Isa­bel Ca­ma­ri­nha “Te­me­mos uma va­ga de des­pe­di­men­tos de­pois do lay-off”

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - Entrevista - Texto: Pau­lo Ribeiro Pin­to e Hu­go Neu­tel (TSF)

Se­cre­tá­ria-ge­ral da CGTP não acei­ta uma su­bi­da do sa­lá­rio mí­ni­mo abai­xo de 35€ em 2021 – um “pas­so sig­ni­fi­ca­ti­vo” se­ri­am mais 90€. E acu­sa a ACT de fa­lhar na fis­ca­li­za­ção do

Na pró­xi­ma se­ma­na va­mos co­nhe­cer o Or­ça­men­to pa­ra 2021. Se ti­ves­se de es­co­lher uma me­di­da fun­da­men­tal, qual se­ria?

É di­fí­cil es­co­lher, mas pa­ra a CGTP a ques­tão do au­men­to ge­ral dos sa­lá­ri­os e do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal é a que mais se co­lo­ca de mo­men­to, sen­do que se ar­ti­cu­la com um con­jun­to de ou­tras pri­o­ri­da­des que tam­bém nos são fun­da­men­tais.

O que a CGTP ain­da não dis­se é qual é o sa­lá­rio mí­ni­mo que gos­ta­va de ver no pró­xi­mo ano.

As con­clu­sões do Con­se­lho Na­ci­o­nal da CGTP re­la­ti­va­men­te às pri­o­ri­da­des rei­vin­di­ca­ti­vas pa­ra 2021 são que, pa­ra ha­ver me­lho­ria das con­di­ções de vida dos tra­ba­lha­do­res, o au­men­to de re­fe­rên­cia que pro­po­mos, de 90 euros, se­ria um pas­so sig­ni­fi­ca­ti­vo. Re­la­ti­va­men­te ao sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal te­mos a rei­vin­di­ca­ção de atin­gir­mos os 850 euros no mais cur­to pra­zo, por­que acre­di­ta­mos que é pos­sí­vel ne­go­ci­ar e ca­mi­nhar nes­se sen­ti­do, mas pa­ra is­so os au­men­tos do sa­lá­rio mí­ni­mo têm de ter um vo­lu­me sig­ni­fi­ca­ti­vo.

Mas nun­ca se­rá mais do que os 30 euros, pe­lo que se per­ce­beu até ago­ra.

As in­di­ca­ções que têm vin­do do go­ver­no têm si­do nes­sa ba­se, mas pa­ra nós é in­su­fi­ci­en­te por­que, de fac­to, o que te­mos no país é um mo­de­lo de bai­xos sa­lá­ri­os, fra­co apa­re­lho pro­du­ti­vo, de de­sin­ves­ti­men­to nos ser­vi­ços pú­bli­cos, in­ten­sa pre­ca­ri­e­da­de que, na úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra, te­ve al­guns avan­ços e re­cu­pe­ra­ção e até au­men­to de ren­di­men­tos e di­rei­tos, mas que não re­sol­veu o pro­ble­ma.

Pa­ra a CGTP um au­men­to ra­zoá­vel te­ria de ser sem­pre aci­ma dos 35 euros, cer­to?

Sem dú­vi­da al­gu­ma.

Mas não ad­mi­te que, com tan­tas em­pre­sas em enor­me di­fi­cul­da­de, o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo nes­ta al­tu­ra pos­sa até ser con­tra­pro­du­cen­te pa­ra os tra­ba­lha­do­res?

Is­so é um ar­gu­men­to fa­la­ci­o­so por­que as em­pre­sas não são to­das iguais. Os cus­tos com o tra­ba­lho re­pre­sen­tam um pe­que­na par­te do cus­to ge­ral das em­pre­sas. Is­to são da­dos do Ban­co de Por­tu­gal, en­tre 16% e 18%. O au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo, mes­mo que fos­se sig­ni­fi­ca­ti­vo, te­ria um efei­to re­du­zi­do no cus­to ge­ral das em­pre­sas.

O go­ver­no anun­ci­ou uma sus­pen­são de 18 me­ses da ca­du­ci­da­de da con­tra­ta­ção co­le­ti­va. É su­fi­ci­en­te pa­ra si?

Es­sa é mais uma das nos­sas pri­o­ri­da­des pa­ra 2021. Na re­vo­ga­ção das nor­mas gra­vo­sas da le­gis­la­ção la­bo­ral, a ca­du­ci­da­de das con­ven­ções co­le­ti­vas é uma de­las. Des­de que o Có­di­go do Tra­ba­lho foi apro­va­do, te­ve efei­to de blo­queio na con­tra­ta­ção co­le­ti­va e es­ta é fun­da­men­tal pa­ra o pro­gres­so. A ca­du­ci­da­de é uma das for­mas que o pa­tro­na­to tem de im­pe­dir a ne­go­ci­a­ção e fa­zer chan­ta­gem com as­so­ci­a­ções sin­di­cais. Con­si­de­ra­mos é que es­ta nor­ma tem de ser re­vo­ga­da.

O go­ver­no ga­ran­te que a aju­da eu­ro­peia que aí vem, em va­lo­res nun­ca vis­tos, não vai con­ver­ter-se em aus­te­ri­da­de. Acre­di­ta?

A úni­ca coi­sa que te­mos, por en­quan­to, é aque­le Plano de Re­cu­pe­ra­ção e Re­si­li­ên­cia que es­ta­be­le­ce pa­râ­me­tros mui­to ge­rais e não nos per­mi­te uma aná­li­se clara. Te­mos de ga­ran­tir o au­men­to dos sa­lá­ri­os por­que é is­so que vai as­se­gu­rar pro­du­ti­vi­da­de e com­pe­ti­ti­vi­da­de. Es­tá­va­mos a falar de le­gis­la­ção la­bo­ral e ca­du­ci­da­de, mas po­día­mos falar da des­re­gu­la­ção dos ho­rá­ri­os de tra­ba­lho pra­ti­ca­dos no nos­so país. A CGTP tem a rei­vin­di­ca­ção pe­las 35 ho­ras, mes­mo que atin­gi­das de for­ma gra­du­al.

A par­tir des­te mês, mui­tas em­pre­sas que re­cor­re­ram ao lay-off sim­pli­fi­ca­do dei­xam de es­tar im­pe­di­das de des­pe­dir. Te­me uma va­ga de des­pe­di­men­tos?

Des­de o iní­cio que dis­se­mos que era pre­ci­so im­pe­dir to­dos os des

“O go­ver­no ago­ra tem de tomar me­di­das pa­ra que não ha­ja es­sa on­da de des­pe­di­men­tos [com o fim da proi­bi­ção].”

pe­di­men­tos e não era su­fi­ci­en­te o que o go­ver­no ti­nha co­lo­ca­do nas me­di­das es­pe­cí­fi­cas des­ta fa­se. Is­to já acon­te­ceu nes­te pe­río­do, mes­mo com a proi­bi­ção, por­que es­ta re­fe­ria-se a des­pe­di­men­tos co­le­ti­vos ou por ex­tin­ção de pos­to de tra­ba­lho. Ti­ve­mos mi­lha­res de tra­ba­lha­do­res com vín­cu­lo pre­cá­rio que fo­ram des­pe­di­dos, mes­mo que do ponto de vis­ta ofi­ci­al não se con­si­de­re des­pe­di­men­to – mas são des­pe­di­men­tos. Ago­ra te­mos es­te pe­río­do de no­jo e de­pois as em­pre­sas es­tão li­vres. O go­ver­no tem de tomar me­di­das pa­ra que não ha­ja es­sa on­da de des­pe­di­men­tos.

Te­me-a?

Na­tu­ral­men­te que te­me­mos que as em­pre­sas apro­vei­tem, co­mo es­tão a apro­vei­tar, pa­ra re­ti­rar di­rei­tos aos tra­ba­lha­do­res. Es­ta ques­tão dos ho­rá­ri­os, ago­ra com a aju­da do go­ver­no nes­ta ques­tão do des­fa­sa­men­to em si­tu­a­ção de con­tin­gên­cia... a ver­da­de é que se es­tá a ten­tar pas­sar uma bor­ra­cha por ci­ma dos di­rei­tos la­bo­rais.

A CGTP de­nun­ci­ou ca­sos de abu­so das em­pre­sas com lay-off sim

Não. Até hou­ve re­for­ço da ACT, por pres­são nos­sa, mas não só é in­su­fi­ci­en­te co­mo tem de ha­ver ori­en­ta­ção e exi­gên­cia por par­te da ACT quan­do faz as in­ter­ven­ções. O nú­me­ro de si­tu­a­ções é imen­so, não se che­ga a to­do o la­do, mas além dis­so há per­mis­si­vi­da­de, no­me­a­da­men­te nes­ta ques­tão da pre­ca­ri­e­da­de. Um tra­ba­lha­dor que tem um pos­to de tra­ba­lho per­ma­nen­te não po­de ter um vín­cu­lo pre­cá­rio.

Es­te no­vo mun­do do te­le­tra­ba­lho pa­re­ce ter vin­do pa­ra fi­car. A CGTP tem re­ce­bi­do qu­ei­xas nes­te âm­bi­to?

Mui­tas qu­ei­xas e a cons­ta­ta­ção do apro­vei­ta­men­to que é fei­to pe­las en­ti­da­des pa­tro­nais do te­le­tra­ba­lho. O te­le­tra­ba­lho em si po­de jus­ti­fi­car-se em si­tu­a­ções mui­to con­cre­tas e até ad­mi­ti­mos que é na­tu­ral, mais ain­da com es­te au­men­to de in­fe­ções, que os tra­ba­lha­do­res te­nham re­ceio.

Há uma ques­tão prá­ti­ca: as pes­so­as em te­le­tra­ba­lho gas­tam luz e con­su­mos pa­ra es­ta­rem em con­tac­to com a em­pre­sa.

O tra­ba­lha­dor não tem de pa­gar os cus­tos que de­ve­ri­am ser da em­pre­sa. Pa­ra as em­pre­sas, a ge­ne­ra­li­za­ção do te­le­tra­ba­lho se­ria uma pou­pan­ça enor­me de cus­tos e es­ses cus­tos não po­dem pas­sar pa­ra o tra­ba­lha­dor, se­não es­ta­mos a re­du­zir o seu sa­lá­rio.

Tam­bém é ver­da­de que o tra­ba­lha­dor dei­xa de ter cus­tos com trans­por­tes.

Que nas gran­des áre­as me­tro­po­li­ta­nas se re­du­zi­ram mui­to des­de a

De 2016 a 2020, sin­di­ca­li­za­ram-se mais de 114 mil tra­ba­lha­do­res nos sin­di­ca­tos da CGTP. O re­sul­ta­do lí­qui­do não é tão al­to por­que hou­ve re­for­mas, des­pe­di­men­tos, de­sem­pre­go, en­cer­ra­men­tos de em­pre­sas, etc. que tam­bém le­va­ram à saí­da de mui­tos tra­ba­lha­do­res. O re­sul­ta­do lí­qui­do foi po­si­ti­vo em cer­ca de cin­co mil qui­nhen­tos e qual­quer coi­sa e con­ti­nu­a­mos a sin­di­ca­li­zar.

Ter­mi­na­mos com uma per­gun­ta à se­cre­tá­ria-ge­ral da CGTP – en­ti­da­de pa­tro­nal. Qual vai ser o au­men­to sa­la­ri­al dos seus tra­ba­lha­do­res em 2021?

Ain­da não te­mos is­so de­fi­ni­do mas ga­ran­ti­da­men­te que ha­ve­rá con­ver­sa­ções com os tra­ba­lha­do­res e ha­ve­rá au­men­to com cer­te­za.

Aci­ma dos 35 euros que pe­de que su­ba o sa­lá­rio mí­ni­mo?

De­pen­de, por­que a CGTP de­pen­de das quo­tas dos as­so­ci­a­dos e as quo­tas de­pen­dem dos seus sa­lá­ri­os. Te­rá que ver com a ne­go­ci­a­ção e o que qu­e­re­mos é que se­jam os 90 euros pa­ra to­dos os tra­ba­lha­do­res, in­cluin­do os da CGTP.

Es­te ano te­mos uma re­du­ção mé­dia de 34% de con­su­mo de cer­ve­ja na res­tau­ra­ção e no ca­so dos mi­cro­cer­ve­jei­ros a que­bra é su­pe­ri­or a 60%. Se­ria efi­caz a apli­ca­ção de ta­xa ze­ro do IEC da cer­ve­ja em 2021 pa­ra os mi­cro­cer­ve­jei­ros, a exem­plo do que têm os produtores de vi­nho, e uma re­du­ção de 20% pa­ra os cer­ve­jei­ros que pro­du­zam mais de 1 mi­lhão de li­tros por ano, pa­ra as­se­gu­rar os ní­veis de em­pre­go no se­tor.

As me­di­das fis­cais de apoio às em­pre­sas de­vem ter du­as vertentes: cur­to e mé­dio/lon­go pra­zo. Na ver­ten­te con­jun­tu­ral, os apoi­os de­vem pri­vi­le­gi­ar o apoio à te­sou­ra­ria, co­mo ex­ten­são de pa­ga­men­tos. Em com­ple­men­to, apoio ao in­ves­ti­men­to em pro­je­tos con­cre­tos li­ga­dos ao Plano de Re­cu­pe­ra­ção Eco­nó­mi­ca. No mé­dio/lon­go pra­zo, de­ve ha­ver um si­nal cla­ro de es­ta­bi­li­da­de, em par­ti­cu­lar quan­to ao não agra­va­men­to dos im­pos­tos – por­que não cin­co anos de tré­guas fis­cais?

de ta­re­fas du­ras e pe­sa­das, que já não têm tra­ba­lha­do­res dis­po­ní­veis e (ii) in­ves­ti­ga­ção nas prá­ti­cas agrí­co­las, que per­mi­tam me­nor uso de re­cur­sos na­tu­rais e pes­ti­ci­das e al­ta qua­li­da­de do pro­du­to com cus­tos con­tro­la­dos e ele­va­da pro­du­ti­vi­da­de por hec­ta­re. Es­ta re­vo­lu­ção obri­ga a in­ves­ti­men­to em I&D que pre­ci­sa de apoi­os pú­bli­cos, pois os mon­tan­tes são ele­va­dos e o pra­zo de re­cu­pe­ra­ção mui­to lon­go.

ho­te­la­ria nes­te ano não irá além de 30%). Por is­so, a AHP pro­põe que em­pre­sas com que­da de fa­tu­ra­ção igual ou su­pe­ri­or a 50% te­nham o cus­to com a mas­sa sa­la­ri­al que su­por­tam com­par­ti­ci­pa­do pe­lo Es­ta­do em per­cen­ta­gem igual à da pro­por­ção da que­da de fa­tu­ra­ção, in­cluin­do re­du­ção da TSU na mes­ma pro­por­ção. As­sim man­ter-se-ia o vín­cu­lo la­bo­ral até à re­to­ma de for­ma a pre­ser­var o em­pre­go e as em­pre­sas es­ta­rem ap­tas pa­ra o ar­ran­que.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.