Re­o­ri­en­tar, sim; des­con­ti­nu­ar, ain­da não

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - A Abrir - ANTÓNIO SARAIVA

Co­me­çam a ser co­nhe­ci­dos al­guns in­di­ca­do­res eco­nó­mi­cos re­la­ti­vos a abril que dão con­ta da pro­fun­di­da­de e abran­gên­cia de uma cri­se ful­mi­nan­te, pro­nun­ci­a­da e sem pa­ra­le­lo nos úl­ti­mos cem anos, co­mo a ca­ra­te­ri­zou o Con­se­lho das Fi­nan­ças Pú­bli­cas. O se­tor do tu­ris­mo in­ter­rom­peu qua­se to­tal­men­te a sua ati­vi­da­de, com re­du­ções da or­dem dos 97% no nú­me­ro de dor­mi­das e de hós­pe­des. Na in­dús­tria trans­for­ma­do­ra, o ín­di­ce de pro­du­ção caiu 29%, em ter­mos ho­mó­lo­gos, com al­guns se­to­res atin­gi­dos de for­ma par­ti­cu­lar­men­te in­ten­sa, des­ta­can­do-se a que­da de 80% na in­dús­tria au­to­mó­vel.

No co­mér­cio a re­ta­lho, as ven­das re­gis­ta­ram uma va­ri­a­ção ho­mó­lo­ga ne­ga­ti­va de 21,6% (34,3% no ca­so dos pro­du­tos não ali­men­ta­res).

O pi­co des­ta cri­se, pa­ra mui­tas em­pre­sas, já te­rá si­do ul­tra­pas­sa­do. No en­tan­to, se o seu iní­cio foi, de fac­to, ful­mi­nan­te, os si­nais de me­lho­ria são ain­da mui­to té­nu­es.

É ver­da­de que a per­cen­ta­gem de em­pre­sas cu­ja ati­vi­da­de se en­con­tra to­tal­men­te en­cer­ra­da já es­tá em re­gres­são (de um má­xi­mo de 18%, no iní­cio de abril, pa­ra 8% na se­gun­da quin­ze­na de maio). Con­tu­do, no inqué­ri­to do INE/Ban­co de Por­tu­gal, 84% das em­pre­sas re­por­ta­ram uma es­ta­bi­li­za­ção ou uma va­ri­a­ção pou­co sig­ni­fi­ca­ti­va do vo­lu­me de ne­gó­ci­os, en­tre a pri­mei­ra e a se­gun­da quin­ze­na de maio, sen­do que 14% ain­da sen­ti­ram uma for­te re­du­ção. Ape­nas 2% re­fe­ri­ram que o vo­lu­me de ne­gó­ci­os au­men­tou mui­to.

Se, glo­bal­men­te, o in­di­ca­dor de cli­ma eco­nó­mi­co apre­sen­tou um li­gei­ro au­men­to em maio, os in­di­ca­do­res de con­fi­an­ça di­mi­nuí­ram no­va­men­te na in­dús­tria trans­for­ma­do­ra e nos ser­vi­ços, pro­lon­gan­do as que­das abrup­tas re­gis­ta­das em abril e atin­gin­do no­vos mí­ni­mos.

Ou­tros in­di­ca­do­res me­nos con­ven­ci­o­nais, co­mo o con­su­mo mé­dio de ele­tri­ci­da­de, con­ti­nu­am sem dar si­nais de me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va na ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca.

Tu­do is­to sig­ni­fi­ca que não é ain­da o tem­po de in­ter­rom­per o que já se mos­tra­va in­su­fi­ci­en­te fa­ce à di­men­são da cri­se: é tem­po, sim, de re­o­ri­en­tar e re­for­çar me­di­das, ao mes­mo tem­po que se de­se­nham es­tra­té­gi­as pa­ra a re­cu­pe­ra­ção.

Por is­so, as qua­tro Con­fe­de­ra­ções de Em­pre­ga­do­res que in­te­gram a Co­mis­são Per­ma­nen­te de Con­cer­ta­ção So­ci­al afir­ma­ram, a uma só voz, que, pe­ran­te a re­a­li­da­de que vi­ve­mos e que po­de­mos an­te­ver, não é, de to­do, sen­sa­to re­ti­rar efi­cá­cia a ins­tru­men­tos co­mo o lay-off sim­pli­fi­ca­do, que vem as­su­min­do uma uti­li­da­de e um im­pac­to ab­so­lu­ta­men­te vi­tais pa­ra evi­tar uma es­ca­la­da bru­tal no de­sem­pre­go.

Por is­so, re­co­nhe­ço tam­bém a im­por­tân­cia da ge­ne­ra­li­da­de das me­di­das anun­ci­a­das no qua­dro do Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Eco­nó­mi­ca e So­ci­al, que vêm, aliás, mui­tas de­las, ao en­con­tro das pro­pos­tas que a CIP tem apre­sen­ta­do.

En­ten­do es­te Pro­gra­ma, glo­bal­men­te, co­mo mais um pas­so na di­re­ção cer­ta; aqui­lo que de­se­jo é que che­gue com ur­gên­cia ao ter­re­no, en­cur­tan­do o hi­a­to que já se faz sen­tir, com o es­go­ta­men­to de mui­tas das me­di­das to­ma­das nu­ma pri­mei­ra fa­se, dei­xan­do de fo­ra mi­lha­res de em­pre­sas.

Es­pe­ro, fi­nal­men­te, que a pas­sa­gem de uma ló­gi­ca de emer­gên­cia a uma es­tra­té­gia de re­cu­pe­ra­ção se­ja con­ti­nu­a­da e re­for­ça­da, so­bre­tu­do com um fo­co mais ro­bus­to, mais abran­gen­te e mais ajus­ta­do num ve­tor fun­da­men­tal: a ca­pi­ta­li­za­ção das em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.