’ con­tri­bui pa­ra que es­sa an­si­e­da­de ain­da di­fi­cul­te mais a si­tu­a­ção. As­sim, con­vém per­ce­ber se é es­se o seu ca­so, pois se con­se­gue eja­cu­lar quan­do es­tá so­zi­nho a pres­são que sen­te uma vez que es­tá apai­xo­na­do pe­la sua na­mo­ra­da po­de es­tar a ser o mo­ti­vo pa­ra es­sa di­fi­cul­da­de. Apren­da a des­con­trair quan­do es­tá com ela, pen­se que não tem de ter um or­gas­mo mas sim de des­fru­tar em ple­no, de­ten­do-se mais tem­po nos pre­li­mi­na­res e ex­plo­ran­do to­do o ti­po de to­ques e ca­rí­ci­as, pa­ra au­men­tar a sua ex­ci­ta­ção.

“Ela fi­ca mui­to lu­bri­fi­ca­da!”

“Quan­do eu e a mi­nha na­mo­ra­da te­mos re­la­ções se­xu­ais ela fi­ca ex­tre­ma­men­te lu­bri­fi­ca­da, mui­to mais do que eu, que me con­si­de­ro ‘nor­mal’, e ela fi­ca des­con­for­tá­vel.

Por­que é que is­to acon­te­ce? Se­rá al­gum pro­ble­ma de saú­de?” LUÍ­SA, AL­MA­DA

Ca­ra lei­to­ra, não há uma de­fi­ni­ção de ‘nor­mal’ em re­la­ção à lu­bri­fi­ca­ção. Pa­ra além de va­ri­ar de mu­lher pa­ra mu­lher, a quan­ti­da­de de fluí­do se­gre­ga­da atra­vés da ex­ci­ta­ção va­ria tam­bém con­so­an­te a fa­se do ci­clo mens­tru­al em que se en­con­tra. Di­e­ta, me­di­ca­men­tos, stress ou pos­sí­veis in­fe­ções tam­bém in­flu­en­ci­am a pro­du­ção de flui­dos va­gi­nais. É im­por­tan­te sa­ber se a sua na­mo­ra­da sem­pre te­ve um flu­xo abun­dan­te, e se vem acom­pa­nha­do por um odor mais for­te do que o ha­bi­tu­al, se tem al­te­ra­ções na cor ou con­sis­tên­cia. De­ve con­sul­tar o gi­ne­co­lo­gis­ta mes­mo que es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca não es­te­ja as­so­ci­a­da a ne­nhum pro­ble­ma de saú­de, pois ele po­de­rá acon­se­lhá-la so­bre pro­du­tos de hi­gi­e­ne íntima mais ade­qua­dos.

“Es­tou sem­pre com cor­ri­men­to”

“Te­nho cor­ri­men­to cons­tan­te, em gran­de quan­ti­da­de. Pre­ci­so de mu­dar de pen­so du­as ve­zes por dia, e cos­tu­mo tam­bém co­lo­car pa­pel hi­gié­ni­co so­bre o pen­so, pa­ra ab­sor­ver mais.

O que pos­so fa­zer?” TE­RE­SA, VI­LA NO­VA DE MILFONTES

Ca­ra lei­to­ra, sem­pre que há uma al­te­ra­ção sig­ni­fi­ca­ti­va em ter­mos de quan­ti­da­de de cor­ri­men­to, de odor, de cor, ou de con­sis­tên­cia é im­por­tan­te con­sul­tar ime­di­a­ta­men­te o mé­di­co pa­ra exa­mi­nar a si­tu­a­ção pois po­de tra­tar-se de uma in­fe­ção va­gi­nal, bac­te­ri­a­na, uma in­fe­ção se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel, co­mo cla­mí­dia, go­nor­reia ou sí­fi­lis. De­ve usar rou­pa in­te­ri­or con­for­tá­vel, pa­ra uma boa res­pi­ra­ção va­gi­nal e es­tar aten­ta a qual­quer al­te­ra­ção que sur­ja. Mas, pa­ra já, de­ve mes­mo ir ao mé­di­co pa­ra per­ce­ber se é uma ca­rac­te­rís­ti­ca sua ou se se tra­ta de um pro­ble­ma de saú­de. De­ve tam­bém ve­ri­fi­car se se tra­ta mes­mo cor­ri­men­to va­gi­nal ou de per­das de uri­na, que po­dem ocor­rer por in­fe­ções de be­xi­ga.

RI­CAR­DO CA­BRAL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.