Te­o­ria e prá­ti­ca

Correio da Manha - - Portugal - Car­los An­jos

Odis­cur­so po­lí­ti­co ou a re­tó­ri­ca po­lí­ti­ca, es­ta car­re­ga­da de ex­pres­sões co­mo “lu­ta con­tra a cor­rup­ção”, “ba­nho de éti­ca”, “có­di­gos de éti­ca”, en­tre mui­tas ou­tras que po­de­ria elen­car. Mas a prá­ti­ca diz-nos que não exis­te qu­al­quer re­la­ção en­tre es­te dis­cur­so e a re­a­li­da­de. As­sim, di­vul­gar es­cu­tas e in­ter­ro­ga­tó­ri­os tem um va­lor se o sus­pei­to for um po­lí­ti­co co­nhe­ci­do, co­mo o ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro ou se for a Ro­sa Grilo. No pri­mei­ro ca­so, é um escândalo, no se­gun­do até é gi­ro. Já a lu­ta con­tra a cor­rup­ção es­bar­ra na exi­gui-

OS PUTOS AS­SI­NAM AS FO­LHAS DE PRE­SEN­ÇA UNS PE­LOS OU­TROS.

NA AR É IGUAL

da­de de mei­os dis­po­ni­bi­li­za­dos pa­ra es­se com­ba­te. Se es­ti­ver­mos aten­tos, os mei­os exis­ten­tes – hu­ma­nos e téc­ni­cos – são in­fe­ri­o­res aos que exis­ti­am há uma dé­ca­da. Por úl­ti­mo a ques­tão éti­ca. A éti­ca e a mo­ral en­che a bo­ca de mui­tos dos res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos. Di­zem-nos que há que ter uma cul­tu­ra de exi­gên­cia, as­sen­te nu­ma éti­ca ina­ba­lá­vel. Bom, o pro­ble­ma é a prá­ti­ca; aqui, apa­ren­te­men­te va­le tu­do. Na es­co­la, os putos as­si­nam as fo­lhas de pre­sen­ça uns pe­los ou­tros, no Par­la­men­to, apa­ren­te­men­te, a prá­ti­ca é igual ao li­ceu; só que aqui, no lu­gar da as­si­na­tu­ra com a la­pi­sei­ra, o fal­to­so dá a sua pas­sword a quem vai as­si­nar por ele. En­fim, da te­o­ria à prá­ti­ca vai mes­mo um mun­do.

PRE­SI­DEN­TE DA CO­MIS­SÃO DE PRO­TE­ÇÃO ÀS VÍ­TI­MAS DE CRI­MES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.