“Trump fa­ci­li­tou a cons­pi­ra­ção rus­sa nas elei­ções”

O jor­na­lis­ta Mi­cha­el Isi­kof afir­ma que Ro­bert Mu­el­ler po­de ser afas­ta­do

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - An­tó­nio Sa­rai­va Li­ma an­to­nio.li­ma@pu­bli­co.pt

É jor­na­lis­ta e co-au­tor do li­vro Ro­le­ta Rus­sa (Ca­sa das Le­tras), um tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção so­bre os bastidores das pre­si­den­ci­ais nos Es­ta­dos Uni­dos em 2016 e que, reu­nin­do e ana­li­san­do tes­te­mu­nhos de quem acom­pa­nhou de per­to a es­tra­té­gia rus­sa pa­ra in­flu­en­ci­ar as elei­ções, le­van­ta o véu so­bre um dos mais so­fis­ti­ca­dos ata­ques ex­ter­nos à de­mo­cra­cia nor­te-ame­ri­ca­na. Jor­na­lis­ta de in­ves­ti­ga­ção do si­te Yahoo News, Mi­cha­el Isi­koff pas­sou pe­la Web Sum­mit pa­ra dis­cu­tir o pa­pel das re­des so­ci­ais nas elei­ções de­mo­crá­ti­cas e fa­lar so­bre o li­vro — es­cri­to com Da­vid Corn — que diz ser o úni­co que “jun­ta as pe­ças to­das” e com o qu­al ga­ran­te ser pos­sí­vel ar­gu­men­tar que Do­nald Trump am­pa­rou a ac­ção cri­mi­no­sa da Rús­sia, in­de­pen­den­te­men­te de ter co­o­pe­ra­do ou não com o Krem­lin. Uma vez que a en­tre­vis­ta de­cor­reu no dia das elei­ções nos EUA, ter­ça­fei­ra, o seu des­fe­cho foi dis­cu­ti­do pos­te­ri­or­men­te. Não fal­tam li­vros, ar­ti­gos ou pe­ças jor­na­lís­ti­cas so­bre a in­ter­fe­rên­cia rus­sa nas pre­si­den­ci­ais dos EUA. O que é que es­te li­vro traz de di­fe­ren­te? Foi es­cri­ta imen­sa coi­sa, frag­men­tos da his­tó­ria, tex­tos de­di­ca­dos a par­tes es­pe­cí­fi­cas e va­ri­a­das a in­ge­rên­cia da Rús­sia nas elei­ções, mas era ne­ces­sá­ria uma nar­ra­ti­va cro­no­ló­gi­ca pa­ra as pes­so­as per­ce­be­rem to­do o con­tex­to en­vol­ven­te. O ata­que rus­so à de­mo­cra­cia ame­ri­ca­na não sur­giu do na­da, tal co­mo as re­la­ções en­tre Trump, os rus­sos e [Vla­di­mir] Pu­tin não co­me­ça­ram de um dia pa­ra o ou­tro. Há an­te­ce­den­tes his­tó­ri­cos im­por­tan­tes. Pa­ra além dis­so, ho­je sa­be-se que o fa­lhan­ço dos ser­vi­ços se­cre­tos ame­ri­ca­nos em 2016 foi mui­to mais gra­ve do que o que se pen­sa­va na al­tu­ra, pe­lo que era ne­ces­sá­rio ex­pli­car porquê. Fo­mos os pri­mei­ros a jun­tar to­das as pe­ças nu­ma só nar­ra­ti­va. A de­mo­ra do Par­ti­do De­mo­cra­ta e da Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma em per­ce­ber que o

hac­king rus­so era sé­rio foi o fac­tor-cha­ve pa­ra o su­ces­so da es­tra­té­gia de Mos­co­vo? Sem dú­vi­da. Ape­sar dos múl­ti­plos avi­sos que re­ce­beu, o Go­ver­no ame­ri­ca­no — nos seus vá­ri­os ní­veis — an­dou a dor­mir du­ran­te de­ma­si­a­do tem­po e não com­pre­en­deu to­tal­men­te o que os rus­sos es­ta­vam a fa­zer. No li­vro da­mos con­ta des­tas ad­ver­tên­ci­as que Washing­ton re­ce­beu e re­la­ta­mos que os ser­vi­ços se­cre­tos em Mos­co­vo avi­sa­ram re­pe­ti­da­men­te as au­to­ri­da­des so­bre o guião de Pu­tin pa­ra ata­car as de­mo­cra­ci­as li­be­rais, in­cluin­do a ame­ri­ca­na. O fac­to de os avi­sos não te­rem ti­do a aten­ção que me­re­ci­am per­mi­tiu aos rus­sos che­ga­rem on­de che­ga­ram. Iden­ti­fi­ca du­as ver­ten­tes do pla­no: o rou­bo e di­vul­ga­ção de emails pri­va­dos (atra­vés de pi­ra­ta­ria in­for­má­ti­ca) e a mo­bi­li­za­ção de um “exér­ci­to” pa­ra di­fun­dir no­tí­ci­as fal­sas nas re­des so­ci­ais. Em te­o­ria é mais di­fí­cil com­ba­ter a pri­mei­ra, mas pa­ra os EUA foi mais cus­to­so re­a­gir à se­gun­da. Porquê? Há uns anos não pas­sa­va pe­la ca­be­ça de nin­guém que as re­des so­ci­ais pu­des­sem ser usa­das ou ex­plo­ra­das com pro­pó­si­tos po­lí­ti­cos, pa­ra in­flu­en­ci­ar o des­fe­cho de uma elei­ção. O pró­prio Fa­ce­bo­ok, ou o Twit­ter, não ti­nham es­sa no­ção. Ho­je com­pre­en­de­mos me­lhor es­te ti­po de ac­tu­a­ções e a for­ma co­mo ex­plo­ram o des­con­ten­ta­men­to das pes­so­as. A ame­a­ça trans­for­mou-se num fe­nó­me­no mun­di­al que, na mai­o­ria dos ca­sos, jo­ga a fa­vor de Pu­tin e do Krem­lin, dan­do­lhes opor­tu­ni­da­des pa­ra alar­gar a sua in­fluên­cia pe­lo mun­do. No ca­so das pre­si­den­ci­ais ame­ri­ca­nas o que foi es­pan­to­so foi o quão ce­gas es­ti­ve­ram as au­to­ri­da­des em re­la­ção à ofen­si­va rus­sa nas re­des so­ci­ais e aos seus trolls. Foi uma si­tu­a­ção que pas­sou ao la­do do FBI, da CIA e do De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal. Nin­guém jun­tou as pe­ças. Quan­do no Ve­rão de 2016 a Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma co­me­çou a dis­cu­tir co­mo re­a­gir aos ata­ques in­for­má­ti­cos, à guer­ra de in­for­ma­ção, à pe­ne­tra­ção nas ba­ses de da­dos elei­to­rais e à di­vul­ga­ção de emails pe­la Wi­kiLe­aks, es­ta­va to­tal­men­te alhe­a­da da es­tra­té­gia de Mos­co­vo nas re­des so­ci­ais. Era al­go que nem fa­zia par­te da dis­cus­são.

A pre­pa­ra­ção pa­ra es­tas elei­ções já foi me­lhor?

Tal­vez, mas nes­tas elei­ções não hou­ve si­nais evi­den­tes de uma in­tro­mis­são rus­sa. Tam­bém nun­ca es­pe­rei que hou­ves­se. Os rus­sos são mui­to es­per­tos, são bons no que fa­zem e se sen­ti­rem que es­ta­mos aler­ta vão man­ter-se fo­ra do ra­dar e re­a­gir com al­gum pla­no que não es­pe­ra­mos. E o elei­tor co­mum ame­ri­ca­no? Es­tá ho­je mais aler­ta pa­ra es­tas es­tra­té­gi­as de ma­ni­pu­la­ção nas re­des so­ci­ais? As pes­so­as mais in­flu­en­ciá­veis por es­te ti­po de no­tí­ci­as pro­va­vel­men­te não es­tão. As fa­ke news são bem su­ce­di­das, por­que se di­ri­gem a elei­to­res que são, por na­tu­re­za, sus­cep­tí­veis a de­ter­mi­na­das men­sa­gens. Aque­les que que­rem re­al­men­te acre­di­tar em al­go acre­di­tam. Vêem um post no Fa­ce­bo­ok que ali­men­ta os seus pró­pri­os pre­con­cei­tos e não he­si­tam em par­ti­lhá-lo. O li­vro dá gran­de des­ta­que às am­bi­ções an­ti­gas de Trump em fa­zer ne­gó­ci­os com os rus­sos. Quão im­por­tan­te é es­te da­do pa­ra a his­tó­ria? Se que­re­mos com­pre­en­der a vi­são de Trump so­bre as san­ções dos EUA e da União Eu­ro­peia à Rús­sia — du­ran­te a cam­pa­nha in­sis­tiu que que­ria aca­bar com elas —, te­mos de olhar pa­ra os es­for­ços que fez pa­ra en­trar em ne­gó­ci­os no país. Em 2013, quan­do or­ga­ni­zou e pre­si­diu ao con­cur­so Miss Uni­ver­so em Mos­co­vo, Trump acor­dou com Aras Aga­la­rov — um oli­gar­ca mui­to pró­xi­mo de Pu­tin — cons­truir uma Trump Tower na ca­pi­tal rus­sa. Trump Jr. foi pos­to na li­de­ran­ça do pro­jec­to e Ivan­ka [a sua fi­lha] che­gou a vi­a­jar pa­ra Mos­co­vo em bus­ca de po­ten­ci­ais lo­ca­li­za­ções pa­ra o edi­fí­cio. O pro­ble­ma é que em Fe­ve­rei­ro de 2014 Pu­tin ane­xou a Cri­meia e in­ter­veio na Ucrâ­nia e o Oci­den­te impôs as san­ções. Uma das en­ti­da­des atin­gi­das por es­sas san­ções foi o Sber­bank, um ban­co cu­ja mai­o­ria é de­ti­da pe­lo Es­ta­do rus­so e que es­ta­va na ca­lha pa­ra fi­nan­ci­ar o pro­jec­to. O de­se­jo de Trump de ex­pan­dir os seus ne­gó­ci­os pa­ra a Rús­sia foi tra­va­do pe­las san­ções, pe­lo que a sua prin­ci­pal e pri­mei­ra in­ter­pre­ta­ção das mes­mas é a de que “li­xa­ram”

o seu acor­do. No fim das con­tas, o que mais im­por­ta ao Pre­si­den­te são as su­as em­pre­sas e os seus ne­gó­ci­os.

Tem ho­je mais con­vic­ções ou mais dú­vi­das so­bre o pa­pel de Trump ou da sua equi­pa de cam­pa­nha na in­tro­mis­são rus­sa?

Fa­lar em cons­pi­ra­ção (col­lu­si­on) ain­da é de­ma­si­a­do con­tro­ver­so e obs­cu­ro, à luz do que veio a pú­bli­co. Es­pe­ro que a in­ves­ti­ga­ção de Ro­bert Mu­el­ler cla­ri­fi­que a nar­ra­ti­va, mes­mo es­tan­do cons­ci­en­te de que tal­vez nun­ca se che­gue ao fun­do da ques­tão, ou se ve­nha a sa­ber se hou­ve co­or­de­na­ção, to­tal ou par­ci­al, en­tre a cam­pa­nha de Trump e o Krem­lin. Em úl­ti­ma ins­tân­cia, e é pos­sí­vel ar­gu­men­tar nes­se sen­ti­do, Trump per­mi­tiu e fa­ci­li­tou, atra­vés das su­as de­cla­ra­ções du­ran­te e de­pois da cam­pa­nha, uma cons­pi­ra­ção cri­mi­no­sa rus­sa pa­ra in­ter­fe­rir nas nos­sas elei­ções. Os rus­sos in­cor­re­ram em cri­mes fe­de­rais, rou­ba­ram emails e usa­ram-nos com fins po­lí­ti­cos. Mu­el­ler in­di­ci­ou mi­li­ta­res e agen­tes se­cre­tos rus­sos por es­tes cri­mes e Trump, ao des­va­lo­ri­zar, ig­no­rar e ne­gar pu­bli­ca­men­te e re­pe­ti­da­men­te to­dos es­tas ques­tões, con­tra­ri­an­do as con­clu­sões dos ser­vi­ços se­cre­tos, da Jus­ti­ça ame­ri­ca­na e de al­guns mem­bros da sua pró­pria Ad­mi­nis­tra­ção, am­pa­rou a ac­ção de Mos­co­vo.

Há al­guns anos era in­con­ce­bí­vel que o Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no e mui­tos dos seus elei­to­res ad­mi­tis­sem que um can­di­da­to seu de­fen­des­se ou elo­gi­as­se Pu­tin e a Rús­sia...

Os re­pu­bli­ca­nos aban­do­na­ram os seus ide­ais pa­ra que Trump pu­des­se ser elei­to. Qu­e­ri­am um ven­ce­dor, qu­e­ri­am vol­tar ao po­der e por is­so fi­ze­ram um “pac­to com o Di­a­bo” e ven­de­ram-lhe a sua al­ma. De­pois da elei­ção, mes­mo ha­ven­do al­gu­mas ex­cep­ções den­tro do par­ti­do, a es­tra­té­gia tem si­do a de mi­ni­mi­zar a ac­tu­a­ção do Pre­si­den­te. Is­to é iné­di­to na his­tó­ria do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no.

As elei­ções in­ter­ca­la­res fo­ram um re­fe­ren­do a Trump? Ele fez ques­tão de o as­su­mir.

Sim, ele cen­trou a elei­ção na sua fi­gu­ra. Do seu pon­to de vis­ta não foi um ris­co, por­que, mes­mo que as coi­sas lhe cor­res­sem mal, Trump nun­ca as­su­mi­ria que a cul­pa era sua, tem o há­bi­to de di­zer que é de ou­tra pes­soa qual­quer.

Que lei­tu­ra faz dos re­sul­ta­dos?

Os pró­xi­mos tem­pos vão ser ain­da mais as­sus­ta­do­res e lou­cos em Washing­ton. A elei­ção de­mons­trou o quão po­la­ri­za­dos con­ti­nu­am os EUA. Nes­te mo­men­to exis­tem dois paí­ses den­tro de um, pro­fun­da­men­te di­vi­di­dos em ques­tões fun­da­men­tais e va­lo­res. Com a con­quis­ta da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes os de­mo­cra­tas te­rão nas mãos um enor­me di­le­ma. A ba­se do par­ti­do vai exer­cer uma pres­são enor­me so­bre os con­gres­sis­tas, pa­ra que ini­ci­em ra­pi­da­men­te um pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment (des­ti­tui­ção) de Trump, mas os seus lí­de­res es­tão re­ce­o­sos em ir por es­se ca­mi­nho, por sa­be­rem que, pa­ra além de ser im­pos­sí­vel con­cre­ti­zá-lo num Se­na­do re­pu­bli­ca­no re­for­ça­do, vai di­vi­dir ain­da mais o país, ali­men­tar a rai­va de mui­ta gen­te e di­fi­cul­tar-lhes a ta­re­fa pa­ra as pró­xi­mas pre­si­den­ci­ais [2020]. Um im­pe­a­ch­ment fra­cas­sa­do po­de for­ta­le­cer o Pre­si­den­te.

E es­pe­ra no­vos de­sen­vol­vi­men­tos da trama rus­sa?

Acho que o Par­ti­do De­mo­cra­ta vai lan­çar in­ves­ti­ga­ções, pe­dir au­di­ções e exi­gir no­vas in­ti­ma­ções a Trump e à sua Ad­mi­nis­tra­ção, por cau­sa das li­ga­ções a Mos­co­vo. Pa­ra além dis­so, acre­di­to que Mu­el­ler vá anun­ci­ar no­vas acu­sa­ções — pos­si­vel­men­te con­tra Ro­ger Sto­ne [amigo e ex-con­se­lhei­ro de Trump] — e avan­çar no seu re­la­tó­rio. Por ou­tro la­do, o Pre­si­den­te vai me­xer-se mui­to ra­pi­da­men­te pa­ra ten­tar abrir ca­mi­nho ao afas­ta­men­to do pró­prio Mu­el­ler. Já des­pa­chou Jeff Ses­si­ons [at­tor­ney ge­ne­ral, equi­va­len­te a mi­nis­tro da Jus­ti­ça] e o pró­xi­mo de­ve ser Rod Ro­sens­tein [vi­ce-pro­cu­ra­dor-ge­ral].

Que im­pac­to pa­ra a in­ves­ti­ga­ção po­de ter o afas­ta­men­to de Jeff Ses­si­ons?

Pen­so que a co­lo­ca em sé­ri­os ris­cos. Mu­el­ler te­rá ago­ra de re­por­tar a Matthew Whitaker, um ho­mem le­al a Trump e um for­te crí­ti­co da in­ves­ti­ga­ção. Mes­mo que não afas­te Ro­bert Mu­el­ler, po­de res­trin­gir se­ve­ra­men­te a sua in­ves­ti­ga­ção. É até pro­vá­vel que en­cu­bra ou omi­ta os seus pró­xi­mos re­la­tó­ri­os. Cer­to é que mui­tas das ques­tões que le­van­tá­mos na Ro­le­ta Rus­sa vão pai­rar so­bre a Ca­sa Bran­ca du­ran­te os pró­xi­mos anos. De­ve­mos pre­pa­rar-nos pa­ra uma ver­da­dei­ra cri­se po­lí­ti­ca em Washing­ton. Vai ser ex­plo­si­vo.

Os re­pu­bli­ca­nos aban­do­na­ram os seus ide­ais pa­ra que Trump pu­des­se ser elei­to. Qu­e­ri­am um ven­ce­dor, qu­e­ri­am vol­tar ao po­der e por is­so fi­ze­ram um ‘pac­to com o Di­a­bo’

De­ve­mos pre­pa­rar-nos pa­ra uma ver­da­dei­ra cri­se po­lí­ti­ca em Washing­ton. Vai ser ex­plo­si­vo

MI­GUEL MANSO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.