«O im­por­tan­te é ha­ver pra­zer e em­pe­nho»

Ju­li­an­ne Mo­o­re, diva no ci­ne­ma, in­ter­pre­ta uma diva da ópe­ra no no­vo “Bel Can­to”, filme re­a­li­za­do por Paul Weitz que es­treia ho­je em Por­tu­gal. Fo­mos con­ver­sar com uma das gran­des atri­zes nor­te-ame­ri­ca­nas vi­vas

Destak - - ARTE&LAZER - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO, em Hollywo­od

Não, ela não se pa­re­ce na­da com um mo­ran­go sar­den­to, em­bo­ra o li­vro que­te­nha­e­di­ta­doháuns anos le­ve a en­ten­der que ain­fân­ci­a­de­la­te­ve­e­le­men­tos­trau­má­ti­cos mis­tu­ra­dos com al­cu­nhas jo­co­sas par­ti­lha­das em re­creio de es­co­la. Ela, Ju­li­an­ne Mo­o­re, pa­re­ce-se mais com uma deu­sa que le­va na mão, er­gui­do, um ar­cho­te. É de­la a luz. Des­de que co­me­çou a fa­zer fil­mes que in­sis­te em fa­lar ape­nas do que é re­le­van­te e pro­vo­ca dis­cus­são. Por ou­tras pa­la­vras, in­sis­te na li­ber­da­de do diá­lo­go e opõem-se ter­mi­nan­te­men­te à ideia de que o ser hu­ma­no foi fei­to pa­ra ser for­ma­ta­do em mol­des ge­ne­ra­lis­tas. Fez, pa­ra o mes­tre do des­con­for­to ci­vi­li­za­ci­o­nal Todd Hay­nes, o filme Sa­fe. Pa­ra o Paul Tho­mas An­der­son fez o Bo­o­gie Nights. Es­te­ve ao la­do de Meryl Stre­ep em As Ho­ras, con­fes­san­do de­ci­sões que nem sem­pre se acei­tam nu­ma mãe de fi­lhos me­no­res.oque­a­tra­zes­ta­se­ma­na,com o no­vo Bel Can­to, é a his­tó­ria de uma ar­tis­ta­que­tem­de­des­ce­ra­o­mun­do­re­al e aju­dar na sua sal­va­ção de­pois de, ao lon­go dos anos, ter ele­va­do tan­ta gen­te aos pa­ta­ma­res utó­pi­cos on­de co­a­bi­tam mú­si­ca e es­pí­ri­to. Se­rá que a diva de ópe­ra vai con­se­guir en­fren­tar a tri­vi­a­li­da­de de uma re­vo­lu­ção po­ei­ren­ta e mor­tal? Sim, Ju­li­an­ne, a rui­va com sar­di­nhas de­li­ca­das no corpo em fo­go, vem fa­lar do uni­ver­so em fa­lên­cia mo­ral. Si­lên­cio, que se vai can­tar o fa­do de mu­lher ra­ra.

Sei que a Ju­li­an­ne co­me­çou nas no­ve­las. Re­la­ti­va­men­te ao seu tra­je­to até aqui, acha que o ci­ne­ma con­ti­nua a ter pre­con­cei­to fa­ce à te­le­vi­são e que o es­tre­la­to do ci­ne­ma é mai­or que o da TV?

Quan­do pen­so nis­so, o que so­bres­sai é a mi­nha es­pe­ran­ça. Aos 18 anos, se uma pes­soa pen­sa que quer ser ator, a coi­sa apresenta-se de tal mo­do im­pro­vá­vel que só uma cer­ta in­ge­nui­da­de é que nos sus­ten­ta. As pro­ba­bi­li­da­des de aque­le so­nho se tor­nar re­a­li­da- de são bas­tan­te es­cas­sas. De res­to, tal­vez por­que aqui­lo que es­tou a fa­zer no mo­men­to sem­pre foi mui­to mais im­por­tan­te do que o so­nho que que­ro atin­gir, as pre­o­cu­pa­ções vão pa­ra a qu­a­li­da­de do meu tra­ba­lho. Não olha­va pa­ra a no­ve­la co­mo um de­grau a ca­mi­nho de ou­tro pa­ta­mar mais ele­va­do. Aqui­lo era ape­nas a mi­nha obri­ga­ção, res­pon­sa­bi­li­da­de. Sen­ti o mes­mo quan­do tra­ba­lhei, por exem­plo, em res­tau­ran­tes. Era im­por­tan­te de­sem­pe­nhar o tra­ba­lho na per­fei­ção, a éti­ca la­bo­ral. Pou­co im­por­ta a ta­re­fa que nos ocu­pa. O im­por­tan­te é ha­ver pra­zer e em­pe­nho, vi­ver no pre­sen­te, gos­tar do que se faz e apro­vei­tar ao má­xi­mo es­sa ex­plo­ra­ção de no­vos ter­ri­tó­ri­os. Em re­la­ção ao su­ces­so que te­nho con­se­gui­do, is­so é coi­sa que me es­pan­ta. Acho es­pan­to­so que te­nha con­se­gui­do tra­ba­lhar sem pa­rar ao lon­go des­tes anos to­dos e, pe­lo ca­mi­nho, ob­ti­do um cer­to grau de su­ces­so. Não dou na­da por ga­ran­ti­do.

O Na­tal ba­te à porta. Ain­da se lem­bra da pi­or pren­da que re­ce­beu? Co­mo é que li­da com

Mui­to sin­ce­ra­men­te, ado­ro o Na­tal. Cla­ro que me lem­bro do pi­or Na­tal da mi­nha vi­da. Nis­so acho que sou co­mo os ou­tros. O pi­or Na­tal não é sem­pre aque­le em que nos di­zem que, afinal, o Pai Na­tal é pu­ra fic­ção? Ou se­ja, foi nes­se Na­tal em que a re­a­li­da­de fi­cou al­te­ra­da. Uma pes­soa acor­da bem cedo, abre os olhos e só pen­sa «Aca­bou-se tu­do, a ma­gia, tu­do». Ve­ri­fi­quei que, tam­bém no ca­so dos meus fi­lhos, es­sa tran­si­ção po­dia ser pe­no­sa.

O que fa­ze­mos ago­ra, o meu ma­ri­do e eu, é man­ter a ideia de gran­de di­ver­ti­men­to e fan­ta­sia. Con­ti­nu­a­mos a di­zer e fa­zer tu­do co­mo se o Pai Na­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.