Co­vid ti­rou-lhe ma­té­ria-pri­ma mas Hardlevel man­tém me­tas de ex­pan­são

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - Negócios - —TE­RE­SA COS­TA

Ape­sar de o fe­cho dos res­tau­ran­tes e dos ho­téis ter re­du­zi­do a quan­ti­da­de de óle­os alimentare­s usa­dos, em­pre­sa de Gaia quer che­gar à Chi­na ain­da nes­te ano.

O ob­je­ti­vo era che­gar ao fi­nal des­te ano com o tra­ta­men­to de 100 mil to­ne­la­das de óle­os alimentare­s usa­dos e con­ver­tê-los em ma­té­ria-pri­ma pa­ra a in­dús­tria dos bi­o­com­bus­tí­veis, mas o por­tu­guês com ori­gens in­di­a­nas Sa­lim Kar­ma­li, que par­ti­lha a ad­mi­nis­tra­ção da Hardlevel com o ir­mão, Ka­rim, con­si­de­ra ser “ce­do” pa­ra sa­ber se ain­da con­se­guem atin­gir es­sa quan­ti­da­de. Ape­sar da in­cer­te­za, man­têm as me­tas de ex­pan­são.

A dú­vi­da quan­to às 100 mil to­ne­la­das de­cor­re do efei­to im­pre­vis­to da pan­de­mia, que obri­gou ao fe­cho de ho­téis, res­tau­ran­tes e ca­fés, os prin­ci­pais for­ne­ce­do­res des­te ti­po de óle­os. O fac­to de as pes­so­as te­rem pas­sa­do a fa­zer mais re­fei­ções em ca­sa não se tra­du­ziu num au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo que pu­des­se com­pen­sar as per­das por via do ca­nal Ho­re­ca.

Mes­mo a fa­tu­ra­ção des­te ano de­ve­rá fi­car ao ní­vel de 2019, em tor­no dos 58 mi­lhões de eu­ros, va­lo­res sus­ten­ta­dos não ape­nas na ati­vi­da­de da em­pre­sa em Por­tu­gal, mas so­bre­tu­do no con­tri­bu­to de to­das as su­as sub­si­diá­ri­as, fru­to de aqui­si­ções em Es­pa­nha, na Ho­lan­da, na Bél­gi­ca e na Ma­lá­sia. Pa­ra 2021, as am­bi­ções são mais al­tas e pre­ve­em um vo­lu­me de ne­gó­ci­os a ron­dar os 100 mi­lhões de eu­ros, nu­ma ati­vi­da­de que já per­mi­tiu pou­par a emis­são de mais de um mi­lhão de to­ne­la­das de CO2.

Em Por­tu­gal, a em­pre­sa dis­per­sa-se por três ge­o­gra­fi­as: de­pois de ter nas­ci­do em Mi­ran­de­la (2006), tem ago­ra es­cri­tó­ri­os e se­de em Gaia, o cen­tro ope­ra­ci­o­nal de pré-tra­ta­men­to em Avan­ca (Es­tar­re­ja) e pre­pa­ra uma no­va fá­bri­ca em Pal­me­la, pa­ra pro­du­ção de bi­o­com­bus­tí­veis avan­ça­dos, ao la­do da qual nas­ce­rá um ar­ma­zém, que de­ve­rá fi­car pron­to da­qui a três me­ses. A uni­da­de fa­bril a sul re­pre­sen­ta um in­ves­ti­men­to de 33 mi­lhões de eu­ros e de­ve­rá ini­ci­ar ati­vi­da­de em 2021, com a cri­a­ção de 50 pos­tos de tra­ba­lho qua­li­fi­ca­dos (ain­da não vai con­tar pa­ra a me­ta de fa­tu­ra­ção dos 100 mi­lhões de eu­ros). Nes­te mo­men­to, o gru­po em­pre­ga 70 pes­so­as, a mai­or par­te em Por­tu­gal.

A no­va fá­bri­ca de Pal­me­la irá ape­nas pro­du­zir bi­o­com­bus­tí­veis de fu­tu­ro, is­to é, vão ser pro­du­zi­dos com ma­te­ri­ais me­nos no­bres, co­mo la­mas das estações de tra­ta­men­to de águas re­si­du­ais ou óle­os de cas­cas de fru­tos, “pa­ra evi­tar o uso de ma­té­ri­as-pri­mas vir­gens, co­mo óle­os que com­pe­tem com os alimentare­s (so­ja, col­za ou pal­ma). Con­cluiu-se que os ma­te­ri­ais me­nos no­bres têm uma pe­ga­da eco­ló­gi­ca subs­tan­ci­al­men­te in­fe­ri­or à dos óle­os vir­gens”, ex­pli­ca Sa­lim Kar­ma­li, de­no­tan­do a enor­me pre­o­cu­pa­ção am­bi­en­tal que nor­teia os prin­cí­pi­os dos dois ir­mãos.

De Avan­ca sa­em os óle­os já sem im­pu­re­zas e com al­guns pa­râ­me­tros cor­ri­gi­dos, que são ven­di­dos às re­fi­na­ri­as de bi­o­com­bus­tí­veis de em­pre­sas co­mo Galp, Prio ou Ibe­rol, em­bo­ra tam­bém te­nham ou­tros cli­en­tes no es­tran­gei­ro. Os bi­o­com­bus­tí­veis se­rão de­pois usa­dos nu­ma per­cen­ta­gem de­ter­mi­na­da por lei, na in­cor­po­ra­ção dos com­bus­tí­veis nor­mais (ga­só­leo e ga­so­li­na).

Um dos fa­to­res que de­ve­rão con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to do ne­gó­cio tem que ver com o alar­ga­men­to da re­de de oleões que a em­pre­sa tem es­pa­lha­dos pe­lo país, em par­ce­ria com os mu­ni­cí­pi­os. Ain­da no fi­nal de ju­lho, a Hardlevel assinou um acor­do com 19 au­tar­qui­as do Pla­nal­to Bei­rão, pa­ra a ins­ta­la­ção de 257 oleões in­te­li­gen­tes que irão ser­vir 345 mil ha­bi­tan­tes.

Tra­ta-se de uma evo­lu­ção na­tu­ral da ati­vi­da­de da em­pre­sa, uma vez que lan­çou, em 2017, a Re­de Na­ci­o­nal de Oleões in­te­li­gen­tes, a pri­mei­ra re­de or­ga­ni­za­da no país e a ní­vel eu­ro­peu pa­ra a re­co­lha des­te ti­po de re­sí­du­os. Até ao fi­nal do ano, há a ex­pec­ta­ti­va de alar­gar a re­de a mais 20 mu­ni­cí­pi­os, num pro­ces­so que de­ve­rá cul­mi­nar em 2023 com 5 mil oleões no país. Em pa­ra­le­lo, se­gue a re­de de 7 mil pon­tos de re­co­lha jun­to da res­tau­ra­ção.

Pon­tos por pré­mi­os

Quan­do fa­la­mos de oleões in­te­li­gen­tes es­ta­mos a fa­lar de equi­pa­men­tos con­ce­bi­dos pa­ra ras­tre­ar o ci­da­dão (op­ci­o­nal) que ne­les faz o de­pó­si­to e a quan­ti­da­de de­po­si­ta­da, en­tre ou­tras va­lên­ci­as. Pa­ra es­ti­mu­lar es­te ti­po de ser­vi­ço, es­tá em pre­pa­ra­ção a atri­bui­ção de pon­tos por en­tre­gas que po­dem ser con­ver­ti­dos em pré­mi­os, co­mo tro­ti­ne­tes ou bi­lhe­tes de aces­so a even­tos cul­tu­rais. Pa­ra tu­do is­to ser pos­sí­vel, bas­ta que o uti­li­za­dor des­car­re­gue uma apli­ca­ção pró­pria no seu te­le­mó­vel (app “re­no”).

O com­pro­mis­so dos ir­mãos na de­fe­sa do am­bi­en­te é for­te ao pon­to de Sa­lim ter con­cluí­do o cur­so de Medicina, em Lis­boa, ten­do op­ta­do, quan­do es­ta­va no 4.o ano, aos 21, por avan­çar com o ir­mão, na al­tu­ra com 25, no ne­gó­cio dos óle­os. Ka­rim li­cen­ci­ou-se em Bi­o­lo­gia e pós-gra­du­ou-se em En­ge­nha­ria Sa­ni­tá­ria e Tra­ta­men­to de Re­sí­du­os.

Mas ain­da há mui­to a fa­zer. Sa­lim no­ta que há es­cas­sez de ma­té­ria-pri­ma: “Es­ti­mam-se em mais de 200 mil to­ne­la­das as ne­ces­si­da­des anu­ais das em­pre­sas de bi­o­com­bus­tí­veis, mas Por­tu­gal ape­nas pro­duz 15 mil to­ne­la­das por ano de óle­os alimentare­s usa­dos.” Fa­ce à re­a­li­da­de, os dois em­pre­sá­ri­os es­tão a pro­cu­rar ver­ti­ca­li­zar o ne­gó­cio, pa­ra ga­nhar es­ca­la e as­se­gu­rar o vo­lu­me ne­ces­sá­rio pa­ra as re­fi­na­ri­as.

Pa­ra es­sa as­cen­são, con­tam com a en­tra­da de um in­ves­ti­dor es­tra­té­gi­co no ca­pi­tal, uma ope­ra­ção ain­da con­fi­den­ci­al, ten­do em con­ta que o ne­gó­cio es­tá em cur­so, em­bo­ra ha­ja a ex­pec­ta­ti­va de que fi­que con­cluí­do até ao fi­nal do ano.

So­bre o fu­tu­ro, o ob­je­ti­vo mais pró­xi­mo é re­pli­car em Es­pa­nha a re­de de oleões com as co­mar­cas lo­cais. Quan­to à Chi­na, em­bo­ra a abor­da­gem te­nha si­do pre­ju­di­ca­da pe­la co­vid, man­têm a es­pe­ran­ça de con­se­guir en­trar no mer­ca­do “até ao fi­nal do ano”. Já a Amé­ri­ca do Sul, ain­da sem um país de­fi­ni­do, cons­ta dos ob­je­ti­vos de 2021.

Ape­sar de o ne­gó­cio dos ir­mãos Kar­ma­li ain­da ser 100% por­tu­guês, as ori­gens da fa­mí­lia são bem di­ver­si­fi­ca­das. Sa­lim con­ta que o pai nas­ceu em Mo­çam­bi­que, nu­ma fa­mí­lia da Ín­dia e do Pa­quis­tão. O pai foi pa­ra Lon­dres aos 18 anos, on­de co­nhe­ceu a que vi­ria ser a mãe, com ori­gens em Trás-os-Mon­tes, mas nas­ci­da em São To­mé. O ir­mão mais ve­lho ain­da nas­ceu em Lon­dres, mas com a in­gres­são do pai no LNETI, Sa­lim já nas­ceu em Lis­boa, ci­da­de on­de os ir­mãos con­cluí­ram os es­tu­dos. Ago­ra, vi­vem am­bos em Gaia. Sau­da­des da Medicina, Sa­lim? “Era mui­to no­vo, mas te­nho a pos­si­bi­li­da­de de, igual­men­te, to­car vi­das.”

Ir­mãos em­pre­sá­ri­os que­rem ago­ra re­pli­car em Es­pa­nha a re­de de oleões in­te­li­gen­tes, um ne­gó­cio pi­o­nei­ro no país e na Eu­ro­pa, que vão mon­tar em par­ce­ria com os mu­ni­cí­pi­os.

A Aca­de­mia das Apos­tas, si­te de ori­gem por­tu­gue­sa cons­truí­do por apos­ta­do­res pa­ra apos­ta­do­res, aca­ba de ex­pan­dir a sua pre­sen­ça a Mo­çam­bi­que, Nigéria e Pe­ru, mer­ca­dos on­de o jo­go e as apos­tas on­li­ne es­tão em fran­co cres­ci­men­to. Lí­der em Por­tu­gal e no Bra­sil, a pla­ta­for­ma de Pau­lo Re­be­lo (tra­der pro­fis­si­o­nal), Pedro Sar­di­nha e Rui Bar­bo­sa dis­po­ni­bi­li­za in­for­ma­ção de re­sul­ta­dos de jo­gos em di­re­to, prog­nós­ti­cos, es­ta­tís­ti­cas de clu­bes e de jo­ga­do­res, aná­li­ses, con­cur­sos de prog­nós­ti­cos e in­clu­si­ve um cur­so de apos­tas des­por­ti­vas. Co­mo su­bli­nham os fun­da­do­res, é im­por­tan­te que o apos­ta­dor es­te­ja bem in­for­ma­do, sai­ba o que é uma odd (pro­ba­bi­li­da­de de ocor­rer de­ter­mi­na­do re­sul­ta­do), o seu va­lor, cui­da­dos a ter – e tam­bém quan­do de­ve pa­rar.

Cri­a­da há dez anos, a Aca­de­mia de Apos­tas tem em Por­tu­gal e no Bra­sil os prin­ci­pais mer­ca­dos, em­bo­ra mar­que pre­sen­ça em 30 paí­ses, mas na mai­o­ria ain­da de for­ma po­si­ci­o­nal, uma vez que o cus­to de en­tra­da é mui­to bai­xo, ex­pli­cam os empreended­ores. A ex­pan­são in­ter­na­ci­o­nal é de­ter­mi­na­da pe­la afluên­cia de uti­li­za­do­res ao si­te. Quan­do a

Aca­de­mia re­gis­ta um mo­vi­men­to as­cen­den­te de trá­fe­go ana­li­sa o ta­ma­nho do mer­ca­do, a lín­gua mais fa­la­da, a legislação, o aces­so à in­ter­net e in­clu­si­ve o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) per ca­pi­ta e a sua dis­tri­bui­ção pa­ra sa­ber se uma apos­ta nes­sa ge­o­gra­fia tem po­ten­ci­al. Foi o ca­so nes­tes três no­vos mer­ca­dos. Mas os de­sa­fi­os a que se pro­põe não fi­cam por aqui.

Nes­te mo­men­to, a Aca­de­mia das Apos­tas ope­ra em por­tu­guês, in­glês e es­pa­nhol, mas já apon­ta es­pin­gar­das à lín­gua fran­ce­sa. Co­mo re­co­nhe­cem os fun­da­do­res, um pas­so de­ter­mi­nan­te pa­ra a sua evo­lu­ção se­rá lan­çar o si­te em fran­cês e es­tar nos mer­ca­dos afri­ca­nos on­de im­pe­ra es­se idi­o­ma.

Mais de 50 mil vi­si­tas

O so­nho de cres­cer não se fi­ca por aqui. Pa­ra os fun­da­do­res des­te pro­je­to, em li­nha há dez anos (ain­da nem se­quer ha­via jo­go on­li­ne re­gu­la­do em Por­tu­gal), os ver­da­dei­ros mer­ca­dos de so­nho são o ame­ri­ca­no e o eu­ro­peu. Nes­te úl­ti­mo ca­so, é mui­to di­fí­cil ga­nhar es­pa­ço “por­que a con­cor­rên­cia é mui­ta e o jo­go on­li­ne é am­pla­men­te di­vul­ga­do e co­nhe­ci­do”, di­zem.

Por dia, os di­fe­ren­tes si­tes da Aca­de­mia das Apos­tas re­gis­tam mais de 50 mil vi­si­tas, mais de 1,5 mi­lhões men­sais, sen­do que ape­nas 30% des­ses vi­si­tan­tes “ve­em uma pá­gi­na por ses­são, os res­tan­tes 70% con­ti­nu­am a na­ve­gar no si­te”, fri­sam os três só­ci­os.

São 200 mil ins­cri­tos que ace­dem gra­tui­ta­men­te a uma pa­nó­plia de in­for­ma­ção, on­de se ins­cre­vem mais de 500 mo­da­li­da­des. O fu­te­bol é rei, mas tam­bém há dados pa­ra té­nis, des­por­tos de com­ba­te, cor­ri­das de ca­va­los, basquetebo­l, até eS­ports. Pa­ra ca­da mer­ca­do há do­mí­ni­os per­so­na­li­za­dos.

Par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais

Em Por­tu­gal, o si­te con­ta com 115 mil ins­cri­tos. No Bra­sil, con­ta­bi­li­za 75 mil. Com base nes­tes nú­me­ros, a Aca­de­mia afir­ma-se lí­der no mer­ca­do de lín­gua por­tu­gue­sa. “Por ser­mos um dos mais an­ti­gos, pe­las con­ver­sas que te­mos com par­cei­ros, por al­gu­mas fer­ra­men­tas que exis­tem on­li­ne pa­ra me­dir o trá­fe­go dos si­tes, afir­ma­mos que so­mos lí­de­res em Por­tu­gal e no Bra­sil”, jus­ti­fi­cam.

Os três ami­gos, que em­pre­gam uma equi­pa de 30 co­la­bo­ra­do­res, têm co­mo par­cei­ros ope­ra­do­res in­ter­na­ci­o­nais co­mo a Bet365, a Bet­fair, a Wil­li­am Hill, a Betway ou a Po­kers­tars, es­ta úl­ti­ma tam­bém ins­ta­la­da no mer­ca­do na­ci­o­nal.

FO­TO: PEDRO COR­REIA/GI

Sa­lim e Ka­rim Kar­ma­li nas ins­ta­la­ções em Avan­ca on­de os óle­os têm o pri­mei­ro tra­ta­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.