O clu­be dos dis­traí­dos

Correio da Manha - - Opinião - António Re­go Pa­dre

OS MÍSTICOS DO NOS­SO TEM­PO TÊM DE TER OS OLHOS SALPICADOS DE PÓ

Ter de es­cre­ver pe­ri­o­di­ca­men­te traz uma gran­de exi­gên­cia: pôr os olhos no chão. Os gran­des místicos po­di­am pas­sar a vi­da a olhar pa­ra o céu e só de Deus fa­lar. Os místicos do nos­so tem­po têm de ter os olhos salpicados de pó pa­ra de­se­ja­rem ver com cla­re­za o céu. Di­ze­mos em lin­gua­gem mais nos­sa que não po­de­mos pas­sar a vi­da a olhar pa­ra as nu­vens.

Aos após­to­los, que na As­cen­ção de Je­sus se fi­ca­ram a olhar pa­ra os céus va­zi­os dis­se o Se­nhor: “por­que es­tais a olhar pa­ra o céu?”

Ve­nham san­tos, místicos e até pe­ca­do­res, avi­sar-nos de no­vo: “não can­sem o pes­co­ço só a olhar pa­ra o céu. Olhem a ter­ra, é a vos­sa pá­tria, aí er­gue­reis o mo­nu­men­to da vos­sa vi­da e ten­ta­reis edi­fi­car o castelo dos vos­sos so­nhos. Daí da­reis o gran­de sal­to pa­ra o in­fi­ni­to, pa­ra o eter­no; é a gran­de via que vos con­du­zi­rá de­fi­ni­ti­va­men­te pa­ra a ca­sa do vos­so pai. A ter­ra não pas­sa dum frágil pa­ta­mar de pas­sa­gem pa­ra uma al­tu­ra e dimensão que nem sus­pei­tais.

An­da­mos por es­tes di­as qua­se de mãos dadas com os nos­sos fa­le­ci­dos sem o mí­ni­mo de re­pug­nân­cia. Não es­ta­vam fri­as as su­as mãos. O afe­to ti­rou o me­do e até nos atre­ve­mos a abra­çá-los, cin­co, dez, vin­te anos de­pois do seu pas­sa­men­to. Olhar a sua fo­to­gra­fia es­tá­ti­ca sou­be a pou­co mas não nos fez mal. Re­con­for­ta­ram-nos as con­ver­sas se­cre­tas que com eles tra­vá­mos e até pen­sa­mos que nos aju­da­ram a gos­tar mais da vi­da e nos ali­men­ta­ram a es­pe­ran­ça do re­en­con­tro. Diá­lo­go su­bli­me, fra­ter­no, pos­sí­vel por Je­sus Cris­to ter man­ti­do es­te se­gre­do de vi­da ple­na mes­mo que mo­men­ta­ne­a­men­te atra­ves­sa­da pe­la mor­te. Es­ta, pe­ran­te a eter­ni­da­de não pas­sa dum acon­te­ci­men­to me­nor, o su­fi­ci­en­te pa­ra o nos­so co­ra­ção não se con­for­mar. Re­co­nhe­ço que sem a fé to­do es­te dis­cur­so é ab­sur­do. Mas quem se po­de sus­ten­tar ape­nas do ab­sur­do?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.