O PSD se­rá um par­ti­do pe­que­no...

Destak - - LEITOR - TOMÁZ AL­BU­QUER­QUE Li­so­ba ADEMAR COS­TA Pó­voa de Var­zim

... se não mu­dar de lí­der ur­gen­te­men­te. Qu­al­quer ci­da­dão co­mum, so­ci­al-de­mo­cra­ta ou não, ou qu­al­quer ana­lis­ta po­lí­ti­co, já se aper­ce­beu que o Dr. Rui Rio tem vin­do a fa­lhar co­mo opo­si­ção for­te ao ac­tu­al Go­ver­no de An­tó­nio Cos­ta. Em po­lí­ti­ca, o que pa­re­ce é, e, se as elei­ções le­gis­la­ti­vas fos­sem já ama­nhã, na mi­nha vi­são, co­mo ex-mi­li­tan­te dos so­ci­ais­de­mo­cra­tas (dos tem­pos de Fran­cis­co Sá Carneiro, Pin­to Bal­se­mão e Ma­ga­lhães Mo­ta, fun­da­do­res do par­ti­do), o CDS-PP ob­te­ria me­lhor re­sul­ta­do do que Rui Rio. O tem­po pas­sa ra­pi­da­men­te, mas per­gun­to: se o ex­lí­der da ban­ca­da par­la­men­tar ‘la­ran­ja’, Luís Mon­te­ne­gro, se can­di­da­tar à pre­si­dên­cia do PSD, es­te, se ven­cer, não da­rá uma “vas­sou­ra­da” de al­to a bai­xo, na Bu­e­nos Ai­res? Cla­ro que sim! Rui Rio foi em tem­pos um bom se­cre­tá­rio-ge­ral, dos so­ci­ais­de­mo­cra­tas, mas co­mo tu­do na vi­da, tu­do mu­da, e, sal­vo o de­vi­do res­pei­to pe­lo atu­al lí­der, as “coi­sas às ve­zes têm de mu­dar”, co­mo diz, e bem, Luís Mon­te­ne­gro. im­pe­di­ti­va de jo­gar a ras­pa­di­nha com a pe­ri­cu­lo­si­da­de que os­ten­ta, na me­di­da que é um jo­go de re­sul­ta­do ime­di­a­to, mul­ti­pli­ca­ti­vo de cu­ri­o­si­da­de e ví­cio. A múl­ti­pla pu­bli­ci­da­de que a San­ta Ca­sa pro­mo­ve pa­ra in­cu­tir o jo­go de san­ta na­da tem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.