Co­mér­cio atra­vés da net ain­da é re­si­du­al

Pro­je­ções apontam que, em 2022, o e-com­mer­ce se­ja res­pon­sá­vel pe­la venda de 10 a 12% dos bens de gran­de con­su­mo no mun­do. Ta­xa em Por­tu­gal se­rá de 1,6%

Destak - - ATUALIDADE - JOÃO MO­NIZ jmo­niz@des­tak.pt

Ao lon­go dos pró­xi­mos qua­tro anos, a venda de bens de gran­de con­su­mo (BGC na si­gla em in­glês) vai au­men­tar qua­tro ve­zes mais do que o co­mér­cio nas plataformas tra­di­ci­o­nais, mas o rit­mo de cres­ci­men­to vai va­ri­ar bas­tan­te. E en­tre os 34 paí­ses ana­li­sa­dos pe­la Ni­el­sen, Por­tu­gal é dos que têm um ca­mi­nho mais lon­go pe­la fren­te.

O re­la­tó­rio, que o Des­tak ana­li­sou, es­ti­ma que em 2022 as ven­das glo­bais de e-com­mer­ce atin­jam os 400 mil mi­lhões de dó­la­res (apro­xi­ma­da­men­te 350 mil mi­lhões de eu­ros ao câm­bio de on­tem), sen­do responsáveis por 10% a 12% das ven­das mun­di­ais de BGC. Mas em Por­tu­gal o pe­so do mer­ca­do on­li­ne é qua­se oi­to ve­zes me­nor, uma vez que as ven­das não de­ve­rão su­pe­rar os 430 mi­lhões de dó­la­res (376M€), ape­nas 1,6% do to­tal.

Es­ta per­cen­ta­gem re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to mui­to té­nue fa­ce aos 1% es­ti­ma­dos atu­al­men­te pe­la con­sul­to­ra pa­ra o mer­ca­do na­ci­o­nal, o que é es­tra­nho fa­ce a ou­tros in­di­ca­do­res. Is­to por­que 66% dos por­tu­gue­ses afir­mam es­tar dis­pos­tos a fa­zer no fu­tu­ro en­co­men­das on­li­ne com entregas ao do­mi­cí­lio (o va­lor mais al­to da Eu- ro­pa Oci­den­tal) e 63% mos­tram-se dis­po­ní­veis pa­ra ex­pe­ri­men­tar a op­ção de en­co­men­dar on­li­ne e re­co­lher em lo­cais es­pe­cí­fi­cos nas lo­jas.

Da mes­ma for­ma que o PIB e a pe­ne­tra­ção de con­tas ban­cá­ri­as e da in­ter­net e dos smartpho­nes é fun­da­men­tal pa­ra in­ver­ter es­ta ten­dên­cia, tam­bém o é a a ma­tu­ri­da­de dos re­ta­lhis­tas, que de­ve­rão pro­cu­rar al­ter­na­ti­vas pa­ra «dar res­pos­ta a es­tas no­vas ne­ces­si­da­des». A obri­ga­to­ri­e­da­de de ve­ri­fi­car a ida­de dos uti­li­za­do­res vai ser im­ple­men­ta­da no Rei­no Uni­do a si­tes de co­mer­ci­a­li­za­ção de con­teú­dos por­no­grá­fi­cos, mas a mi­nis­tra bri­tâ­ni­ca das In­dús­tri­as Cri­a­ti­vas e Di­gi­tais, on­tem pre­sen­te na Web Sum­mit, acre­di­ta que po­de ser alar­ga­da­a­pla­ta­for­mas­co­mo­oyou­tu­be ou o Twit­ter co­mo for­ma de re­du­zir a ex­po­si­ção aci­den­tal de cri­an­ças e ado­les­cen­tes a es­te tipo de con­teú­dos.

Mi­nis­tra bri­tâ­ni­ca fa­lou da im­por­tân­cia de sal­va­guar­dar as cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.