Sem mos­ca na ca­be­ça

Correio da Manhã Weekend - - Sport -

A3 de no­vem­bro os ci­da­dãos es­ta­do-uni­den­ses vão ele­ger (ou re­e­le­ger) o seu pró­xi­mo pre­si­den­te e na ma­dru­ga­da de quin­ta-fei­ra te­ve lu­gar o de­ba­te en­tre os can­di­da­tos à vi­ce-pre­si­dên­cia. Pe­lo la­do dos re­pu­bli­ca­nos, o atu­al vi­ce-pre­si­den­te Mi­ke Pen­ce con­fron­tou-se com a can­di­da­ta dos de­mo­cra­tas, a se­na­do­ra Ka­ma­la Har­ris. O ven­ce­dor foi uma mos­ca que pou­sou so­bre a ca­be­lei­ra bran­ca de Pen­ce rou­ban­do to­das as aten­ções e trans­for­man­do-se, por is­so mes­mo, na sen­sa­ção da noi­te. Du­ran­te se­ma­nas, me­ses, os res­pon­sá­veis pe­las cam­pa­nhas em con­cor­rên­cia nos EUA, profission­ais al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos nos do­mí­ni­os da co­mu­ni­ca­ção e da pro­pa­gan­da, es­mi­fra­ram-se a en­gen­drar os dis­cur­sos, os ata­ques, os es­ti­los e as fra­ses-for­tes dos dois do Ben­fi­ca. Há quem de­fen­da que a vi­tó­ria de Vi­la­ri­nho se fi­cou a de­ver à en­tra­da em ce­na não de uma mos­ca mas de Eu­sé­bio, que fez uma apa­ri­ção-sur­pre­sa no jan­tar de en­cer­ra­men­to da cam­pa­nha de Manuel Vi­la­ri­nho. E foi as­sim que, no Ben­fi­ca, um “Rei” – co­mo to­dos cha­ma­vam a Eu­sé­bio – ele­geu um pre­si­den­te. Mas não te­rá si­do só o apoio de Eu­sé­bio que le­vou ao triun­fo de Vi­la­ri­nho. Em vés­pe­ras da elei­ção, a RTP pro­mo­veu um de­ba­te en­tre os dois can­di­da­tos, e, quan­do a con­ver­sa co­me­çou a aque­cer, ven­do-se Manuel Vi­la­ri­nho blo­que­a­do pe­lo à-von­ta­de com que Va­le Aze­ve­do de­bi­ta­va as su­as fan­ta­si­as de­ci­diu, num ím­pe­to do mo­men­to, es­cre­ver a pa­la­vra MENTIROSO nu­ma fo­lha bran­ca e exi­bi-la si­len­ci­o­sa­men­te sem­pre que o seu opo­si­tor se aba­lan­ça­va no discurso. Foi es­ta a mos­ca das elei­ções do Ben­fi­ca no vi­rar do sé­cu­lo.

Vem tu­do is­to a pro­pó­si­to do cor­ren­te pro­ces­so elei­to­ral na Luz com Manuel Vi­la­ri­nho no cen­tro das aten­ções, vis­to que já foi apre­sen­ta­do co­mo fu­tu­ro pre­si­den­te do Con­se­lho Es­tra­té­gi­co da Lis­ta de Luís

Filipe Vi­ei­ra e co­mo pre­si­den­te da Co­mis­são de Éti­ca e de Bo­as Prá­ti­cas da lis­ta de João No­ro­nha Lo­pes. Vi­la­ri­nho é um im­por­tan­te ‘ati­vo’ elei­to­ral e po­de­mos in­ter­ro­gar­mo-nos se po­de ou não po­de em­pres­tar o seu no­me a du­as can­di­da­tu­ras con­cor­ren­tes e a fun­ções con­cor­ren­tes. A res­pos­ta é sim. Vi­la­ri­nho po­de tu­do por­que é Vi­la­ri­nho e não é Vi­la­ri­nho quem quer, é Vi­la­ri­nho quem po­de. Quan­to à mos­ca pro­pri­a­men­te di­ta das elei­ções do Ben­fi­ca, en­fim, es­te ano não há. Nem vai ha­ver.n

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.