Aju­dar a TAP sem pre­con­cei­tos

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - A Abrir - JOANA PETIZ

Os aci­o­nis­tas pri­va­dos têm de mos­trar que que­rem in­ves­tir, que es­tão na TAP pa­ra fi­car, su­bli­nha o go­ver­no – que atra­sou a in­ter­ven­ção de for­ma a ten­tar for­çar a sua mão na ges­tão. O go­ver­no in­sis­te que quer pro­te­ger os in­te­res­ses na­ci­o­nais mas re­pre­en­deu a TAP por anun­ci­ar pla­nos de vo­os “an­tes de tem­po” – não re­a­gin­do, po­rém, ao anún­cio da easyJet de que re­to­ma­ria 75% dos vo­os em Por­tu­gal.

Se­ja­mos cla­ros. Quan­to mais ce­do for re­to­ma­da a ope­ra­ção da TAP, mais ce­do se es­ta­cam per­das. Per­das que são co­muns a to­das as com­pa­nhi­as eu­ro­pei­as, pro­vo­ca­das pe­la pan­de­mia, não por uma ges­tão de­sa­de­qua­da. E não é ao Es­ta­do que ca­be ge­rir li­nhas aé­re­as – a in­ter­fe­rên­cia pú­bli­ca na ges­tão pri­va­da já deu pro­vas su­fi­ci­en­tes de ine­fi­cá­cia e nes­te ca­so com a agra­van­te do gar­ro­te im­pos­to por Bru­xe­las aos au­xí­li­os de Es­ta­do.

A ver­da­de é que os pri­va­dos que com­pra­ram a TAP in­ves­ti­ram mui­to na com­pa­nhia e de­ram pro­vas de es­ta­rem em­pe­nha­dos em fi­car e ven­der Por­tu­gal no mun­do. Se os pre­juí­zos per­sis­ti­am an­tes da co­vid, eram jus­ti­fi­ca­dos pe­los pas­sos am­bi­ci­o­sos que fo­ram da­dos – ao con­trá­rio das dé­ca­das de ges­tão pú­bli­ca – e as do­res de cres­ci­men­to es­ta­vam a me­re­cer cui­da­dos até a pan­de­mia dei­xar to­dos os aviões em ter­ra. Foi a co­vid que deu o gol­pe na sus­ten­ta­bi­li­da­de da TAP. E pre­ten­der con­tar uma his­tó­ria di­fe­ren­te pa­ra ilu­dir a opi­nião pú­bli­ca, ou in­sis­tir nu­ma na­ci­o­na­li­za­ção que pe­las re­gras eu­ro­pei­as se­ria sen­ten­ça de mor­te, é de­so­nes­to. Ou re­ve­la­dor do mes­mo pre­con­cei­to ide­o­ló­gi­co que em­pur­rou es­te go­ver­no pa­ra a re­ver­são da pri­va­ti­za­ção, um mau ne­gó­cio que lhe ga­ran­tiu os 50% mas uns mí­se­ros 5% de po­der na TAP – e jus­ta­men­te, já que quem fi­nan­ci­ou, re­no­vou, mul­ti­pli­cou tra­ba­lha­do­res, ro­tas e frequên­ci­as fo­ram os pri­va­dos que em 2015 pe­ga­ram nu­ma com­pa­nhia fa­li­da, de aviões ve­lhos, qua­dros in­su­fi­ci­en­tes e pre­juí­zos bru­tais acu­mu­la­dos e a de­vol­ve­ram à vi­da.

O lock­down mun­di­al obri­gou a TAP – co­mo a Lufthan­sa, a Air Fran­ce e de­mais gi­gan­tes – a re­cor­rer ao apoio es­ta­tal. O im­pul­so, que po­de ir a 1,2 mil mi­lhões, foi apro­va­do na Eu­ro­pa mas o go­ver­no avi­sa – lá es­tão as re­gras de Bru­xe­las... – que tem de ser pa­go a seis me­ses ou le­va­rá a des­pe­di­men­tos e cor­tes na ope­ra­ção. O go­ver­no, não a TAP. Por­que os apoi­os eu­ro­peus são ex­ce­ci­o­nais e têm sem­pre con­di­ções.

Uma TAP pú­bli­ca não po­dia fi­nan­ci­ar-se de ou­tra for­ma que não pe­los seus re­sul­ta­dos – ou tor­nan­do-se em mais um ele­fan­te ali­men­ta­do pe­lo con­tri­buin­te.

P.S.: João Leão as­su­me se­gun­da-fei­ra a pas­ta das Fi­nan­ças, con­tan­do com António Men­don­ça Men­des, Cláu­dia Jo­a­quim, João Nu­no Men­des e Mi­guel Cruz co­mo se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do. Uma mu­dan­ça que se es­pe­ra que con­ti­nue a pri­vi­le­gi­ar o ri­gor das con­tas pú­bli­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.