Di­rei­ta ao abis­mo

Correio da Manha - - Opinião - Lu­ci­a­no Ama­ral Pro­fes­sor Uni­ver­si­tá­rio

An­ti­ga­men­te, era da es­quer­da que se di­zia que se frag­men­ta­va em sei­tas e sei­ta­zi­nhas ar­gu­men­tan­do ‘ad in­fi­ni­tum’ so­bre bi­zan­ti­ni­ces, en­quan­to à di­rei­ta im­pe­ra­va o prag­ma­tis­mo, es­que­cen­do-se as di­fe­ren­ças em no­me do exer­cí­cio do po­der. Ago­ra, pa­re­ce que é ao con­trá­rio. Pa­ra além do CDS, te­mos o PSD, que vi­rou a mãe de to­dos os par­ti­dos: do seu pro­fí­cuo ven­tre, nasceram já o Ali­an­ça, o Che­ga, o De­mo­cra­cia 21 e a Ini­ci­a­ti­va Li­be­ral; so­man­do-se a is­to três fa­ções in­ter­nas: Rui Rio, Luís Montenegro e Mi­guel Mor­ga­do. Tu­do re­ma­ta­do, com mui­ta iro­nia, por um mo­vi­men­to pro­cu­ran­do jun­tar do­ce­men­te os ca­cos, o MEL.

Mas es­ta pul­ve­ri­za­ção tem um só res­pon­sá­vel: Rui Rio e a sua de­sas­tra­da li­de­ran­ça do PSD. Rio de­ci­diu le­var mes­mo a sé­rio a ta­re­fa he­roi­ca de não con­fun­dir o PSD com a Di­rei­ta. Quan­do ele se apre­sen­tou as­sim, sem­pre me pa­re­ceu que ce­do che­ga­ria a uma con­clu­são: que, pa­ra a sua exis­tên­cia ter sen­ti­do, de­ve­ria ocu­par o lar­go es­pa­ço po­lí­ti­co à di­rei­ta do PS. Es­quer­da e di­rei­ta não são pa­la­vras que te­nham con­teú­do in­trín­se­co. Quan­do mui­to, têm con­teú­do apro­xi­ma­do e, so­bre­tu­do, re­la­ti­vo: quan­do se diz que Sá Car­nei­ro ou Ca­va­co nun­ca se de­fi­ni­ram co­mo de di­rei­ta, es­que­ce-se que fo­ram vis­tos por to­da a gen­te co­mo tal. Aqui­lo que eles de­fen­de­ram (li­be­ra­li­za­ção e de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va) foi vis­to à épo­ca co­mo ra­di­ca­lis­mo de di­rei­ta, mes­mo se ho­je é a ab­so­lu­ta nor­ma­li­da­de, até pa­ra os par­ti­dos ra­di­cais de es­quer­da. Es­ta­mos fa­la­dos quan­to ao va­lor ab­so­lu­to da di­rei­ta e da es­quer­da.

Rio só ti­nha de di­ri­gir-se à mul­ti­dão que não se re­vê no Go­ver­no da es­quer­da to­da. E ti­nha mui­to por on­de pe­gar: des­de os cus­tos que es­sa so­lu­ção te­ve pa­ra re­for­mar o país até ao em­po­bre­ci­men­to dos ser­vi­ços pú­bli­cos, só pa­ra sa­tis­fa­zer cli­en­te­las. Em vez dis­so, es­co­lheu dei­xar imen­sas pes­so­as sem voz. É na­tu­ral que elas pro­cu­rem ago­ra re­en­con­trá-la.

RUI RIO DE­CI­DIU LE­VAR MES­MO A SÉ­RIO A TA­RE­FA HE­ROI­CA DE NÃO CON­FUN­DIR O PSD

COM A DI­REI­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.