Um ges­to ape­nas

Correio da Manha - - Opinião - António Rego Pa­dre

To­dos os gran­des ges­tos se es­go­tam na me­di­o­cri­da­de qu­an­do não são sus­ten­ta­dos por ati­tu­des con­vin­cen­tes e co­ra­jo­sas. Tra­ta-se da co­ra­gem em sus­ter um per­cur­so que cer­ta­men­te não con­du­zi­ria a bom ca­mi­nho. Por is­so a con­ver­são é co­ra­gem. A con­ver­são sem­pre es­te­ve pró­xi­ma dos gran­des ges­tos dos con­ver­ti­dos.

Por vezes sur­ge a per­gun­ta: o Na­tal de­gra­da-se com a emo­ção sem controlo ou com o si­lên­cio dos cris­tãos? Di­ría­mos, pa­ra sim­pli­fi­car, que nes­ta de­gra­da­ção nun­ca há gen­te só. Mui­tos têm consciência que os seus pas­sos es­tão a afas­tá-los de Deus. Mui­tos acham que é in­di­fe­ren­te Deus es­tar lon­ge ou per­to. Mas to­dos te­mos de con­ti­nu­ar a pro­cu­rar o es­sen­ci­al. Ele. Não se tra­ta dum ca­pri­cho do Se­nhor de tu­do, mas par­tin­do da cer­te­za de que não po­de­mos vi­ver sem Ele.

O Na­tal é mais que um su­a­ve di­ver­ti­men­to mes­mo mar­ca­do pe­los sor­ri­sos e afe­tos de al­gu­mas famílias pró­di­gas em in­ven­tar con­fli­tos que ex­plo­dem em exer­cí­ci­os de rai­va co­mo ré­pli­ca de je­jum pro­lon­ga­do. Mas a ver­da­de é que é tam­bém um tem­po de tra­zer ao de ci­ma ati­tu­des e de­ci­sões que mui­tos já ha­vi­am su­pri­mi­do do seu quo­ti­di­a­no. Es­ta­mos pe­ran­te a con­ver­são mais pu­ra e que mais re­me­xe com o co­ra­ção hu­ma­no. E que nos re­ve­la co­mo o amor é pos­sí­vel den­tro co­ra­ção hu­ma­no, en­vol­vi­do no ar­re­pen­di­men­to, no perdão, na­qui­lo de mais su­bli­me que somos ca­pa­zes de tra­zer ao quo­ti­di­a­no. O nos­so pro­ble­ma é mes­mo es­se: tra­zer ao de ci­ma o que ha­vía­mos se­pul­ta­do e co­ber­to com as cin­zas es­pes­sas dos nos­sos me­dos. Gos­to de, a ní­vel pes­so­al ou de tra­ba­lho pas­to­ral li­ga­do ao perdão, jun­tar es­tes fi­os que mui­tas vezes pa­re­cem sem des­gre­nha­dos, con­de­na­dos à ro­tu­ra e à te­ne­bro­sa sen­sa­ção de não con­se­guir­mos dar o pas­so es­sen­ci­al que nos faz re­nas­cer e sem­pre cria a ló­gi­ca do re­co­me­ço, de mãos da­das com aque­les que acei­tam o gri­to da pró­pria consciência. Nes­ta ma­té­ria o Na­tal vol­ta a ser um ges­to exem­plar das nos­sas vidas. Basta is­so: ser exem­plar.

TO­DOS TE­MOS DE CON­TI­NU­AR A PRO­CU­RAR O ES­SEN­CI­AL. ELE.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.