De­pu­ta­das do BE tes­te­mu­nham em quei­xa por dis­cri­mi­na­ção se­xu­al con­tra Pe­dro Ar­ro­ja

Co­mis­são pa­ra Ci­da­da­nia e Igual­da­de de Gé­ne­ro en­vi­ou ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co quei­xa por in­ci­ta­ção à dis­cri­mi­na­ção

Edição Público Lisboa - - PORTUGAL - Gé­ne­ro Zi­ta Mou­ra

Cin­co de­pu­ta­das da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e uma eu­ro­de­pu­ta­da, to­das do Blo­co de Es­quer­da (BE), es­tão a ser no­ti­fi­ca­das pe­lo De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal do Por­to pa­ra pres­ta­rem de­poi­men­to es­cri­to num ca­so que en­vol­ve uma quei­xa por in­ci­ta­ção à dis­cri­mi­na­ção con­tra o eco­no­mis­ta Pe­dro Ar­ro­ja, con­fir­mou o PÚ­BLI­CO es­ta se­ma­na (quar­ta-fei­ra) du­ran­te a con­sul­ta do pro­ces­so. Tra­ta-se de Joana e Ma­ri­a­na Mor­tá­gua, Sandra Cu­nha, Isa­bel Pires, Ma­ri­sa Ma­ti­as e Ca­ta­ri­na Mar­tins.

Em Ja­nei­ro pas­sa­do, a Co­mis­são pa­ra a Ci­da­da­nia e a Igual­da­de de Gé­ne­ro apre­sen­tou uma quei­xa jun­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por cau­sa das de­cla­ra­ções do eco­no­mis­ta Pe­dro Ar­ro­ja, que, em No­vem­bro, se re­fe­riu, no Jor­nal Diá­rio do Por­to Ca­nal, às de­pu­ta­das do Blo­co co­mo “aque­las es­ga­ni­ça­das”. Dis­se ain­da que “não qu­e­ria ne­nhu­ma da­que­las mu­lhe­res, nem da­da”.

O epi­só­dio de 9 de No­vem­bro de 2015 te­rá si­do um dos mais po­lé­mi­cos. As de­cla­ra­ções le­va­ram o BE a di­ri­gir uma car­ta à di­rec­ção do Por­to Ca­nal, em que se exi­gia “de ime­di­a­to um pe­di­do de des­cul­pas for­mal” pe­la si­tu­a­ção. Mas além da car­ta do Blo­co, hou­ve um “con­jun­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de de­nún­ci­as de te­les­pec­ta­do­res” a se­rem en­vi­a­dos pa­ra a Co­mis­são pa­ra a CIG, ex­pli­cou es­ta ins­ti­tui­ção ao PÚ­BLI­CO.

No en­qua­dra­men­to da sua fun­ção de ga­ran­tir “a exe­cu­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas no âm­bi­to da ci­da­da­nia e da pro­mo­ção da igual­da­de de gé­ne­ro”, a CIG ana­li­sou as de­nún­ci­as re­ce­bi­das e as de­cla­ra­ções de Pe­dro Ar­ro­ja, e en­ten­deu “ha­ver ma­té­ria de fac­to sus­cep­tí­vel de con­fi­gu­rar ilí­ci­to con­tra-or­de­na­ci­o­nal e tam­bém cri­mi­nal”, apoi­an­do-se na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa e na Lei da Te­le­vi­são e dos Ser­vi­ços Au­di­o­vi­su­ais a Pe­di­do.

A co­mis­são con­si­de­rou os co­men­tá­ri­os de Pe­dro Ar­ro­ja “dis­cri­mi­na­tó­ri­os” e “sus­cep­tí­veis de in­ci­tar e en­co­ra­jar à dis­cri­mi­na­ção em ra­zão do se­xo”. Por is­so, a CIG re­en­ca­mi­nhou as de­nún­ci­as, jun­ta­men­te com uma apre­ci­a­ção so­bre as mes­mas, pa­ra a En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra pa­ra a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al (ERC) e pa­ra o De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal (DIAP) do Por­to, em Ja­nei­ro des­te ano.

“Já há anos que se cri­am es­tas po­lé­mi­cas a meu res­pei­to”, dis­se o eco­no­mis­ta Pe­dro Ar­ro­ja, que fa­lou ao PÚ­BLI­CO no res­cal­do de um outro epi­só­dio de con­tes­ta­ção das su­as opi­niões. Des­ta vez es­ta­va em cau­sa um post no blo­gue do ges­tor, em que di­zia que as mu­lhe­res na li- de­ran­ça dos par­ti­dos “des­na­tu­ram a sua na­tu­re­za (dos par­ti­dos)” por os tor­na­rem “me­nos agres­si­vos”.

O eco­no­mis­ta vi­sa­do pe­la quei­xa da CIG só te­rá sa­bi­do que ti­nha um pro­ces­so a de­cor­rer con­tra si com uma no­tí­cia avan­ça­da pe­lo Jor­nal de Notícias a 24 de Mar­ço. “Eu nem co­nhe­cia a CIG”, as­se­gu­rou Pe­dro Ar­ro­ja ao PÚ­BLI­CO. “Eu nun­ca co­me­ti ne­nhum cri­me na mi­nha vi­da. E cer­ta­men­te aque­le cri­me que a CIG me im­pu­ta não exis­te, é uma for­ma de pres­são, sim, so­bre a mi­nha pes­soa, e não ape­nas pe­las de­cla­ra­ções que fiz no Por­to Ca­nal. Já exis­te um cri­mi­no­so, mas ain­da an­dam to­dos à pro­cu­ra do cri­me”, de­fen­de. Ga­ran­te que es­tá a ser “trans­for­ma­do num bo­de ex­pi­a­tó­rio”.

A pro­cu­ra­do­ra ad­jun­ta ti­tu­lar do inqué­ri­to, Di­a­na Ga­ma, che­gou a re­me­ter o pro­ces­so pa­ra uma su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­ca, Ma­ria Elisabete Santos, por con­si­de­rar que as de­cla­ra­ções de Pe­dro Ar­ro­ja po­de­ri­am in­te­grar a ca­te­go­ria de “pro­ces­sos me­diá­ti­cos ou sus­cep­tí­veis de re­per­cus­são so­ci­al” e, co­mo tal, pas­sar pa­ra as mãos da pro­cu­ra­do­ra co­or­de­na­do­ra. A ma­gis­tra­da dis­cor­dou, e no seu pa­re­cer, da­ta­do de 1 de Mar­ço, diz que não vis­lum­brou “da fac­tu­a­li­da­de des­cri­ta na par­ti­ci­pa­ção qual­quer me­di­a­ti­za­ção ou sus­cep­ti­bi­li­da­de de re­per­cus­são so­ci­al”, ain­da que qua­li­fi­que as de­cla­ra­ções de Ar­ro­ja co­mo “afir­ma­ções ofen­si­vas pri­va­das efec­tu­a­das num meio de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”. Uma se­ma­na de­pois, Di­a­na Ga­ma re­que­reu à As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca au­to­ri­za­ção pa­ra ou­vir as de­pu­ta­das blo­quis­ta, o que foi apro­va­do na Sub­co­mis­são de Éti­ca a 16 de Mar­ço.

O ar­ti­go 240º do Có­di­go Pe­nal, in­ti­tu­la­do “Dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al, re­li­gi­o­sa ou se­xu­al”, pre­vê que quem “em reu­nião pú­bli­ca, por es­cri­to des­ti­na­do a di­vul­ga­ção ou atra­vés de qual­quer meio de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”, “di­fa­mar ou in­ju­ri­ar pes­soa ou gru­po de pes­so­as por cau­sa da sua ra­ça, cor, ori­gem ét­ni­ca ou na­ci­o­nal, religião, se­xo, ori­en­ta­ção se­xu­al ou iden­ti­da­de de gé­ne­ro” é pu­ni­do com pe­na de pri­são de seis me­ses a cin­co anos.

Pe­dro Ar­ro­ja po­de­ria ter in­cor­ri­do no cri­me de di­fa­ma­ção ou de in­jú­ria, mas pa­ra is­so as de­pu­ta­das blo­quis­tas te­ri­am de ter apre­sen­ta­do quei­xa con­tra o eco­no­mis­ta, o que não acon­te­ceu.

Joana e Ma­ri­a­na Mor­tá­gua, Sandra Cu­nha, Isa­bel Pires, Ma­ri­sa Ma­ti­as e Ca­ta­ri­na Mar­tins vão de­por em pro­ces­so do DIAP do Por­to

Tex­to edi­ta­do por Pe­dro Sa­les Dias

MAR­TIN HENRIK

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.