Ro­nal­do Fa­mi­lia Se­pa­ra­da

O ANO ACA­BA MAIS TRIS­TE PA­RA O CRA­QUE, COM A MÃE E AS IR­MÃS LON­GE. GEORGINA VOL­TA A ES­TAR NO CEN­TRO DA PO­LÉ­MI­CA

Correio da Manha - Vidas - - PRIMEIRA PÁGINA - RU­TE LOU­REN­ÇO

Quan­do a har­mo­nia pa­re­cia ter regressado ao clã Avei­ro, um no­vo epi­só­dio vem mos­trar que a guer­ra con­ti­nua bem vi­va en­tre Do­lo­res e Georgina Ro­drí­guez. A ma­tri­ar­ca da fa­mí­lia e as ir­mãs de Ro­nal­do, El­ma e Ka­tia, fo­ram ex­cluí­das do Na­tal de Tu­rim, on­de só hou­ve lu­gar pa­ra o cra­que, a com­pa­nhei­ra e os fi­lhos. Um ce­ná­rio que dei­xa a mãe do por­tu­guês ca­da vez mais tris­te e de­si­lu­di­da com as ati­tu­des da no­ra...

Do­lo­res Avei­ro es­tá ca­da vez mais au­sen­te do dia a dia do fi­lho e dos ne­tos em Tu­rim, Itá­lia En­quan­to Ro­nal­do pas­sou a qua­dra fes­ti­va com Gio e os fi­lhos, a mãe per­ma­ne­ceu na Ma­dei­ra

Cris­ti­a­no Ro­nal­do co­mo­veu os fãs ao vi­si­tar uma cri­an­ça in­ter­na­da com leu­ce­mia du­ran­te o Na­tal, em Tu­rim, e tam­bém ao par­ti­lhar a tra­di­ci­o­nal fo­to­gra­fia de fa­mí­lia, com Georgina e os qua­tro fi­lhos, to­dos ves­ti­dos a ri­gor pa­ra a Con­so­a­da. Uma qua­dra di­fe­ren­te das ha­bi­tu­ais, até por­que no jan­tar não hou­ve o seu pra­to pre­fe­ri­do, de ba­ca­lhau, fei­to pe­la mãe, Do­lo­res, que per­ma­ne­ceu na Ma­dei­ra nes­ta al­tu­ra do ano. Mais um epi­só­dio a mos­trar que as di­ver­gên­ci­as en­tre a ma­tri­ar­ca do clã Avei­ro e Gio não es­tão com­ple­ta­men­te sa­na­das. “Elas já apa­re­ce­ram jun­tas, é ver­da­de, mas é uma paz po­dre. Não se po­de di­zer que ha­ja pro­pri­a­men­te uma re­la­ção en­tre a Do­lo­res e a Gio. To­le­ram-se mas se pu­de­rem não es­tar no mes­mo es­pa­ço, me­lhor”, diz uma fon­te, adi­an­tan­do que, pe­ran­te o cli­ma de ten­são en­tre as du­as, Do­lo­res pre­fe­riu fi­car na Ma­dei­ra, on­de vi­veu a Con­so­a­da ao la­do do com­pa­nhei­ro, An­dra­de, e dos res­tan­tes fi­lhos, El­ma, Ka­tia e Hu­go. “A Do­lo­res sen­te que não é bem-vin­da e, por is­so, não quer pas­sar gran­des tem­po­ra­das em ca­sa do Cris­ti­a­no e da Gio”. A ex­ce­ção acon­te­ceu re­cen­te­men­te, quan­do a ma­tri­ar­ca do clã Avei­ro ru­mou a Itá­lia pa­ra apoi­ar o fi­lho, na al­tu­ra em que saí­ram as pri­mei­ras no­tí­ci­as de que CR7 es­ta­va acu­sa­do de vi­o­la­ção pe­la nor­te-americana Kathryn Mayor­ga. “Nes­sa al­tu­ra, hou­ve uma es­pé­cie de tré­guas, até por­que nin­guém qu­e­ria acres­cen­tar mais ten­são aos di­as do Cris­ti­a­no. En­tão, a Do­lo­res es­te­ve uns di­as em Tu­rim, em que se es­for­ça­ram por con­vi­ver. Mas a re­la­ção nun­ca se­rá boa”, diz a fon­te.

DI­VER­GÊN­CI­AS AN­TI­GAS Nin­guém sa­be ao cer­to quan­do co­me­ça­ram as di­ver­gên­ci­as en­tre

Do­lo­res e Georgina con­ti­nu­am sem se en­ten­der. ‘To­le­ram-se’ mas não fa­zem as pa­zes

Georgina Ro­drí­guez e Do­lo­res Avei­ro, mas foi du­ran­te a gra­vi­dez da es­pa­nho­la que sur­gi­ram os pri­mei­ros rumores de uma zan­ga, com várias te­o­ri­as a ga­nha­rem for­ça na im­pren­sa. Se­gun­do al­gu­mas fon­tes, com a ges­ta­ção de Ala­na, Gio ga­nhou for­ça e impôs-se, fa­zen­do ver a Ro­nal­do que os dois pre­ci­sa­vam de es­pa­ço en­quan­to ca­sal.

Já de acor­do com ou­tra fon­te, a mãe de Cris­ti­a­no Ro­nal­do, que ini­ci­al­men­te gos­ta­va da es­pa­nho­la, de­sen­can­tou-se e co­me­çou a du­vi­dar dos ver­da­dei­ros in­te­res­ses da mo­de­lo em re­la­ção ao fi­lho.

“A Do­lo­res não é a so­gra mais fá­cil do Mun­do, é ex­tre­ma­men­te pro­te­to­ra em re­la­ção ao fi­lho. E a Georgina tam­bém tem uma per­so­na­li­da­de ex­tre­ma­men­te for­te. A ver­da­de é que era im­pos­sí­vel con­ti­nu­a­rem a con­vi­ver no mes­mo es­pa­ço, co­mo acon­te­cia em Ma­drid. Por is­so, com a mu­dan­ça de Ro­nal­do pa­ra Itá­lia, to­dos che­ga­ram à con­clu­são de que o me­lhor era Do­lo­res vol­tar pa­ra a Ma­dei­ra de for­ma a dar es­pa­ço ao ca­sal”. Uma mu­dan­ça que en­tris­te­ceu a ma­tri­ar­ca do clã, que ra­pi­da­men­te deu si­nais de de­sa­gra­do. A sua tris­te­za, es­pe­lha­da nas fo­to­gra­fi­as pu­bli­ca­das nas re­des so­ci­ais, pas­sou a ser ób­via e tam­bém a an­ti­pa­tia em re­la­ção à no­ra co­me­çou a ser re­ve­la­da com Do­lo­res a co­lo­car gos­tos em co­men­tá­ri­os ofen­si­vos em re­la­ção a Gio co­mo “va­ca da es­pa­nho­la”.

Com a guer­ra a ul­tra­pas­sar de­ter­mi­na­dos li­mi­tes, os mais che­ga­dos acre­di­tam que a se­pa­ra­ção en­tre os Avei­ro é to­tal e de­fi­ni­ti­va. “Mui­ta coi­sa mu­dou, até por­que as ir­mãs do Ro­nal­do tam­bém to­ma­ram o par­ti­do da mãe e hou­ve uma ci­são. Por mais que se ten­te dis­far­çar ou fin­gir que es­tá tu­do bem, é cer­to que as coi­sas nun­ca mais vão vol­tar a ser co­mo an­ti­ga­men­te. A mãe con­ti­nua pre­sen­te, mas à dis­tân­cia. E a ver­da­de é que nos Avei­ro não há mui­ta gen­te que gos­te da Georgina. A ideia que ti­nham ao iní­cio mu­dou e ago­ra cul­pam-na por ter afas­ta­do o Ro­nal­do dos seus, prin­ci­pal­men­te da mãe, que sem­pre fez tu­do por ele”, con­clui a fon­te.

ES­TE SU­PLE­MEN­TO FAZ PAR­TE DA EDI­ÇÃO N.º 14 435 DO COR­REIO DA MA­NHÃ E NÃO PO­DE SER VEN­DI­DO SEPARADAMENTE

DO­LO­RES Ini­ci­al­men­te, Do­lo­res mos­tra­va sim­pa­ti­zar com Gio FOI COM A FA­MÍ­LIA E AMI­GOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.