Um pas­so (ain­da cur­to) na di­re­ção cer­ta

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - A Abrir - ANTÓNIO SARAIVA

No Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­da­de apre­sen­ta­do no mês pas­sa­do, o go­ver­no re­co­nhe­ceu co­mo um dos im­pac­tos de­cor­ren­tes da co­vid-19 o au­men­to dos pro­ble­mas as­so­ci­a­dos ao so­bre-en­di­vi­da­men­to em­pre­sa­ri­al. Pa­ra além da pres­são so­bre o cré­di­to mal­pa­ra­do, que o do­cu­men­to re­al­ça, e do ris­co ime­di­a­to de mui­tas em­pre­sas en­tra­rem em in­sol­vên­cia, o so­bre-en­di­vi­da­men­to cons­ti­tui um for­te cons­tran­gi­men­to ao re­lan­ça­men­to do in­ves­ti­men­to. As­sim, o seu agra­va­men­to co­lo­ca­ria as em­pre­sas nu­ma po­si­ção ain­da mais fra­gi­li­za­da no mo­men­to exi­gen­te da re­cu­pe­ra­ção. Acres­ce ain­da a mai­or vul­ne­ra­bi­li­da­de a aqui­si­ções hos­tis, com con­di­ções pro­pí­ci­as a quem pre­ten­da com­prar ao des­ba­ra­to o que mui­to tem­po e es­for­ço le­vou a cons­truir.

Por is­so, nas su­as pro­pos­tas pa­ra um Pla­no Ex­tra­or­di­ná­rio de Su­por­te à Eco­no­mia, a CIP de­fen­deu a re­o­ri­en­ta­ção das me­di­das de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, com um mai­or re­cur­so a in­cen­ti­vos a fun­do per­di­do (no­me­a­da­men­te atra­vés da trans­for­ma­ção da ga­ran­tia de Es­ta­do em in­cen­ti­vo não re­em­bol­sá­vel), bem co­mo a so­lu­ções que fa­vo­re­çam o re­for­ço de ca­pi­tais das em­pre­sas. A prin­ci­pal pro­pos­ta nes­te âm­bi­to con­sis­te num fun­do de fun­dos com três mil mi­lhões de eu­ros pa­ra ca­pi­ta­li­za­ção de em­pre­sas atra­vés dos fun­dos de ca­pi­tal de ris­co.

O Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Eco­nó­mi­ca e So­ci­al ago­ra anun­ci­a­do, e a que o Or­ça­men­to Su­ple­men­tar vem dar su­por­te fi­nan­cei­ro, avan­ça com al­gu­mas me­di­das que vêm ao en­con­tro des­tas pre­o­cu­pa­ções.

Con­tu­do, sen­do co­mo aqui clas­si­fi­quei um pas­so na di­re­ção cer­ta, es­ta ver­ten­te do pro­gra­ma é aque­la em que mos­tra mais ti­mi­dez e le­van­ta mais dú­vi­das quan­to à ca­pa­ci­da­de de che­gar ra­pi­da­men­te ao ter­re­no.

Há, de fac­to, um le­que alar­ga­do de no­vos in­cen­ti­vos não re­em­bol­sá­veis, mas a ideia cen­tral de con­ver­são par­ci­al de cré­di­to em fun­do per­di­do foi re­le­ga­da ape­nas pa­ra as mi­cro­em­pre­sas do tu­ris­mo, ape­sar de se sa­ber que o Exe­cu­ti­vo sub­me­teu a Bru­xe­las a pos­si­bi­li­da­de de es­se ins­tru­men­to ir até aos 1,6 mil mi­lhões de eu­ros.

Há, de fac­to, a in­ten­ção de cri­ar um fun­do pa­ra par­ti­ci­pa­ção em ope­ra­ções de ca­pi­ta­li­za­ção de em­pre­sas, mas a sua di­men­são não es­tá ain­da de­fi­ni­da e, des­de lo­go, cons­ta a in­di­ca­ção de ser di­ri­gi­do a “se­to­res es­tra­té­gi­cos”. Es­ta in­di­ca­ção si­na­li­za uma abran­gên­cia li­mi­ta­da e uma dis­cri­mi­na­ção de se­to­res que, no re­cen­te ca­so das li­nhas de cré­di­to, deu pro­vas, mais uma vez, de ser uma má re­cei­ta que de­pres­sa te­ve de ser aban­do­na­da. Qu­an­do me per­gun­tam quais os se­to­res “de fu­tu­ro”, res­pon­do que não sei e que es­pe­ro que ne­nhum go­ver­no te­nha a ve­lei­da­de de os de­fi­nir a pri­o­ri.

Acres­ce que es­te fun­do se­rá ge­ri­do pe­lo fu­tu­ro Ban­co Por­tu­guês de Fo­men­to. Qu­e­ro acre­di­tar que é des­ta vez que a pro­mes­sa de um ver­da­dei­ro ban­co de fo­men­to (ou “ban­co pro­mo­ci­o­nal”, co­mo ago­ra se diz em Bru­xe­las) se vai con­cre­ti­zar. Mas quan­to tem­po te­re­mos ain­da de es­pe­rar pa­ra que es­te­ja ap­to a ope­ra­ci­o­na­li­zar es­te fun­do?

Es­pe­ro, pois, que es­te Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção, com to­das as me­di­das ne­ces­sá­ri­as e per­ti­nen­tes que con­tém, evo­lua ra­pi­da­men­te pa­ra um ver­da­dei­ro Pro­gra­ma de Re­cu­pe­ra­ção, mais am­bi­ci­o­so, mais fo­ca­do no fu­tu­ro e nas con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra re­co­lo­car as em­pre­sas e a eco­no­mia na ro­ta do cres­ci­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.