FMI. Ajus­ta­men­to por­tu­guês se­rá dos mais du­ros da Eu­ro­pa

Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo - - Destaque - Texto: Luís Reis Ri­bei­ro

O go­ver­no pre­vê cum­prir Pac­to em 2022, mas o FMI diz que, mes­mo sem Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção, Por­tu­gal cor­ta dé­fi­ce pa­ra 2,7% no ano que vem.

O go­ver­no por­tu­guês po­de con­se­guir fa­zer um dos ajus­ta­men­tos or­ça­men­tais mais du­ros do cha­ma­do mun­do de­sen­vol­vi­do em 2021, de acor­do com pre­vi­sões re­cen­tes do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) e cál­cu­los do Di­nhei­ro Vi­vo (DV).

De acor­do com o es­tu­do Mo­ni­tor Or­ça­men­tal, co­or­de­na­do por Ví­tor Gas­par, an­ti­go mi­nis­tro das Fi­nan­ças, atu­al­men­te di­re­tor do de­par­ta­men­to de as­sun­tos or­ça­men­tais da ins­ti­tui­ção, o FMI até es­tá me­nos pes­si­mis­ta do que o go­ver­no re­la­ti­va­men­te ao cor­ren­te ano: en­quan­to o mi­nis­tro João Leão es­tá a apon­tar ter­mi­nar 2020 com um dé­fi­ce pú­bli­co equi­va­len­te a 8,4% do pro­du­to in­ter­no bru­to (PIB), o FMI cal­cu­la que o de­se­qui­lí­brio das con­tas pos­sa che­gar a 7,3%.

Is­to é, em boa par­te, ex­pli­ca­do pe­lo fac­to de o Fun­do an­te­ci­par uma re­ces­são mais pe­sa­da nes­te ano (uma con­tra­ção de 10%), quan­do as Fi­nan­ças di­zem es­tar à es­pe­ra de 8,5%.

Mas num ce­ná­rio de po­lí­ti­cas in­va­ri­an­tes (ou se­ja, ain­da sem o no­vo or­ça­men­to, nem o pla­no de re­cu­pe­ra­ção, que têm por ob­je­ti­vo re­a­ni­mar a eco­no­mia), o FMI pre­vê que o país es­te­ja em con­di­ções de fa­zer um dos mai­o­res ajus­ta­men­tos no gru­po das 35 eco­no­mi­as mais de­sen­vol­vi­das do mun­do. E um dos mai­o­res da Eu­ro­pa.

Por seu tur­no, o go­ver­no e o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças têm re­pe­ti­do que o or­ça­men­to não tem aus­te­ri­da­de.

O go­ver­no pre­vê que a eco­no­mia ve­nha a cres­cer 5,4%, ao pas­so que o FMI cal­cu­la uma re­to­ma mais for­te, que po­de che­gar a 6,5% em 2021.

Pa­ra o FMI, a in­ver­são do ci­clo eco­nó­mi­co (saí­da da re­ces­são de 2020 pa­ra uma ex­pan­são em 2021) se­rá a quar­ta mais for­te do mun­do de­sen­vol­vi­do, a se­guir a Ma­cau, Es­pa­nha e San Ma­ri­no.

Is­so re­fle­te-se no dé­fi­ce e na dí­vi­da: quan­to mai­or o PIB, me­nor o pe­so do dé­fi­ce e do en­di­vi­da­men­to.

Pa­ra o go­ver­no, o dé­fi­ce des­ce pa­ra 4,3% no pró­xi­mo ano; o FMI an­te­ci­pa 2,7%, mar­ca que até já fi­ca abai­xo do li­mi­te de 3% do Pac­to de Es­ta­bi­li­da­de (em­bo­ra es­te es­te­ja sus­pen­so em 2021, co­mo acon­te­ceu nes­te ano, pa­ra dar mar­gem de ma­no­bra aos paí­ses pa­ra po­de­rem gas­tar e aguen­tar a eco­no­mia e a co­e­são so­ci­al).

O pe­so da dí­vi­da tam­bém cai mais de acor­do com as pre­vi­sões da ins­ti­tui­ção se­di­a­da em Washing­ton, fi­can­do em cer­ca de 130% do PIB, ain­da as­sim uma mar­ca ex­tre­ma­men­te ele­va­da e que vai im­por, em 2022, um ajus­ta­men­to mais pro­nun­ci­a­do, se o Pac­to de Es­ta­bi­li­da­de for re­a­ti­va­do.

Co­mo re­fe­ri­do, de acor­do com cál­cu­los do DV a par­tir das pro­je­ções da equi­pa de Ví­tor Gas­par, Por­tu­gal po­de cum­prir já em 2021 a re­gra do dé­fi­ce (2,7%), re­gis­tan­do as­sim o oi­ta­vo sal­do or­ça­men­tal mais fa­vo­rá­vel en­tre as eco­no­mi­as avan­ça­das. O ajus­ta­men­to des­te sal­do no­mi­nal (di­fe­ren­ça en­tre 2021 e 2020) se­rá um dos mai­o­res do gru­po em aná­li­se e o sex­to mai­or da Eu­ro­pa.

O ajus­ta­men­to do sal­do es­tru­tu­ral (que tenta me­dir o es­for­ço efe­ti­vo nas con­tas pú­bli­cas, des­con­tan­do o efei­to do ci­clo eco­nó­mi­co, que nes­te ca­so é a saí­da de uma cri­se de pro­por­ções his­tó­ri­cas) vai ser o 11.º mai­or do mun­do e o quin­to mai­or da União Eu­ro­peia em 2021.

O FMI cal­cu­la que um dos mo­to­res des­te ajus­ta­men­to pos­sa ser a re­cei­ta pú­bli­ca. Se­gun­do as no­vas pro­je­ções do Mo­ni­tor Or­ça­men­tal, o au­men­to do pe­so da re­cei­ta to­tal (em fun­ção do PIB) se­rá o quar­to mai­or do mun­do de­sen­vol­vi­do em 2021. Se­rá ain­da o ter­cei­ro mai­or da Eu­ro­pa; as mai­o­res su­bi­das na car­ga da re­cei­ta acon­te­cem na Es­tó­nia e na Es­lo­vé­nia.

Mas é na re­du­ção da dí­vi­da que Por­tu­gal mais se des­ta­ca. No pró­xi­mo ano, diz o FMI, o alí­vio do rá­cio da dí­vi­da pú­bli­ca se­rá o mai­or de to­dos os cha­ma­dos paí

É na re­du­ção da dí­vi­da que Por­tu­gal mais se des­ta­ca. No pró­xi­mo ano, diz o FMI, o alí­vio no rá­cio se­rá o mai­or de to­dos os paí­ses ri­cos.

Se­gun­do o go­ver­no, a re­cu­pe­ra­ção há de ser len­ta: só da­qui a dez anos é que va­mos re­gres­sar aos ní­veis pré-pan­de­mia.

ses ri­cos. O de­par­ta­men­to de Gas­par diz que es­se pe­so po­de cair mais de se­te pon­tos per­cen­tu­ais do PIB em 2021.

Go­ver­no mais con­ser­va­dor

Os ce­ná­ri­os do go­ver­no pa­re­cem ser mais con­ser­va­do­res, aler­tan­do vá­ri­as ve­zes pa­ra o am­bi­en­te de al­ta in­cer­te­za que ro­deia as pro­je­ções, pa­ra a al­ta de­pen­dên­cia fa­ce à evo­lu­ção da pan­de­mia (a for­ça des­trui­do­ra de uma se­gun­da va­ga, por exem­plo), mas tam­bém fa­ce ao que acon­te­cer na eco­no­mia in­ter­na­ci­o­nal.

“O de­sem­pe­nho da eco­no­mia por­tu­gue­sa es­tá bas­tan­te de­pen­den­te da evo­lu­ção da con­jun­tu­ra mun­di­al, em par­ti­cu­lar, da evo­lu­ção da pan­de­mia, de­vi­do à im­por­tân­cia das ex­por­ta­ções de bens e de ser­vi­ços”, diz o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças.

Na apre­sen­ta­ção do OE2021, o mi­nis­tro João Leão ace­nou com um “or­ça­men­to cer­to e bom” pa­ra Por­tu­gal e os por­tu­gue­ses.

Pri­mei­ro dis­se que o no­vo OE

“não tem aus­te­ri­da­de, não vem acres­cen­tar cri­se à cri­se, an­tes pe­lo con­trá­rio, as­sen­ta na re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia e na pro­te­ção do ren­di­men­to”, mas lo­go em se­gui­da dei­xou um avi­so à na­ve­ga­ção: “Te­mos o de­ver de não co­lo­car em ris­co a es­ta­bi­li­da­de e o fu­tu­ro dos por­tu­gue­ses” pe­lo que “não ab­di­ca­re­mos do ri­gor na ges­tão or­ça­men­tal, que é de­ci­si­vo nu­ma si­tu­a­ção de cri­se mun­di­al e de ele­va­do ní­vel de dí­vi­da pú­bli­ca, pa­ra con­se­guir­mos man­ter o aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to em con­di­ções fa­vo­rá­veis nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais”.

Se­gun­do o FMI, Por­tu­gal po­de ten­tar fa­zer is­so (o re­gres­so à nor­ma­li­za­ção das con­tas pú­bli­cas) já no ano que vem e com al­gum su­ces­so, em ter­mos com­pa­ra­ti­vos.

Sub­ja­cen­te às pa­la­vras do mi­nis­tro so­bre a ne­ces­si­da­de de “man­ter o aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to em con­di­ções fa­vo­rá­veis”, exis­te a ideia de fun­do de que o apoio do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) – com as su­as enor­mes com­pras de dí­vi­da pú­bli­ca aos ban­cos for­ça e man­tém os mí­ni­mos his­tó­ri­cos das ta­xas de ju­ro – não há de ser pa­ra sem­pre.

Pla­no de re­cu­pe­ra­ção

Pa­ra já, o país pre­ci­sa de re­cu­pe­rar em­pre­gos e em­pre­sas. Nos pró­xi­mos cin­co anos vai ter uma aju­da mui­to im­por­tan­te de fun­dos eu­ro­peus. O Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção apre­sen­ta­do nes­ta se­ma­na é um pa­co­te de mais de 15 mil mi­lhões de eu­ros em sub­ven­ções (di­nhei­ro a fun­do per­di­do) a que po­dem so­mar mais 15,7 mil mi­lhões de eu­ros em em­prés­ti­mos ba­ra­tos.

Se­gun­do o go­ver­no, a re­cu­pe­ra­ção há de ser len­ta: só da­qui a dez anos é que a eco­no­mia vai con­se­guir re­gres­sar aos ní­veis pré-pan­de­mia.

No en­tan­to, a ro­ta do dé­fi­ce or­ça­men­tal al­te­ra-se pou­co. O FMI diz que o dé­fi­ce já cai abai­xo dos 3% no ano que vem; o go­ver­no pre­vê 2,7% em 2022.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.