Ar­tro­se: “co­mo fi­quei sem do­res, sem me­di­ca­ção...

… e co­mo con­se­gui, en­quan­to en­fer­mei­ra ge­ri­a­tra, aju­dar mui­tos pa­ci­en­tes com reu­ma­tis­mo com a mi­nha des­co­ber­ta”

Correio da Manha - Vidas - - VIDAS -

Ain­crí­vel des­co­ber­ta so­bre a qual irá ler, tam­bém dei­xou os es­pe­ci­a­lis­tas sur­pre­en­di­dos. Des­de a pu­bli­ca­ção dos pri­mei­ros es­tu­dos nos Es­ta­dos Uni­dos, nu­me­ro­sos ar­ti­gos fo­ram pu­bli­ca­dos por to­do o mun­do. Mui­tos reu­ma­to­lo­gis­tas nos EUA e na Eu­ro­pa já usam es­te mé­to­do.

Du­ran­te anos, a en­fer­mei­ra ge­ri­a­tra Ali­ce Mo­rei­ra so­freu de uma do­lo­ro­sa ar­tro­se nos jo­e­lhos, com di­fi­cul­da­de em do­brá-los. O mé­di­co pres­cre­via-lhe me­di­ca­ção, mas com o pas­sar dos anos as do­res pi­o­ra­vam. En­tão, om­bros e an­cas co­me­ça­ram a do­er. Dei­xe­mos a En­fer­mei­ra Ali­ce con­tar a sua pró­pria his­tó­ria! Per­gun­ta: En­fer­mei­ra Ali­ce Mo­rei­ra, ho­je con­se­gue an­dar, mo­vi­men­tar-se e cur­var-se de mo­do to­tal­men­te nor­mal. Os es­pe­ci­a­lis­tas ti­nham pre­vis­to um prog­nós­ti­co som­brio. Co­mo con­se­guiu com­ba­ter a sua dor? Ali­ce Mo­rei­ra: É ver­da­de, os es­pe­ci­a­lis­tas fo­ram cla­ros: não há es­pe­ran­ça. Eu ti­nha de con­tar com ci­rur­gia às ar­ti­cu­la­ções e com o uso de pró­te­ses.

Per­gun­ta: Era se­gui­da por es­pe­ci­a­lis­tas? Ali­ce Mo­rei­ra: Sim, já ti­nha si­do tra­ta­da por vá­ri­os reu­ma­to­lo­gis­tas e sub­me­ti­da a to­dos os ti­pos de tes­tes. O di­ag­nós­ti­co foi avas­sa­la­dor: o reu­ma­to­lo­gis­ta ex­pli­cou que eu so­fria de po­li­ar­tri­te as­so­ci­a­da à ar­tro­se. Não ha­via qual­quer pos­si­bi­li­da­de de re­cu­pe­ra­ção.

Per­gun­ta: Co­mo se sen­tiu? Ali­ce Mo­rei­ra: Fi­quei de­ses­pe­ra­da e re­ce­a­va que não pu­des­se mais pra­ti­car a mi­nha pro­fis­são. Ti­nha ti­do, até en­tão, uma vi­da fe­liz e ama­va o meu tra­ba­lho. Ima­gi­nem, uma en­fer­mei­ra ge­ri­a­tra que não se con­se­gue mo­vi­men­tar cor­re­ta­men­te! Is­so se­ria in­sus­ten­tá­vel. Nos meus tem­pos li­vres, gos­ta­va mui­to de dan­çar e tam­bém ado­ra­va fa­zer mon­ta­nhis­mo. Te­ria tu­do is­so de aca­bar? Mas eu não que­ria de­sis­tir e ren­der-me às evi­dên­ci­as. Con­ti­ve-me e re­cu­pe­rei a co­ra­gem pa­ra su­pe­rar o meu so­fri­men­to. Ti­nha que ha­ver uma so­lu­ção! Fi­nal­men­te en­con­trei es­sa so­lu­ção após uma lon­ga pes­qui­sa! Ho­je até mes­mo os es­pe­li­a­lis­tas fi­cam ma­ra­vi­lha­dos com o fac­to de eu es­tar com­ple­ta­men­te li­vre de do­res.

Per­gun­ta: An­tes de nos con­tar a sua des­co­ber­ta, po­de re­su­mir-nos quais os mé­to­dos a que se sub­me­teu? Ali­ce Mo­rei­ra: Sim, hou­ve di­as em que to­ma­va cer­ca de 10 com­pri­mi­dos. Anal­gé­si­cos, an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os, so­po­rí­fe­ros, etc. Sen­tia-me mal e a mi­nha qua­li­da­de de vi­da afun­da­va ca­da vez mais. Ca­da mo­vi­men­to era uma tor­tu­ra. Além dis­so, não con­se­guia dor­mir bem.

Per­gun­ta: Mas en­tão fez uma des­co­ber­ta. Em que con­sis­tia? Ali­ce Mo­rei­ra: É um mé­to­do mui­to sim­ples, e que ago­ra es­tá ao dis­por de to­dos, sem ne­ces­si­da­de de re­cei­ta mé­di­ca. Des­co­bri que se po­de as­sim, ven­cer a dor ar­ti­cu­lar cau­sa­da pe­la ar­tro­se e reu­ma­tis­mo. No co­me­ço es­ta­va cé­ti­ca. Co­mo se­ria pos­sí­vel que mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas não co­nhe­ces­sem es­te mé­to­do? E se o co­nhe­ci­am, por que ra­zão não me fa­la­ram so­bre ele? No es­ta­do em que es­ta­va, no en­tan­to, es­ta­va dis­pos­ta a ten­tar qua­se tu­do o que pro­me­tes­se qual­quer me­lho­ria que fos­se. O re­sul­ta­do não de­mo­rou mui­to.

Per­gun­ta: E qual foi es­se re­sul­ta­do? Ali­ce Mo­rei­ra: Lo­go após al­guns di­as já no­ta­va di­fe­ren­ça. Al­go ma­ra­vi­lho­so acon­te­ceu em mim. As do­res di­mi­nuí­ram e ocor­ri­am com me­nos frequên­cia. Jo­e­lhos, an­cas, cos­tas, om­bros: por to­do o la­do, sen­tia a dor de­sa­pa­re­cer. As mi­nhas ar­ti­cu­la­ções es­ta­vam me­nos in­fla­ma­das e in­cha­das. Era ina­cre­di­tá­vel e de­pois de du­as se­ma­nas, con­se­guia no­va­men­te mo­vi­men­tar-me de for­ma to­tal­men­te in­do­lor. Eu ti­nha um for­te de­se­jo de me mo­vi­men­tar, pu­lar e dan­çar. Foi sim­ples­men­te sen­sa­ci­o­nal!

Per­gun­ta: Qual­quer pes­soa po­de re­al­men­te usar es­se mé­to­do? Ali­ce Mo­rei­ra: Acho que sim, por­que quan­do as mi­nhas do­res de­sa­pa­re­ce­ram, con­tei so­bre a mi­nha des­co­ber­ta a du­as ou­tras pes­so­as que so­fri­am com pro­ble­mas nas ar­ti­cu­la­ções, de qu­em cui­do na ca­sa de re­pou­so. As­sim que vi­ram co­mo eu con­se­guia an­dar, in­cli­nar-me e sen­tar-me, tam­bém qui­se­ram ex­pe­ri­men­tar o mé­to­do ime­di­a­ta­men­te.

A pri­mei­ra pes­soa era um ex-la­dri­lhor de 75 anos: te­ve de se apo­sen­tar por in­va­li­dez. Os seus de­dos hir­tos não per­mi­ti­am que con­ti­nu­as­se a tra­ba­lhar. As fer­ra­men­tas cai­am-lhe das mãos. Além dis­so, so­fria de pro­ble­mas nas an­cas. Quan­do se ajo­e­lha­va, já não con­se­guia le­van­tar-se. Ho­je con­se­gue mo­ver-se no­va­men­te sem dor. O se­gun­do ca­so era uma se­nho­ra que mal con­se­guia le­van­tar-se de ma­nhã. Tam­bém ti­nha os de­dos in­cha­dos. 5 di­as fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra ali­vi­ar a dor. Per­gun­ta: E co­mo fun­ci­o­na es­te mé­to­do? Ali­ce Mo­rei­ra: O segredo es­tá na sua in­crí­vel com­po­si­ção 100% na­tu­ral. Os seus ati­vos na­tu­rais, aju­dam a lu­bri­fi­car as ar­ti­cu­la­ções e a eli­mi­nar as en­zi­mas que des­tro­em as ar­ti­cu­la­ções, fa­ci­li­tam a in­ges­tão de cál­cio pa­ra for­ta­le­cer os os­sos, ex­pul­sam os re­sí­du­os de cé­lu­las mor­tas nas ar­ti­cu­la­ções, lu­tam con­tra a dor e ga­ran­tem uma boa fle­xi­bi­li­da­de. Os ati­vos na­tu­rais, atu­an­do em con­jun­to, fa­zem com que vol­te a ter a mo­bi­li­da­de en­tre­tan­to per­di­da, per­mi­tin­do que desfrute em ple­no de uma vi­da sem li­mi­ta­ções!

Es­te mé­to­do po­de ser usa­do por to­dos

Flex For­te é um mé­to­do 100% na­tu­ral, ao al­can­ce de to­dos. Mui­tas pes­so­as (in­cluin­do pro­fis­si­o­nais) já es­tão a usá-lo com re­sul­ta­dos ex­tra­or­di­ná­ri­os. Eis al­guns tes­te­mu­nhos:

“Es­ta­va li­mi­ta­da à ca­dei­ra de ro­das...”

“Eu ti­nha do­res in­su­por­tá­veis nas cos­tas, jo­e­lhos, pés e mãos. To­dos os di­as ti­nha de to­mar for­tes anal­gé­si­cos. Ou­vi fa­lar da sua des­co­ber­ta. Em 5 di­as, sen­ti as do­res a de­sa­pa­re­ce­rem. A par­tir de en­tão, con­si­go le­van­tar-me fa­cil­men­te pe­la ma­nhã e sin­to-me fan­tás­ti­ca. Há mais de 1 ano que con­si­go no­va­men­te le­var uma vi­da nor­mal, e pos­so tra­ba­lhar de no­vo na nos­sa quin­ta!” A. B. de E. Ref. No. 927

“Efei­to in­crí­vel”

“Nos úl­ti­mos anos, so­fria de do­res cons­tan­tes nas ar­ti­cu­la­ções. Às ve­zes, eram tão for­tes que di­fi­cil­men­te con­se­guia mo­vi­men­tar-me. Por me­ra coin­ci­dên­cia e sor­te, co­nhe­ci Flex For­te. De­pois de al­guns di­as, acor­dei pe­la ma­nhã, de al­gu­ma for­ma, sen­tia-me di­fe­ren­te até per­ce­ber que já me mo­vi­men­ta­va sem di­fi­cul­da­de!” M. B. de L. Ref. No. 9342

Di­ga não à ar­tro­se

Ho­je, mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do, in­cluin­do mui­tos mé­di­cos e ou­tros pro­fis­si­o­nais, des­fru­tam di­a­ri­a­men­te de Flex For­te. Não per­ca a opor­tu­ni­da­de de se mo­vi­men­tar con­for­ta­vel­men­te, não ter do­res e sen­tir um bem-es­tar que me­lho­ra dia após dia.

Ga­ran­tia de Sa­tis­fa­ção ou Re­em­bol­so

Flex For­te não se en­con­tra à ven­da nas lo­jas. Não he­si­te, não cor­re qual­quer ris­co. Tem 30 di­as pa­ra tes­tar Flex For­te. Se não fi­car to­tal­men­te sa­tis­fei­to(a), po­de­rá de­vol­ver o pro­du­to (jun­to com a fa­tu­ra). Se­rá re­em­bol­sa­do(a) no va­lor do pro­du­to sem qual­quer ques­tão (por­tes de en­vio não in­cluí­dos).

En­co­men­de ago­ra Flex For­te e di­ga NÃO às ar­tro­ses! É tão sim­ples! Bas­ta ligar pa­ra 210 333 430 (das 8h às 23h) e in­di­car o có­di­go: AP97010010

Ali­ce Mo­rei­ra: “Fi­nal­men­te en­con­trei uma so­lu­ção pa­ra a dor reu­má­ti­ca. Ho­je, pos­so vol­tar a tra­ba­lhar sem la­men­ta­ções. Além dis­so, pu­de aju­dar al­guns re­si­den­tes da ca­sa de re­pou­so a ali­vi­ar ou até mes­mo eli­mi­nar a dor reu­má­ti­ca.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.