O QUE VAI SER DO ‘IM­PÉ­RIO NA­BEI­RO’?

HERDADES NA RE­GIÃO DE EL­VAS COM NE­GÓ­CI­OS AGRÍCOLAS DE SU­CES­SO, UMA COU­DE­LA­RIA, UMA POU­SA­DA E UMA BOM­BA DE GA­SO­LI­NA SÃO OS BENS DA FOR­TU­NA DEI­XA­DA PE­LO MA­LO­GRA­DO TOU­REI­RO

Correio da Manha - Vidas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mor­reu na tar­de do úl­ti­mo dia de 2018, aos 62 anos, após dois me­ses de in­ter­na­men­to no Hos­pi­tal da Cruz Ver­me­lha, em Lis­boa, com uma in­fe­ção ge­ne­ra­li­za­da, aque­le que foi um dos mai­o­res ca­va­lei­ros tau­ro­má­qui­cos da sua ge­ra­ção: Jo­a­quim Te­nó­rio, mais co­nhe­ci­do co­mo Bas­ti­nhas, a al­cu­nha que o pai, o ca­ris­má­ti­co afi­ci­o­na­do Se­bas­tião Te­nó­rio, con­quis­tou nas li­des no sé­cu­lo pas­sa­do.

O de­sa­pa­re­ci­men­to pre­co­ce do enér­gi­co ca­va­lei­ro im­pli­ca que ago­ra se en­con­tre, no seio da fa­mí­lia Na­bei­ro Te­nó­rio, qu­em li­de­re os ne­gó­ci­os pri­va­dos que pas­sam pe­la cri­a­ção de ca­va­los em du­as cou­de­la­ri­as (Se­bas­tião Te­nó­rio e He­le­na Na­bei­ro Te­nó­rio), da ges­tão agrí­co­la da her­da­de da Al­gra­mas­sas, em El­vas, a que Jo­a­quim Bas­ti­nhas cha­ma­va “o cas­te­lo”, e o mon­te Fan­guei­ros, na re­gião, mas tam­bém uma pe­que­na pou­sa­da em El­vas, que foi ofer­ta de ca­sa­men­to do so­gro, o em­pre­sá­rio Rui Na­bei­ro, e uma bom­ba de ga­so­li­na à saí­da de El­vas que o ca­va­lei­ro ex­plo­ra­va há mui­tos anos.

Por es­ta­rem ca­sa­dos há 35 anos, a prin­ci­pal her­dei­ra de Jo­a­quim Bas­ti­nhas se­rá na­tu­ral­men­te He­le­na Na­bei­ro Te­nó­rio, a mãe do úni­co fi­lho do ca­va­lei­ro, o tam­bém tou­rei­ro Mar­cos Na­bei­ro Te­nó­rio, de 33 anos, que é ca­sa­do com a co­nhe­ci­da ex-apre­sen­ta­do­ra de te­le­vi­são Dá­lia Ma­dru­ga.

Em 2006, dois anos de­pois da mor­te de Se­bas­tião Te­nó­rio, que já ti­nha uma cou­de­la­ria com o seu no­me, Jo­a­quim Bas­ti­nhas in­cen­ti­vou He­le­na a cri­ar, de raiz e com a sua chan­ce­la, uma cou­de­la­ria na Her­da­de das Al­gra­mas­sas. He­le­na gos­ta de ca­va­los e do mun­do eques­tre em ge­ral, mas o seu co­ra­ção e de­di­ca­ção es­tão es­sen­ci­al­men­te na ad­mi­nis­tra­ção do gru­po Na­bei­ro, no qual tra­ba­lha ao la­do do pai, Rui Na­bei­ro, o men­tor da mar­ca Ca­fés Del­ta.

Mais afas­ta­do do ‘im­pé­rio’ Bas­ti­nhas, por ser ape­nas en­te­a­do do ca­va­lei­ro, ape­sar de es­te sem­pre o ter tra­ta­do co­mo fi­lho, es­tá Ivan Na­bei­ro, 35 anos, que tra­ba­lha nas áre­as da ino­va­ção e fi­nan­cei­ra do gru­po li­de­ra­do pe­lo avô. Ivan, tal­vez in­flu­en­ci­a­do pe­lo am­bi­en­te tau­ro­má­qui­co que se res­pi­ra no seio da fa­mí­lia Bas­ti­nhas, pe­lo qual foi ‘ado­ta­do’ ain­da mui­to pe­que­no, aca­bou por per­ten­cer, co­mo ca­bo, ao gru­po de for­ca­dos aca­dé­mi­cos de El­vas, mas não se­guia a car­rei­ra de pe­gar os tou­ros pe­los cor­nos, ou pe­lo ra­bo.

Em 2010, quan­do a re­vis­ta ‘Flash!’ vi­si­tou a fa­mí­lia na ca­sa re­no­va­da e am­pli­a­da na Her­da­de das Al­gra­mas­sas, Jo­a­quim Bas­ti­nhas re­ve­lou co­mo nun­ca pres­si­o­nou os fi­lhos a se­gui­rem os seus pas­sos, ape­sar de os dois ra­pa­zes res­pi­ra­rem tou­ros e ca­va­los di­a­ri­a­men­te. “Nun­ca o Mar­cos ou o Ivan fo­ram pres­si­o­na­dos pa­ra se­rem tou­rei­ros, for­ca­dos ou o que quer que fos­se. Foi al­go que par­tiu de­les. A fi­lo­so­fia tem si­do a de apoi­ar os meus fi­lhos na­qui­lo que eles qui­se­rem ser”, afir­mou, de­se­jan­do que os dois vi­ves­sem de for­ma cons­ci­en­te e li­vre “a fes­ta brava de uma for­ma apai­xo­na­da”.

Ivan de­sis­tiu de ser for­ca­do, ape­sar de ser pre­sen­ça ha­bi­tu­al em tou­ra­das, mas o meio-ir­mão mais no­vo, Mar­cos, se­guiu as pi­sa­das do pai e nu­tre uma enor­me paixão pe­lo uni­ver­so tau­ro­má­qui­co, mar­can­do os espetáculos em pra­ças de nor­te a sul de Por­tu­gal com um es­ti­lo di­fe­ren­te e ou­sa­do. Mar­cos foi, in­clu­si­va­men­te, es­ti­mu­la­do pe­lo avô pa­ter­no, Se­bas­tião Te­nó­rio, que mor­reu em 2004, a apli­car-se nes­ta ar­te na qua­dra e a se­guir car­rei­ra no mun­do da fes­ta brava.

Se­gun­do a lei, e se Jo­a­quim Bas­ti­nhas não la­vrou em tes­ta­men­to pú­bli­co quais eram os seus de­se­jos fi­nais quan­to ao des­ti­no dos bens que her­dou do pai, que acres­cen­tou em vi­da, e que dei­xou aos her­dei­ros, a mu­lher He­le­na de- ve­rá re­ce­ber três qu­ar­tos da sua for­tu­na e o fi­lho de san­gue, Mar­cos, se­rá, pa­ra já, her­dei­ro do quar­to que so­bre.

In­de­pen­den­te­men­te dos úl­ti­mos de­se­jos do ma­lo­gra­do ca­va­lei­ro, as vá­ri­as ex­plo­ra­ções agrícolas da fa­mí­lia são, des­de os tem­pos de Ma­ti­as Te­nó­rio – pai de Se­bas­tião e avô de Jo­a­quim – la­vou­ras de su­ces­so nes­ta re­gião do Al­to Alentejo.

O fu­ne­ral de Jo­a­quim Bas­ti­nhas re­a­li­zou-se na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, dia 2 de ja­nei­ro, em El­vas. A mis­sa de Cor­po Pre­sen­te acon­te­ceu no San­tuá­rio do Se­nhor Je­sus da Pi­e­da­de, ten­do o cor­po do ca­va­lei­ro tau­ro­má­qui­co se­gui­do de­pois pa­ra o ce­mi­té­rio da ci­da­de rai­a­na, on­de foi se­pul­ta­do jun­to do seu pai, Se­bas­tião Te­nó­rio. O úl­ti­mo adeus foi mar­ca­do pe­la emo­ção.

“NUN­CA O MAR­COS OU O IVAN FO­RAM PRES­SI­O­NA­DOS PA­RA SE­REM TOU­REI­ROS OU FOR­CA­DOS”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.