Do­en­tes gra­ves com ci­rur­gi­as adi­a­das

Os ad­mi­nis­tra­do­res hos­pi­ta­la­res fa­lam em pa­no­ra­ma “ex­tre­ma­men­te gra­ve” de­vi­do à gre­ve dos en­fer­mei­ros e di­zem que é im­pe­ra­ti­vo aca­bar com o pro­tes­to

Destak - - ATUALIDADE - JOÃO MO­NIZ Com Agên­cia Lusa

Exis­tem vá­ri­as si­tu­a­ções de do­en­tes que ne­ces­si­tam de for­ma ur­gen­te de uma ci­rur­gia sem que se­ja con­tem­pla­da pe­los ser­vi­ços mí­ni­mos, que na prá­ti­ca con­si­de­ram do­en­tes on­co­ló­gi­cos e os que en­tram pe­la por­ta da ur­gên­cia”, afir­ma à agên­cia Lusa o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Ad­mi­nis­tra­do­res Hos­pi­ta­la­res. O pro­ble­ma, ex­pli­ca Ale­xan­dre Lou­ren­ço, é que os ser­vi­ços mí­ni­mos de­cre­ta­dos para es­ta gre­ve dos en­fer­mei­ros são tí­pi­cos para um, dois ou três di­as, quan­do es­ta pa­ra­li­sa­ção, até até ao fi­nal de de­zem­bro, vai du­rar no to­tal mais de um mês. E os sin­di­ca­tos até já ad­mi­ti­ram pro­lon­gá-la para o iní­cio de 2019.

A si­tu­a­ção nos blo­cos ope­ra­tó­ri­os dos cin­co cen­tros hos­pi­ta­la­res afe­ta­dos “é ex­tre­ma­men­te gra­ve”. “Há um con­jun­to de do­en­tes que se não fo­rem ope­ra­dos vão ter da­nos cla­ros so­bre o seu es­ta­do de saú­de que não se­rá re­cu­pe­ra­do no cur­to ou no lon­go pra­zo”. Os ad­mi­nis­tra­do­res pe­dem mes­mo que o Mi­nis­té­rio da Saú­de di­vul­gue pu­bli­ca­men­te es­ses ca­sos ou en­tão que au­to­ri­ze os hos­pi­tais a fa­zê-lo.

Ale­xan­dre Lou­ren­ço não con­fir­ma o nú­me­ro de que es­tão a ser adi­a­das 500 ci­rur­gi­as por dia, co­lo­can­do an­tes o en­fo­que no sin­gu­lar. “Es­ta­mos a fa­lar de ca­sos in­di­vi­du­ais de do­en­tes que pe­la gra­vi­da­de do seu es­ta­do de saú­de vão ser pre­ju­di­ca­dos para a vi­da”. Por is­so mes­mo, o dirigente pe­de que Mi­nis­té­rio e sin­di­ca­tos se en­ten­dam para aca­bar com a gre­ve.

Mais pro­fis­si­o­nais pa­ra­dos

Por es­tes di­as, o SNS é igual­men­te aba­la­do pe­la gre­ve dos téc­ni­cos de di­ag­nós­ti­co e te­ra­pêu­ti­ca (TDT), que de­cor­re­rá em di­as in­ter­ca­la­dos até ao fim do ano. O pri­mei­ro des­ses pe­río­dos ini­ci­ou-se on­tem e ter­mi­na às 24h de ho­je.

A mi­nis­tra da Saú­de dis­se on­tem es­tar a ten­tar apro­xi­mar-se às ex­pec­ta­ti­vas des­tes pro­fis­si­o­nais e que na pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra ha­ve­rá uma reu­nião. Só que “os por­tu­gue­ses não nos per­do­a­ri­am se não es­co­lhês­se­mos as pri­o­ri­da­des cer­tas”.

Ad­mi­nis­tra­do­res não con­fir­mam que es­tão a ser adi­a­das 500 ci­rur­gi­as por dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.