Pe­dro Fer­raz da Cos­ta “Su­bir o sa­lá­rio mí­ni­mo nes­ta al­tu­ra é uma ideia cri­mi­no­sa”

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - Entrevista -

coi­sa que fi­zes­se sen­ti­do. Mas o pla­no con­se­gue não ter opi­nião fir­me – de­pois apro­va­da pe­lo go­ver­no – so­bre a bi­to­la eu­ro­peia. Não te­nho gran­des dú­vi­das que da­qui a pou­co o trans­por­te ro­do­viá­rio de lon­ga dis­tân­cia vai ser proi­bi­do por ra­zões am­bi­en­tais. Por­tan­to ou tra­ta­mos dis­so ago­ra com es­se di­nhei­ro ou fi­ca­mos nu­ma si­tu­a­ção de uma ilha sem pos­si­bi­li­da­de de ex­por­tar.

No to­tal, Por­tu­gal vai re­ce­ber de Bru­xe­las mais de 15 mil mi­lhões a fun­do per­di­do. É su­fi­ci­en­te?

A ex­pres­são fun­do per­di­do é pre­mo­ni­tó­ria. Há uma di­fe­ren­ça fun­da­men­tal en­tre as pes­so­as to­ma­rem de­ci­sões com o seu di­nhei­ro e com o dos ou­tros. O di­nhei­ro dos ou­tros cor­re sem­pre mais ris­co de ser mal usa­do. Es­se mon­tan­te de fun­dos é mais do do­bro do que cos­tu­má­va­mos ter dos di­ver­sos me­ca­nis­mos de apoio da UE – e que têm si­do ge­ne­ro­sos, mas com os quais não con­se­gui­mos mais do que um cres­ci­men­to ané­mi­co e uma si­tu­a­ção de de­pen­dên­cia em re­la­ção ao in­ves­ti­men­to. Há mui­tos se­to­res que se ha­bi­tu­a­ram – na mi­nha opi­nião, mal – a só in­ves­tir se ti­ve­rem fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os. Te­mos ati­vi­da­des mui­to pou­co ren­tá­veis e que as­sim não se rein­ven­tam ou re­no­vam.

Não é uma ques­tão de quan­to vem mas de co­mo se­rá apli­ca­do e com que res­pon­sa­bi­li­da­de?

Eu en­ten­do a po­si­ção do go­ver­no, por­que cor­re o ris­co de, se dei­xar mui­to di­nhei­ro pa­ra o se­tor pri­va­do, ele não ser gas­to. De fac­to, as con­di­ções de in­ves­ti­men­to são mui­to pou­co atra­en­tes. Há dé­ca­das que os go­ver­nos aca­bam por fa­zer mui­to in­ves­ti­men­to pú­bli­co por­que sa­bem que as­sim em­pre­gam aque­las pes­so­as que man­te­mos em Por­tu­gal com ní­veis de es­co­la­ri­da­de mui­to bai­xos, com mui­to pou­cas qua­li­fi­ca­ções e que se ca­lhar não te­ri­am lu­gar na eco­no­mia do fu­tu­ro. De­vía­mos olhar is­so de­ci­si­va­men­te e ter uma eco­no­mia mui­to mais ba­se­a­da em co­nhe­ci­men­to, no­vas tec­no­lo­gi­as e no­vas co­mu­ni­ca­ções, apro­vei­tan­do em cheio as opor­tu­ni­da­des.

E is­so con­se­gue-se co­mo?

Pa­ra is­so ser pos­sí­vel te­mos de ter uma eco­no­mia mais fle­xí­vel e di­nâ­mi­ca. E al­gum mer­ca­do de ca­pi­tais on­de as em­pre­sas pos­sam fi­nan­ci­ar cres­ci­men­tos sig­ni­fi­ca­ti­vos. Atra­vés de cré­di­to, com as di­fi­cul­da­des que os ban­cos têm ho­je e os cri­té­ri­os de con­ces­são de cré­di­to, vai ser di­fí­cil.

As pre­vi­sões fei­tas no iní­cio da pan­de­mia apon­tam pa­ra uma reNas

Vai de­pen­der mui­to dos se­to­res e da fle­xi­bi­li­da­de da eco­no­mia. Por cau­sa das ca­rac­te­rís­ti­cas do sis­te­ma eco­nó­mi­co e so­ci­al nor­te-ame­ri­ca­no, os EUA des­tro­em pos­tos de tra­ba­lho a uma ve­lo­ci­da­de mui­to mai­or do que a Eu­ro­pa, mas tam­bém os re­cri­am a gran­de ve­lo­ci­da­de e is­so per­mi­te a adap­ta­ção da eco­no­mia a uma no­va con­jun­tu­ra, por­que po­dem aca­bar com o que já não é útil e fa­zer ou­tras coi­sas. Na Eu­ro­pa não é de to­do as­sim, e ain­da me­nos em Por­tu­gal e Es­pa­nha, que têm das le­gis­la­ções de tra­ba­lho mais rí­gi­das no que res­pei­ta a des­pe­di­men­tos.

Mes­mo de­pois da troi­ka?

Sim. Te­mos prin­ci­pal­men­te, e in­de­pen­den­te­men­te do cus­to dos des­pe­di­men­tos, im­pre­vi­si­bi­li­da­de. Há mui­tas coi­sas de­ci­di­das em tri­bu­nal. Pa­ra as em­pre­sas mais pe­que­nas, a com­ple­xi­da­de dos sis­te­mas é um obs­tá­cu­lo qua­se in­trans­po­ní­vel. E is­so é vis­to pe­los in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros. Fa­la­mos mui­to na Au­to­eu­ro­pa co­mo exem­plo de gran­de su­ces­so, mas nes­te pe­río­do cons­truí­ram-se em Es­pa­nha 14 fá­bri­cas. Nós so­mos mais pe­que­nos, mas po­día­mos ter uma se­gun­da Au­to­eu­ro­pa, mas nos úl­ti­mos 20 anos fo­mos in­ca­pa­zes de atrair in­ves­ti­men­to com es­sa di­men­são pa­ra a in­dús­tria.

A apos­ta na in­dús­tria é cha­ve?

A in­dús­tria tem um pa­pel so­ci­al in­subs­ti­tuí­vel de pe­gar em pes­so­as com ní­veis de qua­li­fi­ca­ção re­la­ti­va­men­te bai­xos e pô-las em em­pre­go pro­du­ti­vo. A mai­o­ria de­las não vai pa­ra star­tups nem na­da mui­to so­fis­ti­ca­do, mas con­se­guem ser mais bem re­mu­ne­ra­das na in­dús­tria do que em qual­quer ou­tro se­tor.

O go­ver­no tem to­ma­do as me­di­das cer­tas pa­ra evi­tar que a pan­de­mia se es­pa­lhe e pro­te­ger a eco­no­mia ou de­vía­mos ser mais co­mo a Sué­cia?

Mais que ser­mos Sué­cia ou Ale­ma­nha de­vía­mos, no que fa­ze­mos, fa­zer me­lhor e mais de­pres­sa. É-me in­com­pre­en­sí­vel que se de­mo­re seis me­ses a cri­ar equi­pas es­pe­ci­a­li­za­das pa­ra apoi­ar os la­res quan­do o pro­ble­ma era ób­vio e es­ta­va di­ag­nos­ti­ca­do de iní­cio. De res­to, acho que fi­ze­mos de me­nos em re­la­ção aos gru­pos de mai­or ris­co e fi­ze­mos de mais no que res­pei­ta aos mais no­vos. Não de­vía­mos ter fe­cha­do as es­co­las, mas dei­xou-se cri­ar um cli­ma de pâ­ni­co e uma von­ta­de enor­me de não dar au­las. Mui­ta gen­te sen­tiu-se con­for­tá­vel nes­ta si­tu­a­ção.

Se as pes­so­as não ti­ve­rem me­do de dei­xar de re­ce­ber or­de­na­do é evi­den­te que fi­cam me­lhor em casa. Hou­ve as­pe­tos mui­to agra­dá­veis, es­ta­mos qua­se to­dos com me­lhor ca­ra, mas a vi­da não é is­so.

O go­ver­no man­tém a in­ten­ção de au­men­tar o sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal (SMN) no pró­xi­mo ano. Con­cor­da com es­ta op­ção?

Nes­te mo­men­to é uma ideia cri­mi­no­sa. Há uma per­cen­ta­gem mui­to ele­va­da da po­pu­la­ção ati­va com ní­veis de es­co­la­ri­da­de bai­xís­si­mos e se per­de­rem o em­pre­go vão ter di­fi­cul­da­de em en­con­trar tra­ba­lho. Se co­me­ça­mos a tor­nar mais di­fí­cil ain­da a sub­sis­tên­cia de em­pre­gos pou­co pro­du­ti­vos, va­mos per­dê-los – is­so vai cair so­bre a Se­gu­ran­ça So­ci­al. É ex­tra­or­di­ná­rio que o mi­nis­tro das Finanças te­nha vin­do com es­sa ideia. Nor­mal­men­te, o mi­nis­tro das Finanças é a voz de bom sen­so que cha­ma a aten­ção pa­ra cer­tas re­a­li­da­des da vi­da. Es­te deu um ar­zi­nho da sua gra­ça mas ao con­trá­rio. A dis­cus­são do SMN é in­qui­na­da à par­ti­da, por­que o go­ver­no tem to­do o in­te­res­se em que su­ba – é po­pu­lar e au­men­ta as receitas da Se­gu­ran­ça So­ci­al. As en­ti­da­des pa­tro­nais es­tão ven­ci­das à par­ti­da. Nem per­ce­bo o que an­dam a fa­zer na con­cer­ta­ção so­ci­al: nun­ca con­se­gui­ram van­ta­gem pa­ra a ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca.

Em ou­tu­bro, as em­pre­sas que re­cor­re­ram ao lay-off dei­xam de es­tar proi­bi­das de des­pe­dir. Vem aí uma on­da de des­pe­di­men­tos?

Vai ha­ver des­pe­di­men­tos e em­pre­sas abai­xo de de­ter­mi­na­da di­men­são vão sim­ples­men­te de­sa­pa­re­cer. Va­mos ter de­sem­pre­go pa­ra os em­pre­ga­dos e pa­ra os pa­trões, vai ser de­sem­pre­go pa­ra to­da a gen­te.

Há três anos dis­se que ti­nha pe­na que a troi­ka se ti­ves­se ido em­bo­ra. Ain­da pen­sa as­sim?

Acho que sim. Não fi­ze­mos, nes­tes três anos, uma só re­for­ma es­tru­tu­ral que au­men­te as con­di­ções de pro­du­ti­vi­da­de do país.

FO­TO: OR­LAN­DO AL­MEI­DA/GI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.