As­si­nan­tes do Dis­ney+ já são dez mi­lhões

Na Eu­ro­pa, 27% das pes­so­as já to­ma­ram me­di­das pa­ra com­ba­ter a ten­ta­ção do

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - Primeira Página - —CÁ­TIA RO­CHA ca­tia.ro­cha@di­nhei­ro­vi­vo.pt

O serviço de stre­a­ming Dis­ney+ foi lan­ça­do nes­ta se­ma­na, nos EUA, Ca­na­dá e Ho­lan­da. Ape­sar da ins­ta­bi­li­da­de do serviço no dia de lan­ça­men­to, a em­pre­sa anun­ci­ou que ul­tra­pas­sou os dez mi­lhões de subs­cri­to­res num dia. Os ana­lis­tas in­di­ca­vam que o Dis­ney+ ga­nha­ria en­tre dez e 18 mi­lhões de subs­cri­to­res num ano.

No ano pas­sa­do, Sun­dar Pi­chai, CEO da Go­o­gle, anun­ci­a­va um con­jun­to de fer­ra­men­tas de­di­ca­das a um úni­co ob­je­ti­vo: ga­ran­tir que os uti­li­za­do­res têm per­fei­ta cons­ci­ên­cia do tem­po que gas­tam ou a uti­li­zar o

A ideia é sim­ples: se sou­ber com que frequên­cia é que des­blo­queia o te­le­fo­ne ou quanto tem­po in­te­ra­ge com equi­pa­men­tos ele­tró­ni­cos, po­de ado­tar me­di­das pa­ra ter um equi­lí­brio mai­or en­tre o e o mun­do re­al.

Mag­gie Stanphill é a res­pon­sá­vel da Go­o­gle pe­lo de­sen­vol­vi­men­to des­se con­jun­to de fer­ra­men­tas, que ga­nham for­ma em vá­ri­as apli­ca­ções pa­ra

e fer­ra­men­tas in­cluí­das de raiz nas ver­sões mais re­cen­tes do An­droid. A tra­ba­lhar há 20 anos na área, Stanphill re­co­nhe­ce o in­te­res­se da in­dús­tria pe­la pro­mo­ção de há­bi­tos mais sau­dá­veis no uso de dis­po­si­ti­vos ele­tró­ni­cos. Pa­ra a di­re­to­ra da área de ex­pe­ri­ên­cia de uti­li­za­dor (UX) da Go­o­gle, a dis­po­ni­bi­li­za­ção des­te ti­po de fer­ra­men­tas vai ao en­con­tro das ne­ces­si­da­des de um con­su­mi­dor que é ca­da vez mais exi­gen­te. “Acho que os uti­li­za­do­res tam­bém já es­tão à es­pe­ra de um pro­du­to des­te gé­ne­ro e já es­pe­ram que as mar­cas fa­çam al­go mais do que uma con­ver­são ou aju­da nu­ma tran­sa­ção. E is­to tem mui­to que ver com a cri­a­ção de uma re­la­ção de con­fi­an­ça com o uti­li­za­dor, pa­ra ga­ran­tir que es­ta­mos a en­tre­gar-lhes bons va­lo­res pa­ra usa­rem os nos­sos pro­du­tos.”

Em pou­co mais de um ano, Mag­gie Stanphill des­cre­ve que es­tas fer­ra­men­tas ali­ci­a­ram mais uti­li­za­do­res a fa­ze­rem uma pau­sa do “Sa­be­mos que as pes­so­as es­tão a agir, a pes­qui­sa glo­bal apon­ta que uma em ca­da três pes­so­as nos Es­ta­dos Uni­dos já to­mou me­di­das pa­ra usar me­nos tec­no­lo­gia nes­te ano. Na Eu­ro­pa, os re­sul­ta­dos apon­tam pa­ra 27%.”

A dis­po­ni­bi­li­za­ção des­tas fer­ra­men­tas pa­ra pro­mo­ção de um uso mais res­pon­sá­vel da tec­no­lo­gia re­pre­sen­ta uma sé­ria pos­si­bi­li­da­de de apren­di­za­gem pa­ra a Go­o­gle, ga­ran­te. “Es­ta­mos a apren­der à me­di­da que de­sen­vol­ve­mos os pro­du­tos e há mui­to tra­ba­lho a fa­zer, mes­mo a ní­vel aca­dé­mi­co.” A di­re­to­ra de UX da Go­o­gle re­co­nhe­ce ain­da que é um de­sa­fio de­sen­vol­ver fer­ra­men­tas des­te gé­ne­ro, com tan­tos per­fis de uti­li­za­dor di­fe­ren­te. “A ques­tão do bem-es­tar di­gi­tal ou de qu­al­quer ou­tra fer­ra­men­ta de equi­lí­brio di­gi­tal é a ideia de que não há du­as pes­so­as iguais, há di­fe­ren­tes vi­sões do que é um bom dia re­co­nhe­ce, ex­pli­can­do que a gran­de am­bi­ção é a de­te­ção de “pon­tos co­muns” nos há­bi­tos dos uti­li­za­do­res.

“As pes­so­as ado­ram tec­no­lo­gia, tam­bém te­mos de per­ce­ber aqui­lo de que os con­su­mi­do­res es­tão à pro­cu­ra, mas sem che­gar ao ponto de ‘se­ques­trar’ o com­pu­ta­dor de um uti­li­za­dor e ser­mos nós a di­tar quanto tem­po é que po­dem pas­sar por dia.” Ape­sar das vá­ri­as di­fe­ren­ças en­tre mer­ca­dos e uti­li­za­do­res, Mag­gie Stanphill ga­ran­te que há al­go que é co­mum em to­do o glo­bo. “Sa­be­mos que os pais es­tão sem­pre pre­o­cu­pa­dos com o tem­po que os fi­lhos pas­sam

e is­so é al­go que es­tá a ala­van­car mui­ta des­ta es­tra­té­gia.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.